Edição de Novembro de 2012

Data de publicação: 26/10/2012

Carta ao leitor


“É morrendo que se vive para a vida eterna.” Neste mês em que grande parte do mundo ocidental celebra o Dia de Todos os Santos e, não por acaso, também o Dia de Finados, não há como deixar de recorrer a esse verso da Oração de São Francisco de Assis para entendermos a aparente irracionalidade da lógica cristã de que há outra vida – bem melhor do que esta, imagina-se – após nossa passagem por este mundo. Não é fácil, ou é praticamente impossível, compreender tal mensagem enquanto ela não for interpretada pela inteligência da fé.

Sim, porque para ter uma fé é preciso certa inteligência, ou um certo inconformismo, para questionar e, às vezes, duvidar a respeito do que os nossos cinco sentidos nos apresentam como fatos incontestes. Nascemos, vivemos (ok, talvez não tanto nem tão bem quanto gostaríamos) e morremos. Eis os fatos que nos são apresentados desde que começamos a entender razoavelmente a vida. Portanto, seria mais fácil e cômodo acreditar que tudo termina aqui e assim. E não explicar mais nada. Ponto final.

Acontece, porém, que para o ser humano nada é tão simples ou tão fácil de ser resolvido. Buscamos respostas e perguntas para tudo. De onde viemos e nos preocupamos com o que vem depois do depois. Queremos saber o que estamos fazendo aqui. Talvez pelo princípio de que não há efeito sem causa, de que nada nesta vida se perde e tudo se transforma, de que cada vez que entramos em um rio somos diferentes – nós e o rio – e que o universo pode ser infinito e o nosso planeta, um asterisco em uma enciclopédia a ser escrita.

Nascemos com inteligência para acreditar em tudo isso. Ou duvidar. E para não aceitar a morte como um fim. Afinal, se assim fosse tudo teria sido fácil demais para um Deus ter se dado ao trabalho de fazer. Não! A vida é absurdamente misteriosa e indecifrável para terminar em um simples ponto final. Parece ser mais razoável, e até mesmo racional, acreditar que é morrendo que se vive para a vida eterna.


Antônio Edson
Redator da Revista Família Cristã
familiacrista@paulinas.com.br



Família
Quando só a morte separa Como enfrentar e se preparar para a realidade da viuvez

Filhos
Obesidade infantil Conheça as causas, consequências e soluções

Entre jovens
Literatura viva Jovens paraibanas descobrem o significado da palavra

Igreja
Pessoas que perderam um ente querido encontram apoio no Ministério Extraordinário da Consolação e da Esperança

Perfil
História que liberta Cidinha e sua vida de dores, lutas, amizade e superação

Panorama
Das margens do Xingu Contradições entre o primitivo e a modernidade

Cultura
Diário de bicicleta Jovem percorre o País em busca do som brasileiro





Fonte: Família Cristã 923 - Nov/2012
Postado por: Administrador




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Medo do doutor?
Como ajudar as crianças a superarem o receio de consultas médicas e odontológicas.
Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados