Liturgia da Palavra

Data de publicação: 11/05/2018

Ascensão do Senhor
Ano B – 13 de maio de 2018

At 1,1-11 – Jesus foi levado para o céu. Assim como partiu, Ele virá um dia.

Sl 46 (47) – O Senhor se eleva ao toque da trombeta.

Ef 1,17-23 – Deus ressuscitou Jesus dos mortos e o fez sentar-se à sua direita nos céus.

Mc 16,15-20 – Vão pelo mundo inteiro e anunciem o Evangelho a toda criatura.
   
Ascensão do Senhor, verdadeiro Deus e verdadeiro homem

1. Depois da ressurreição, Jesus foi visto pelos discípulos ainda por quarenta dias, e depois, à vista deles, subiu ao céu completando sua passagem pela terra. Desceu do alto céu, tornou-se um de nós, pegou-nos consigo e nos levou até ao Pai, introduzindo na Trindade o que lá não havia: a natureza humana. Tornou-nos assim participantes da sua divindade e tornou-se Ele mesmo mediador entre o Pai e a humanidade redimida.  Subiu aos céus sem se afastar de nós. Ele é agora a gloriosa cabeça de um corpo do qual somos os membros. Jesus morreu e foi para a casa do Pai, como acontece com todos nós. No entanto, a sua Ascensão nos diz algo mais. Ele subiu ao céu por sua própria força com seu corpo ressuscitado. Aquele que sobe é uma só pessoa, a pessoa de Jesus Cristo, em duas naturezas: a natureza humana e a natureza divina. Ele é verdadeiro Deus como sempre foi e verdadeiro homem desde sua encarnação. Por isso rezamos hoje por que a Ascensão de Jesus já é nossa vitória, porque nossa humanidade já está junto de Deus.
2. São Marcos, em três sentenças, nos coloca dentro da cena da Ascensão. Primeira: Jesus fala com os discípulos, é levado ao céu e senta-se à direita de Deus. Segunda: Os discípulos saem e pregam por toda parte. Terceira: O Senhor os ajudava e confirmava a sua palavra por meio de sinais. O que foi que Jesus conversou com os discípulos antes de subir ao céu, segundo o Evangelho de Marcos? Ele os enviou ao mundo inteiro para pregar o Evangelho a todas as pessoas. Aí estão os limites dos discípulos missionários: o mundo todo e todas as pessoas. Aqueles que crerem em tudo o que Jesus ensinou e forem batizados, praticando o que Ele ensinou, serão salvos. Aqueles que crerem expulsarão demônios e curarão doentes, falarão novas línguas e nenhum veneno lhes fará mal.
3. Os Atos dos Apóstolos descrevem a Ascensão e as circunstâncias que a envolveram com mais informações. Jesus deu instruções aos apóstolos e foi levado para o céu. Depois da ressurreição, permaneceu com eles durante quarenta dias, falando do Reino de Deus. Ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas esperassem a vinda do Espírito Santo. Foi então levado ao céu e uma nuvem o encobriu. Dois anjos apareceram aos apóstolos e lhes disseram: “Jesus virá um dia do mesmo modo como partiu”.
4. A Carta aos Efésios lida nesta liturgia nos coloca no tempo depois da Ascensão. Que Deus nos dê agora um espírito de Sabedoria e abra o nosso coração à sua luz para experimentarmos conscientes a riqueza da vida nova de ressuscitados. Que maravilhas Deus fez ao mundo em Jesus Cristo e que imensa graça Ele nos deu fazendo de nós membros do corpo no qual Jesus é a Cabeça. Caminhemos, então, de acordo com a vocação que recebemos. Ele nos capacitou para o ministério, que é o serviço de construir a comunidade do Senhor em nosso mundo, até chegarmos todos à estatura da plenitude do corpo de Cristo.
5. Sempre que celebramos a Eucaristia, anunciamos a morte do Senhor e, na esperança, aguardamos a sua vinda. Enquanto esperamos, trabalhamos para viver com dignidade a vida que Deus nos deu, e saímos pelo mundo afora, pregando por toda parte. Pregue em primeiro lugar com a sua vida. É o sinal que confirma a sua palavra.

Leituras e Salmos (14 a 19 de maio)

2ªf.: At 1,15-17.20-26; Sl 112 (113); Jo 15,9-7.
3ªf.: At 20,17-27; Sl 67 (68); Jo 17,1-11a.
4ªf.: At 20,28-38; Sl 67 (68); Jo 17,11b-19.
5ªf.: At 22,30; 23,6-11; Sl 15 (16); Jo 17,20-26.
6ªf.: At 25,13b-21; Sl 102 (103); Jo 21,15-19.
Sáb.: At 28,16-20.30-31; Sl 10 (11); Jo 21,20-25.




Fonte: FC edição 988, Abril de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liturgia da Palavra
05 de agosto de 2018 – 18º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Liturgia da Palavra
O poder é servir
"O cristão não tem medo de se descentralizar, de ir às periferias, porque tem o seu centro em Jesus"
Liturgia da Palavra
29 de julho de 2018 - 17º Domingo do Tempo Comum - Ano B - Liturgia da Palavra
Os profissionais de Deus
Ao conversar com padres e freiras se tem a impressão de que o desejo dessa vocação já estava ali
30 novos Santos Mártires
A beatificação dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu, os Protomártires do Brasil
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados