Um sínodo dos jovens

Data de publicação: 18/05/2018


Por, Moisés Sbardelotto

Se a Igreja quer realmente ler os sinais dos tempos na realidade atual dos jovens e da sua relação com a fé e a vocação, é conveniente ouvi-los

“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro? Participem do #sinodo18!”. Foi com essa mensagem – enviada no último dia 12 de agosto via Twitter e marcada pela “gramática” digital de uma Hashtag e de um link específico – que o papa Francisco convidou os jovens a responderem a um questionário on-line em preparação à XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos. O próximo sínodo será realizado em outubro de 2018, sobre o tema Os jovens, a fé e o discernimento vocacional.
A nova assembleia sinodal irá manter a inovação dos sínodos anteriores convocados por Francisco, isto é, a consulta de todo o povo de Deus mediante um questionário sobre a temática em questão. Um primeiro questionário para o Sínodo de 2018 já tinha sido divulgado em janeiro passado, junto com o documento preparatório do evento, para ser respondido exclusivamente pelas conferências episcopais, pelos dicastérios da Cúria Romana e pela União dos Superiores Gerais. Dessa vez, contudo, as perguntas são dirigidas diretamente a todos os jovens. A novidade é a possibilidade de os próprios jovens colaborarem no caminho preparatório do sínodo, respondendo ao questionário pela internet à Secretaria do Sínodo, sem a necessidade de enviar as respostas posteriormente, mediante outras instâncias da Igreja.
Esse gesto ressalta a importância que Francisco atribui ao papel dos jovens na vida da Igreja, seja pela escolha da temática do sínodo, seja por querer lhes dar a palavra de modo especial. Na exortação apostólica Amoris Laetitia, o papa já questionava toda a Igreja: “Quem é capaz de levar os jovens a sério? Quem os ajuda a preparar-se seriamente para um amor grande e generoso?” (AL, 284). Se a Igreja quer realmente ler os sinais dos tempos na realidade atual dos jovens e da sua relação com a fé e a vocação, é conveniente ouvi-los. E, se os próprios jovens entendem o mundo e entendem a si mesmos a partir da relação com a internet e as redes sociais digitais, como ouvi-los, entendê-los e levá-los a sério senão a partir dessa relação?

Jovens incluídos – Ao visitarem o site da pesquisa, disponível em seis idiomas, incluindo o português, os jovens são convidados a contribuir com essa sondagem cujo objetivo “consiste em oferecer-te a oportunidade de te fazeres ouvir, de te expressares, de dizeres quem és e aquilo que queres que os outros saibam a teu respeito”. A Santa Sé informa que todo o questionário é anônimo e não é necessário indicar nenhuma informação sobre a identidade pessoal, resguardando a privacidade de quem responde.
As perguntas abordam diversos aspectos da vida juvenil e estão divididas em sete partes: 1) “Quem sou eu”, onde são coletadas as informações básicas do jovem, como idade, país de origem etc.; 2) “Como me vejo e como vejo o mundo ao meu redor”, isto é, as atitudes e opiniões pessoais em geral; 3) “Eu e os outros”, sobre as pessoas e instituições que influenciam no crescimento pessoal e na tomada de decisões; 4) “As minhas opções de vida”, em que se abordam a formação pessoal e o trabalho; 5) “Religião, fé e Igreja”, sobre a vida de fé, a vocação e o papel da Igreja; 6) “A minha presença na web”, a respeito do uso da internet e das redes sociais digitais; e 7) Duas “Perguntas conclusivas”, uma sobre um episódio que o que responde considera como exemplo positivo do modo como a Igreja pode acompanhar os jovens nas escolhas que dão valor e plenitude à vida, e outra geral, sobre algo que não tenha sido questionado anteriormente. Todo o material coletado, depois, irá ajudar na redação do documento de trabalho do sínodo, o chamado Instrumentum Laboris, que será o ponto de referência para o debate dos padres sinodais.
Para colocar a Igreja “a caminho”, portanto, o papa Francisco convoca os próprios jovens para falarem sobre o seu “desejo de mudança”. Foi a eles que o pontífice enviou uma carta no dia 13 de janeiro passado, apresentando o documento preparatório do sínodo:
“Eu quis que vocês estivessem no centro da atenção, porque eu os tenho no coração. (...) Um mundo melhor se constrói também graças a vocês, ao seu desejo de mudança e à sua generosidade. Não tenham medo de ouvir o Espírito que lhes sugere escolhas audazes, não hesitem quando a consciência lhes pedir que arrisquem para seguir o Mestre. A Igreja também deseja se colocar à escuta da voz de vocês, da sua sensibilidade, da sua fé; até das suas dúvidas e das suas críticas. Façam ouvir o grito de vocês, deixem-no ressoar nas comunidades e façam-no chegar aos pastores. São Bento recomendava aos abades que, antes de cada decisão importante, consultassem também os jovens porque ‘muitas vezes é exatamente ao mais jovem que o Senhor revela a melhor solução’”.

Jovens em novo ambiente –
Esse apelo ecoa a exortação apostólica Evangelii Gaudium. Nela, Francisco já havia reconhecido que a pastoral juvenil vem sofrendo o impacto das mudanças sociais. Nas estruturas da Igreja, afirma o papa, “os jovens habitualmente não encontram respostas para as suas preocupações, necessidades, problemas e feridas. A nós, adultos, custa-nos ouvi-los com paciência, compreender as suas preocupações ou as suas reivindicações, e aprender a falar-lhes na linguagem que eles entendem” (EG, 105). Por isso, a iniciativa de questionar os jovens, e questioná-los no “seu” ambiente, ou seja, a internet, é um importante sinal de abertura da Igreja aos apelos juvenis.
Se Francisco deseja uma Igreja marcada pela sinodalidade, ou seja, pelo “caminhar juntos”, os jovens também têm muito a ensinar e a aprender: “Como é bom que os jovens sejam ‘caminheiros da fé’, felizes por levarem Jesus Cristo a cada esquina, a cada praça, a cada canto da terra!” (EG, 106). “Os jovens” – afirma o pontífice – “chamam-nos a despertar e a aumentar a esperança, porque trazem consigo as novas tendências da humanidade e abrem-nos ao futuro, de modo que não fiquemos encalhados na nostalgia de estruturas e costumes que já não são fonte de vida no mundo atual” (EG, 108).
O questionário pode ser acessado e respondido por todos os jovens, especialmente de 16 a 29 anos, interessados em contribuir com esse verdadeiro “mutirão” sinodal. O endereço é https://goo.gl/WghUvl. Além do questionário, também foi lançado um site especial do Sínodo de 2018 (http://youth.synod2018.va), disponível em inglês e italiano, onde é possível acompanhar as principais novidades sobre a preparação para a próxima assembleia sinodal.




Fonte: Fc edição 981, Setembro se 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Alçando voo
Jovens empreendedores brasileiros, apesar das dificuldades do País, conseguem se destacar no mercado
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados