A família como espaço de cura

Data de publicação: 02/04/2018


Por, Cleusa Thewes e Alvício Thewes

Mirela, 31 anos; e Carlos, 29 – Namoravam há oito anos quando decidiram se casar. Durante esse período, colaram grau no ensino superior, ela em Direito e ele em Biomedicina. Faltando seis meses para o casamento, Carlos manifestou dúvidas sobre os seus sentimentos por Mirela e rompeu o namoro. Mirela ficou em choque.  Todos os sonhos, as expectativas e os projetos do casal, e os seus particulares, desmoronavam ali, naquele instante. Abalada, fragilizada, sem perspectivas, Mirela deprimiu. A tristeza e a decepção enfraqueceram toda a família. Seus pais custaram a acreditar no fim do relacionamento. Os pais somaram o que lhes restava de forças e cuidaram da dor e depressão da filha. 
Para assimilar sua nova realidade, sarar a dor do coração e da alma, refazer seu projeto de vida, Mirela recolheu-se ao seio da família, onde contou com o apoio incondicional de sua mãe, que largou algumas tarefas suas para se envolver mais com a filha.
O amparo familiar é o medicamento de Mirela para o restabelecimento da saúde mental, da autoestima. Analisando o comportamento de Carlos, a família constatou que seu comportamento, nos últimos tempos, já vinha sinalizando descomprometimento, não percebido por Mirela, apaixonada, cega de amor.
Mirela encontrou junto aos pais a compreensão e a cumplicidade necessárias para retomar seus projetos e voltar à vida sadia. Ante o imprevisível acontecimento, sua casa se transformou, num lance quase mágico, em espaço de cura.

Maicon – É um jovem triste e desanimado. Aos 15 anos perdeu a mãe e, aos 17, também o pai.  Ele não entende por que a vida lhe impôs um luto tão feroz e está em busca de respostas, o que, diante do seu infortúnio, é compreensível e até faz parte do processo de cura. Sua mãe sempre fora ativa e alegre. Era ela quem administrava a economia doméstica e coordenava as tarefas do lar; o pai, por ser cadeirante, era cuidado por Maicon na maior parte do tempo.
Maicon chora suas perdas e está extremamente atrapalhado no cuidar de si mesmo e na administração e manutenção da casa. Sente falta e saudades da mãe. Ela enchia a casa de alegria, de vida, falando, cantando, incentivando, acolhendo. Que saudades desses momentos! Também lhe falta a saborosa sopa que ela lhe fazia. Ele se culpa por não dar conta dos afazeres domésticos da mesma forma como a mãe. Maicon tem, ainda, outros dois irmãos mais velhos, já casados. Eles e suas esposas se dedicam, na medida do possível, ao irmão mais novo, dando-lhe algum suporte emocional e financeiro.
 Maicon colocou todas as suas esperanças no ano de 2018. “Comecei mais animado. Vou viver a vida de forma mais leve e feliz, assim como mamãe sempre desejou”, declarou. Voltou, então, a organizar os estudos, a pensar em sua futura profissão e a cuidar do asseio da casa e do pátio. Até já aprendeu a fazer a sopa da mamãe. Recomeçou, também, a visitar amigos e a conviver mais com os irmãos.
Ele reconhece os cuidados que recebe dos manos mais velhos, com uma diferença. Eles cuidam dele à sua maneira e não como os pais cuidavam. Percebeu, em consequência, que, não obstante à perda, os pais lhe deixaram como herança uma família. Logo não se sente mais tão só.

Família, porta de chegada – A família de Mirela e a de Maicon tiveram a capacidade de se tornarem resilientes, bem como fortaleceram laços de amparo e cuidado, potencializando, assim, uma de suas facetas principais, a cura. Com isso ressignificaram o sentido do pertencimento familiar. E nada mais fizeram do que cumprir o seu papel, pois a família surgiu para curar a semente da vida e cuidar dela, e não apenas para acumular bens terrenos.
 O desvelo parental, este debruçar sobre a dor e a vida do outro, restabelece o equilíbrio emocional, reabilita a fragilidade diante do imprevisto, da doença, do trauma, das perdas... Atitudes de apoio, cuidado, compreensão e amorosidade capacitam a família e fortalecem os vínculos afetivos e de pertencimento. A família é o lar, a referência da segurança, o ninho do aconchego, o porto de chegada e de partida, o espaço da permanência. É também o lugar da simplicidade, da sabedoria, da profundidade dos sentimentos...
A família, no cotidiano, tece o ir e vir de cada membro, cuida do desabrochar deles para escolhas conscientes, enfrentamentos, superações, levando-os à maturidade. Na família, o âmago é tecido pelas coloridas experiências, alegres ou tristes, de cada um; na família, fazemos a síntese do nosso existir.
Muitos desafios tentam desviar ou diminuir o valor e o foco familiar, mas as histórias de Mirela e Maicon mostram que todos podem reencontrar sua saúde, física e emocional, num gesto acolhedor de pai, de mãe, de irmãos, de avós. Isso comprova e confirma que a família, aqui na Terra, é a porta de chegada, da morada e da partida da vida. Amém!





Fonte: FC edição 986 Fevereiro 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Você tem medo?
Do que você tem medo? De ladrão, de barata, de sapo? Do futuro, de perder quem ama, da solidão?
Amor que não se mede
Quem já teve ou tem um familiar dependente de drogas ou álcool se identifica com a situação
Às crianças o que é delas
A criança é vulnerável, em raras ocasiões verbaliza suas angustias e medos, mas sinaliza com reações
Avós e netos, belas histórias
Escutar com o coração e com todos os sentidos é uma arte afetiva a ser desenvolvida na criança
Desatando os nós
Lara,nasceu com síndrome de Down e esta sua alteração genética tem sido instrumento para para ajudar
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados