A Igreja é feminina

Data de publicação: 03/09/2018

Por, Moisés Sbardelotto

A questão do papel da mulher na Igreja “não é feminismo, é direito!
É um direito de batizada, com os carismas e os dons que o Espírito deu”, papa Francisco

“A Igreja é feminina. A Igreja é mulher. Não é ‘o’ Igreja. É ‘a’ Igreja.” Com essas palavras o papa Francisco se dirigiu a mais de 800 superioras-gerais de todo o mundo, presentes no Vaticano em maio. No diálogo com as religiosas, Francisco levantou diversas questões em torno da importância da mulher na Igreja, reiterando a complementariedade entre homem e mulher nos mais diversos âmbitos eclesiais. E afirmou que irá instituir uma comissão para refletir sobre o papel das diaconisas. Em junho, essa relevância feminina encontrou outra confirmação muito significativa na vida da Igreja, quando o papa elevou a celebração de Santa Maria Madalena ao grau de “festa” litúrgica.
O encontro com as religiosas, no dia 12 de maio, se deu no âmbito das celebrações dos 50 anos da União Internacional das Superioras-Gerais (UISG), que congrega mais de 2 mil institutos religiosos femininos do mundo inteiro. Questionado pelas religiosas, o papa Francisco reiterou a importância da inserção das mulheres nos processos de tomada de decisão nos mais diversos âmbitos eclesiais. E reafirmou que a questão do papel da mulher na Igreja “não é feminismo, é direito! É um direito de batizada, com os carismas e os dons que o Espírito deu”.
Uma novidade proposta pelo papa, nesse encontro, foi em torno do papel das diaconisas na vida eclesial. Uma das superioras questionou Francisco sobre o que impedia a Igreja de incluir as mulheres no diaconato permanente, como acontecia na Igreja primitiva. Em sua resposta, o papa reconheceu a existência de diaconisas na Antiguidade, mas reiterou que não há muita clareza sobre o tema. Assim, afirmou às religiosas que irá pedir que a Congregação para a Doutrina da Fé aprofunde a questão, inclusive com a instituição de uma comissão para estudar o tema. O que se sabe é que as diaconisas existiram, como atesta São Paulo na sua Carta aos Romanos: “Recomendo a vocês nossa irmã Febe, diaconisa da Igreja em Cencreia” (Rm 16,1).

Maria – Mais de 2 mil anos depois, retomar a reflexão sobre essa antiga tradição da Igreja, que se perdeu ao longo da história, pode ser o primeiro sinal de um importante movimento de atualização, especialmente em um contexto histórico e cultural marcado pela emancipação feminina. Mas Francisco está atento a um risco subjacente a isso: o clericalismo. A resposta eclesial à questão feminina não deve passar, necessariamente, pelo sacerdócio ordenado. Ao contrário, o risco, segundo o papa, é de que uma paróquia, por exemplo, seja liderada com “um espírito clerical, apenas pelo padre, o que não ajuda aquela sinodalidade paroquial ou diocesana”, que é solicitada pelo próprio Direito Canônico.
Por isso, a questão levantada pelas superioras e pelo pontífice não é apenas a defesa da ordenação de mulheres, mas vai além. É o próprio Francisco que deseja superar uma visão hierarquista e clericalista da Igreja, baseada na mera busca pelo poder. Instado pelas superioras, o papa solicita uma verdadeira mudança de mentalidade, de paradigma: a presença e a importância do feminino na Igreja não é uma “concessão” feita por homens ordenados às mulheres, mas a própria Igreja deve ser feminina.
Uma Igreja sem mulheres, afirmou Francisco, é como o Pentecostes sem Maria: “Não há Igreja sem Maria! Não há Pentecostes sem Maria!”. E Maria é mais importante do que os bispos, afirmou o papa na Evangelii Gaudium. Aliás, já nessa sua exortação apostólica, o papa reconhecia que o desafio é “ampliar os espaços para uma presença feminina mais incisiva na Igreja”, pois “as reivindicações dos legítimos direitos das mulheres, a partir da firme convicção de que homens e mulheres têm a mesma dignidade, colocam à Igreja questões profundas que a desafiam e não se podem iludir superficialmente” (nº 103-104).
Em torno da questão feminina da Igreja, há uma necessidade histórica e cultural de oferecer respostas à altura da luta das mulheres hoje. E, também, da própria missão confiada por Jesus, que, contrariando os rabinos do seu tempo, buscava e encorajava a presença feminina. No seu ministério itinerante, “os Doze iam com ele, e também algumas mulheres” (Lc 8,1-2), que são até nomeadas: Maria Madalena, Joana, Susana, o que explicita a sua importância.

Maria de Magdala – Foi também nesse sentido que o papa Francisco decidiu elevar a celebração de Santa Maria Madalena – até então memória obrigatória – ao grau de “festa” no Calendário Romano Geral. Em nota, a Santa Sé explicou que a decisão papal se inscreve no “atual contexto eclesial, que pede que se reflita mais profundamente sobre a dignidade da mulher”.
Santa Maria Madalena – a segunda mulher mais citada no Novo Testamento, depois de Maria, mãe de Jesus – foi por muito tempo confundida com a prostituta que aparece nos Evangelhos. Contudo, a própria Igreja reconheceu que se trata de duas mulheres diferentes. Maria de Magdala é principalmente um exemplo de evangelizadora, por ter sido a primeira testemunha do Ressuscitado e a primeira mensageira que anunciou aos apóstolos a ressurreição do Senhor. Por isso, foi chamada por São Tomás de Aquino de apostolorum apostola, a apóstola dos apóstolos, e é considerada, hoje, exemplo e modelo para todas as mulheres na Igreja. A celebração litúrgica dessa mulher – que fez parte do grupo dos discípulos de Jesus, seguiu-o até os pés da cruz e, no jardim do sepulcro, foi a primeira a “ver o Senhor” (Mc 16,1-8; Lc 24,1-12; Jo 20,1-2) – passa, agora, a ter o grau de “festa”, o mesmo das celebrações dos demais apóstolos no calendário litúrgico da Igreja. O dia 22 de julho, portanto, torna-se uma nova festa “feminina” na Igreja.
Esses pequenos passos vão reforçando a importância da mulher e do feminino na vida eclesial, que vai além de uma mera reorganização do poder institucional, mas passa por uma reforma teológica e pastoral de mentes e corações, em vista da paridade de gênero. E essa complementariedade já está presente no nosso “código genético”, desejada pelo próprio Criador: “E Deus criou o homem à sua imagem; à imagem de Deus ele o criou; e os criou homem e mulher” (Gn 1,27).
‘“A Igreja é feminina. A Igreja é mulher. Não é ‘o’ Igreja. É ‘a’ Igreja. Com essas palavras o papa Francisco se dirigiu a mais de 800 superioras-gerais de todo o mundo”




Fonte: Fc edição 967, Julho de 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liturgia da Palavra
17 de Dezembro de 2017 - 3º Domingo de Advento, Ano B, Reflexão da Liturgia
Liturgia da Palavra
10 de Dezembro de 2017 - 2º Domingo de Advento, Ano B, Reflexão da Liturgia.
Liturgia da Palavra
03 de Dezembro de 2017 - 1º Domingo de Advento, Ano B, Reflexão da Liturgia
Liturgia da Palavra
26 de novembro de 2017 - 34º Domingo do Tempo Comum. Solenidade de Cristo Rei
Liturgia da Palavra
12 de novembro de 2017 - 32º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia
Início Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados