Fibromialgia

Data de publicação: 13/06/2018


Por, Carmen Maria Pulga

Para alguns estudiosos, a fibromialgia é, ainda, um dos maiores mistérios da medicina

“Dormi mal, acordei cansada e com o corpo todo dolorido.” Frequentemente ouvimos essa queixa, sobretudo de mulheres, e não as levamos muito a sério. No entanto, tais sintomas podem esconder uma doença chamada fibromialgia.
Mais comum entre as mulheres a fibromialgia é uma doença crônica bem frequente. Trata-se de uma síndrome dolorosa não inflamatória, caracterizada por dores musculares, fadiga, distúrbios de sono e dor em pontos específicos do corpo.
Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), a fibromialgia é classificada como uma forma de reumatismo associada à sensibilidade do indivíduo frente a um estímulo doloroso. O paciente tem múltiplas dores pelo corpo e se sente constantemente exaurido, mesmo apresentando aspecto saudável e resultados normais em seus exames laboratoriais ou físicos. Sem acarretar deformidade, ou outros tipos de sequela, a fibromialgia, no entanto, pode prejudicar a qualidade de vida e o desempenho das atividades cotidianas normais.
Pesquisadores e cientistas ainda estão debruçados sobre as causas, o diagnóstico e a cura, um problema de saúde que começou a ser estudado a partir da década de 1980.  Para  alguns estudiosos, a fibromialgia é, ainda, um dos maiores mistérios da medicina, pois ela começa no cérebro e desperta sofrimento pelo corpo. Os estudos teóricos sugerem uma alteração nas áreas cerebrais responsáveis pela percepção da dor, o que significa que estímulos indolores para a maioria das pessoas são interpretados como dor intensa pelo cérebro do paciente com fibromialgia. Por isso a difícil tarefa de detectar suas causas e, sem elas, mais difícil, ainda, são o diagnóstico e a cura.

Possíveis causas  - Pontuar definitivamente a causa da fibromialgia ainda não foi possível. A princípio, os profissionais da saúde afirmam ser muito comum que pacientes com depressão e distúrbios de ansiedade desenvolvam essa síndrome ao longo da vida. O grande desafio para o profissional da saúde é quando as manifestações ocorrem juntamente com outras doenças que também causam dores difusas, cansaço, distúrbios do sono e outros. Nesses casos, o diagnóstico de fibromialgia é muito difícil de ser estabelecido. Portanto, se uma pessoa apresentar queixas de dor muscular por um período maior que três meses consecutivos, aconselha-se que procure um médico para que o diagnóstico correto seja estabelecido.
Pesquisadores acreditam que são vários os fatores associados a essa síndrome. Um primeiro indicador a ser pesquisado é o histórico familiar, pois é muito recorrente a fibromialgia em pessoas da mesma família. Infecções por vírus e doenças autoimunes podem estar envolvidas nas causas da patologia, incluindo distúrbios do sono, estresse, ansiedade, traumas emocionais e físicos.

Como diagnosticar? - De acordo com o que é padronizado pelo Colégio Americano de Reumatologia (ACR, na sigla em inglês), o diagnóstico baseia-se na pesquisa de pontos de dor. Assim, é necessária a presença de queixas dolorosas na vigência de 11 dos 18 pontos padronizados, que são pesquisados por meio de digitopressão (veja figura. ao lado). Os pontos dolorosos correspondem a inserções de tendões ao osso ou a músculos, e o diagnóstico deve ser feito por um médico após ouvir o histórico, os sintomas e as dores. Geralmente é o reumatologista o responsável pela conclusão, o qual deve ter o cuidado de excluir outras enfermidades com características parecidas. Alguns hospitais do Brasil usam uma técnica chamada de termometria, que, através de uma câmera registra o calor do corpo, e as pessoas com a doença manifestam alterações na temperatura. Mas a Sociedade Brasileira de Rematologia esclarece que esse exame é apenas complementar e não um diagnóstico definitivo.
Tem cura? - Infelizmente, ainda não, afirma o reumatologista Eduardo S. Paiva, do Ambulatório de Fibromialgia do Hospital de Clínica (HC), da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A medicina séria e científica não esconderia este fato do público, e sim trabalharia para ampliar o acesso a tratamento tão desejado por profissionais e pacientes.
Mas, se os estudos científicos ainda não comprovam especificamente como curar a fibromialgia, há experiências mostrando como atenuar os sintomas dolorosos para evitar que o quadro piore. A medicina já dispõe de uma gama de medicamentos para atenuar os sintomas, entre eles estão os tratamentos alternativos e hábitos saudáveis, bem como:
•    Atividade física e alongamentos. Nada é pior para os sintomas da fibromialgia do que o sedentarismo. Exercícios físicos aeróbicos e musculação melhoram a qualidade de vida e diminuem a intensidade das dores e a sensação de cansaço. O paciente deve ser encorajado a sair da inércia e vencer a indisposição inicial.
•     Meditação, ioga, relaxamento. Adquirindo o hábito de relaxar a pessoa se torna mais calma; descontrai a musculatura, reduz o estresse e melhora a qualidade do sono.
•    Bons hábitos, evitando álcool, cigarros e cafeína.
É importante saber que, se por um lado a fibromialgia não acarreta risco de morte ou causa deformidades, por outro, os sintomas podem ser incapacitantes. No entanto, embora ela predomine nas mulheres, não isenta homens, crianças e jovens.
Outra opção é o acompanhamento com profissionais que ajudem o paciente a lidar com a dor física e a não aumentar o sofrimento causado pela sua iminência. Um trabalho pessoal de observação do que a nossa mente pode criar a partir dessas manifestações tem se mostrado muito eficiente. Há um ditado que diz: “A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional”. O sofrimento pode sim, ser aliviado, pois, muitas vezes, ele é apenas fruto de nossa mente.





Fonte: Fc edição 980, Agosto de 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sobreviver é preciso
O câncer deve atingir 22 milhões de pessoas em todo o mundo até a ano de 2030
Comer com fé
Os judeus acreditam que o alimento nutre não apenas o corpo, mas também a alma
Curar com as mãos
Considerar o corpo inteiro e tratar a causa do problema são as principais armas da osteopatia
Mexa-se contra a incontinência
A incontinência urinária atinge 10% da população mundial; saiba como preveni-la e combatê-la
Sopas frias
Férias, praia, calor,as sopas frias são opções práticas e saudáveis que combinam com nosso país
Início Anterior 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados