"Cuida do meu coração"

Data de publicação: 14/06/2013


Em 1996, a professora aposentada Ana Lúcia Meirelles Leite, de 67 anos, pode dizer que teve sua vida salva por um milagre atribuído à Nhá Chica e que foi reconhecido pelo Vaticano. Aqui, a miraculada que atualmente mora em Caxambu (MG) conta sua experiência de fé e de amor incondicional à Santa de Baependi.

FC – A senhora sofreu uma isquemia cerebral. Quando e como isso ocorreu?
Ana Lúcia – Aconteceu, em 28 de junho de 1995, quando fiz 50 anos. Estava em casa passando um pano no chão e, de repente, fiquei cega. Fui para cama, tateando, e mandei chamar meu marido. Não sei precisar quanto tempo eu fiquei ali com medo de levantar. Mas qual não foi minha alegria quando, finalmente, pude levantar. Daí eu disse: “Estou enxergando, obrigada, minha santa”. A partir de então começou o meu milagre, a minha bênção.

FC – O que os médicos disseram?
Ana Lúcia – Pesquisando a causa da isquemia, através de uma ressonância magnética, eles descobriram um defeito congênito no coração. O sangue passava por um caminho errado. Os médicos também disseram que eu estava com uma hipertensão pulmonar muito alta. Em resumo, esses problemas podiam lesar o coração,  o cérebro e os rins. A indicação era de uma cirurgia cardíaca imediata. Daí eu fiz vários exames e passei por médicos de Varginha, Pouso Alegre e Belo Horizonte até chegar à Beneficência Portuguesa de São Paulo, nas mãos da equipe do doutor Sérgio Almeida, um médico mineiro da cidade de Campanha. A cirurgia foi logo marcada. Lembro que pedi à Nhá Chica: “Me ajuda, eu não quero operar o coração, mas seja feita a vontade de Deus”.

FC – E o que aconteceu?
Ana Lúcia – Três dias antes da cirurgia, tive febre, e o cardiologista que cuidava de mim disse que eu deveria esperar pelos menos sete dias para eu ficar boa. Nesse dia, eu já pressentia que algo estava acontecendo: um milagre. Eu me dizia: “Acho que Nhá Chica me curou, eu não vou mais operar”. Rezava sempre uma Salve-Rainha, a oração que ela gostava, e uma Ave Maria. Meus amigos também achavam que eu havia conseguido a graça. E, de fato, comecei a melhorar um pouco a cada dia. Mas, por indicação médica, a cirurgia foi remarcada. Marcaram até um exame mais complicado, um ecocardiograma transesofágico, uma filmagem do coração realizada a partir do esôfago. O exame seria realizado às 15 horas de uma sexta-feira, exatamente no dia e hora em que Nhá Chica, quando viva, não recebia ninguém e ficava em profunda oração. Por coincidência também era o dia do aniversário de Batismo dela, 26 de abril.

FC – O exame ocorreu normalmente?
Ana Lúcia – Não. Normalmente, esse exame era realizado em 40 minutos. Pois, neste dia, o meu demorou cerca de duas horas! Os médicos entravam e saíam da sala, e eu fiquei apavorada sem poder conversar, nem perguntar o motivo daquela movimentação. Mas minha fé permaneceu intacta, em momento nenhum deixei de acreditar e ter fé em Deus e na minha intercessora. “Nhá Chica, o que está acontecendo, me ajuda Nhá Chica?”, eu dizia baixinho. Mas, terminado o exame, o médico me disse: “Me aguarde na sala que eu preciso conversar com a senhora”. Neste momento, fraquejei, tive medo. “Acharam outra coisa ou não vou poder fazer a cirurgia. Estou péssima, e a pressão pulmonar deve ter subido ainda mais. Nhá Chica está comigo, Nhá Chica está comigo!”, disse. Chorei muito neste momento. Mas meu marido disse: “Tenha fé! Você tem tanta fé, porque vai fraquejar agora?”. Respirei fundo e disse que estava com um pouco de medo. Mas me sentia bem.

FC – Qual foi o resultado, afinal?
Ana Lúcia – Bem, o cardiologista veio me perguntar: “Dona Ana, a senhora já não foi operada?”. “Não, doutor, não fui porque eu tive febre três dias antes.” Daí, então, ele me disse: “O que a senhora tinha que fazer já foi feito, e muito bem feito. Alguém fechou este coraçãozinho aí e o sangue que passava pelo caminho errado não passa mais. A hipertensão pulmonar também está caindo, sinal que o problema foi resolvido e a senhora está ótima. Alguém operou seu coração. A senhora fez alguma cirurgia espiritual?”. “Não doutor, foi ela, a santa vizinha da minha casa, da minha cidade, a Nhá Chica. Eu só pedia a ela. Nhá Chica me curou!” O cardiologista me respondeu que a medicina e a ciência não podiam explicar o que aconteceu comigo. Eu estava curada!

FC – E como a senhora reagiu?
Ana Lúcia – Saí dali e entrei na primeira igreja que encontrei. Agradeci de joelhos a grande graça. Depois liguei para minha filha e gritei: “Nhá Chica me curou!”. Quando cheguei em casa contei o milagre para o mundo todo. Alguns meses passaram, e eu vim fazer meu depoimento no tribunal da Igreja. Contei com toda a veracidade, com todo carinho, o que me aconteceu. Não havia mais hipertensão, a passagem errada do sangue não existe mais, foi fechada. Os exames foram para Roma e o papa emérito Bento XVI, teólogos, cardeais e médicos do Vaticano também acreditaram na minha cura. Isso foi bom demais. Uma bênção! Para completar, em 28 de junho de 2012, data do meu aniversário, o papa assinou a beatificação de Nhá Chica. Neste dia, entrei no Santuário da Imaculada Conceição, em Baependi, para agradecer de joelhos a Nhá Chica. Uma multidão bateu palmas e senti uma emoção indescritível. Quase não aguentei. Essa é minha história de fé e de amor com a minha confidente, minha mãe e minha amiga Nhá Chica.

FC – Como a senhora se sente sabendo que Nhá Chica está sendo beatificada graças a este milagre?
Ana Lúcia – Eu me emociono em saber que sou um instrumento para Nhá Chica ir para o altar. Sempre pedi a ela que eu pudesse viver para ver sua beatificação. É gratificante demais, uma honra e uma bênção! Eu só sei agradecer a Deus e recomendar a todos que façam como eu: tenham fé e acreditem. Pois, assim como eu, todos podem conseguir.

FC – Qual oração a senhora faz para se sentir perto de Nhá Chica?
Ana Lúcia – A Salve-Rainha e a oração da beatificação dela que eu rezava todo dia. Também gosto de cantarolar a música do Roberto Carlos, Nossa Senhora.  Nhá Chica cuidou do meu coração, então eu falo que essa música foi feita pra mim.

FC – Há quanto tempo a senhora é devota de Nhá Chica?
Ana Lúcia – Desde sempre. Minha avó já era devota dela. Lembro que a gente rezava o terço à noite e a última oração era para Nhá Chica. A devoção atravessa gerações. Minha neta, Laura, já é devota. Aqui na nossa região, no sul de Minas, há mais de 100 anos, Nhá Chica é tida por todos como santa. É quem procuramos nos momentos de alegria, tristeza e dor.




Fonte: Família Cristã 929 - Mai/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados