Estourou, e agora?

Data de publicação: 07/06/2013

Cleusa Thewes*
Ilustração: Ricardo Corrêa

“O reservatório emocional é como um saco, com capacidade-limite. Quando cheio, explode e joga nos outros o seu lixo emocional: tensões, frustrações, lembranças, dores não faladas e não protestadas, rejeições acumuladas, tudo voa furiosamente pelos ares.”


Lá em casa tem brigas, sabia?!” Para o escritor Peter Wyden, a concepção de que, no lar, um clima emocional desprovido de brigas e tensões trará uma autêntica harmonia não passa de um mito despropositado, nascido da ignorância das realidades psicológicas dos relacionamentos humanos.

Dizia-me Maria Regina:

− Não aguento mais as brigas lá em casa. Meu filho briga comigo e eu com meu marido. Acabamos nos agredindo, os três. Não sei se continuo naquela casa por muito tempo. Que vontade de sumir!

O combate familiar é uma realidade. Encontramo-nos, emocionalmente, despreparados para o conflito e o manejo com sentimentos hostis. Somos “treinados” para lidar com pessoas alegres, amorosas e realizadas. Situações de confronto com sentimentos agressivos nos deixam taquicardíacos, cegos na razão e congelados na emoção. Na briga íntima, ficamos sem teto, nem chão.

Será que a doce harmonia familiar existe? A convivência real rompe com o mito da eterna paz e nos alfabetiza a lidar com raivas, tristezas, mágoas e frustrações. Nascemos psicologicamente imaturos. Na escola do convívio, amadurecemos ou não. Na cartilha da vida, experimentamos a polaridade dos sentimentos: tristeza e alegria, ódio e amor, realização e frustração, agressividade e doçura.

Por que brigamos? − Uma figura pode ajudar a compreender a briga. Pegue um saco de lixo cheio de entulhos. Não há mais espaço e você continua empurrando dejetos para dentro, ignorando a capacidade real do saco. Bum! Estourou! Caiu lixo por todo lado, nos pés, no chão, estrago feito. Você enfurece, xinga. Poderia, porém, ter respeitado a capacidade-limite do saco.

As brigas são assim: explode o saco da queixa, da mágoa, da raiva. O reservatório emocional é como um saco, com capacidade-limite. Quando cheio, explode e joga nos outros o seu lixo emocional: tensões, frustrações, lembranças, dores não faladas e não protestadas, rejeições acumuladas, tudo voa furiosamente pelos ares. É assim que se inicia o combate familiar. Segundo Peter Wyden, pessoas íntimas e honestas não podem ignorar seus sentimentos hostis, pois estes sentimentos são inevitáveis.

Crescer com as brigas − Pessoas íntimas brigam. Há momentos em que a batalha conjugal hostil aproxima as pessoas de forma doida, às vezes doída e machucada. Casais digladiam-se e depois têm intenso momento. A briga faz crescer quando se souber extrair, do bate-boca, informações úteis para o autoconhecimento, como:
  • Identifique o lixo falado, as velhas mágoas mofadas, as raivas corrosivas verbalizadas.
  • Reconheça as palavras ásperas que revelam as frustrações.
  • Aceite que possui sentimentos hostis, agressivos. Segundo George R. Bach, quase todo mundo experimenta dificuldade em administrar sentimentos hostis, até para si mesmo. Isso faz parte do constrangimento que o ser humano sente em relação ao seu lado agressivo inato. É, portanto, com frequência que as pessoas transferem suas hostilidades para os outros.
  • Íntimos aprendem a reconciliar. O combate familiar sadio supõe controle no confronto, cuidado no ataque, amparo na queda.
  • Situações de ódio severo, agressões físicas, requerem tratamento psiquiátrico. Brigas têm limites!
  • Civilize a raiva e a impulsividade.
  • Preserve a espontaneidade de falar o que sente e pensa.
  • Faça concessões, viabilizando uma convivência que favoreça as diferenças.
  • Aprenda a ceder quando a colisão ficar acentuada. Conserve sua identidade
  • Procure sempre compreender a razão da briga.
  • Transforme brigas em pontes de conhecimento mútuo, crescimento e aproximação.
  • Faça de sua casa um lar. Evite morar em castelos de areia.
  • Torne-se íntimo e amoroso.
  • Aprenda a aparar suas arestas
  • Recicle seu lixo emocional.
  • Acredite: “Não pode existir um relacionamento maduro entre pessoas íntimas sem que ocorra um nivelamento agressivo, sem que o parceiro coloque tudo para fora, se expresse, pergunte ao outro o que está incomodando e negocie ajustes realistas das diferenças”, Peter Wyden. Diz a sabedoria popular: uma briga por dia é bom, mantém o médico afastado.
Reze! Perdoe! Ame! Amém!

* Cleusa Thewes é terapeuta familiar, especialista em orientação familiar.




Fonte: Família Cristã 915 - Mar/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados