O luto dos pais

Data de publicação: 29/05/2013

Existir supõe aprendizados, e, mesmo nas mortes trágicas e precoces,

devemos acreditar que aquele que partiu realizou e aprendeu o que deveria ter realizado e aprendido


  Por Cleusa Tewes*



 “Se já não podemos vê-los nem ouvi-los com nossos sentidos, podemos, entretanto,  percebê-los com o nosso coração. Eles estão mais próximos de nós do que quando estavam nesta vida”, escreve o médico Evaldo d’Assumpção, especialista em tanatologia.
 

O rio o afogou

Rita perdeu o filho de 19 anos. Nas águas do rio, ele afogou seus sonhos e projetos e inundou o coração da mãe de eterna tristeza. Inconsolada, Rita se pergunta: “Por que a vida levou meu filho?”.

Uma bala o apagou

Luiz e Tânia, pais de Roger, 25 anos. Envolvido com drogas, ele foi morto dias antes do Natal.
A mãe desabafa: “Dói demais. Ele tinha problemas, andava por caminhos obscuros, não obstante, era um filho afetuoso. Não aceito tamanha tragédia...”

O fogo os asfixiou

A recente tragédia, em Santa Maria (RS), abalou o Brasil e o mundo. Até o momento, morreram 236 jovens, asfixiados e queimados. Divertiam-se, e o inesperado incêndio os arrancou de forma trágica do coração da vida, da sociedade, do convívio dos pais.

Ganhos e perdas

A vida transita num zigue-zague entre ganhos e perdas. Ao nascermos ganhamos a vida independente, mas, perdemos o aconchego e a proteção do útero materno e, no mesmo instante, começamos o desafio derradeiro: respirar ou morrer. Há nisso uma contradição? Não! Muito pelo contrário, esse é o projeto de vida que o Altíssimo nos deu: Viver para morrer e morrer para viver. São duas faces da mesma realidade.

A tríade da existência biológica, nascer, viver e morrer, determina tempos diferentes no tempo de cada Ser. Tentamos viver como se a morte não existisse, ou, talvez, como se possuíssemos o controle da vida. 

Mas a morte física é soberana, e, quando vem, nos desperta para a impermanência na matéria, para a finitude do visível, mostrando que a vida na terra é somente uma estação e não o ponto de chegada. E, para não nos assustar demasiadamente, Deus a tornou imprevisível.

Nascemos subordinados ao espírito, cuja morada definitiva é a eternidade. Desde pequenos nos mostram a flor que murcha e morre; o pássaro que sucumbe. Com esses exemplos, querem-nos fazer compreender a dinâmica da vida. Lição difícil! Não é mesmo? Viver é bom, mas dói, ao pensarmos no processo de transformação que ela impõe. 

A vida e a morte, aparentemente ambíguas, parecem envolver um grande jogo de ganhos e perdas.  Em verdade, porém, se crermos e vivermos com fé, esperança, amor, teremos apenas ganhos.

Lutos

O luto é a dolorosa experiência das perdas terrenas.  Provoca sofrimento físico, emocional e espiritual. As alterações físicas podem ser: dores de cabeça, disfunções digestivas e intestinais, fraquezas, desânimos; tristeza, medo, raiva, angústia, choros incessantes, e até depressão, são manifestações de dores emocionais.  Nas perdas trágicas, poderão surgir sintomas de pânico. O luto passa por etapas, durando em média dois anos. Mas isso é apenas uma estimativa. Cada pessoa tem o tempo de elaboração conforme sua condição emocional.

A pessoa enlutada precisa viver as fases do luto. O que auxilia é ter alguém para conversar sobre a dor. Os grupos de apoio ao luto são terapêuticos e por isso recomendados. Se os sintomas debilitarem demais é necessário recorrer aos cuidados médicos. Deve-se ter amorosidade, paciência, escuta e outros cuidados com quem sofre.

O tempo de morrer

Durante a vida até conseguimos planejar ter um filho, mas a morte, que está fora do nosso controle, põe termo ao nosso projeto.  E então concluímos que ela veio fora de hora.  Na opinião do médico Evaldo, isto ocorre “porque ainda estamos limitados ao espaço e ao tempo e temos valores extremamente pequenos e medíocres, mesmo em relação ao verdadeiro sentido da vida”.

Medimos a vida pelo fazer e conquistar. A lógica do existir supõe aprendizados, e, mesmo nas mortes trágicas e precoces, apesar de toda a dor de quem fica, devemos buscar crer que aquele que partiu realizou e aprendeu o que deveria ter realizado e aprendido aqui na terra. Ele cumpriu sua missão terrena. Devemos sempre crer que morrendo a vida continua e se renova e que “O que é visível é passageiro,  mas o que é invisível é eterno.” (2 Cor 4,18).

Jesus passou sua vida explicando que o Pai quer os filhos junto de si, que o seu amor e sua misericórdia são grandes e acontecem. Ele dizia a Jerusalém: “Quantas vezes eu quis juntar teus filhos, como uma galinha que reúne os pintinhos debaixo das asas, mas tu não quiseste” (Lc 13,3-4).

Quando a expressão biológica morre, a individualidade se transforma e continua. Na individualidade, ainda estão vivos os entes queridos que partiram e vivem numa realidade  que a maioria de nós desconhece, porque ultrapassa os limites da pura compreensão humana. Acreditando ou não, eles estão aqui, juntinhos de nós.

Mãe, cuide da dor dos pais. Amém!


*Cleusa Tewes é terapeuta familiar e especialista em orientação familiar.




Fonte: Família Cristã 927 - Mar/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Dar conta da vida
Limites físicos e dores na alma não impedem que mulheres assumam com garra os desafios da vida
Emoções que falam
As crianças sentem, amam, sofrem, nem sempre verbalizam, mas as emoções estão ali sendo manifestadas
Unidade na fragilidade
O filho dependente químico necessita de segurança familiar para sair das drogas.
Uma grande família
Cada casal precisa de uma ligação firme que se fortaleça em laços sociais reais
A crise e o pão de cada dia
Queremos nossas necessidades atendidas, uma sociedade mais justa, direito à felicidade...
Início Anterior 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados