Rede de fraternidade

Data de publicação: 14/06/2013

Alexandre Piero*


O Brasil vive hoje, na sua composição demográfica e etária, o momento da História com maior número de jovens: cerca de um quarto da população tem entre 15 e 29 anos de idade, faixa que compreende desde a interseção com a adolescência antes dos 18 até a transição para a vida adulta. A pauta “juventude” entra em cena tanto por este atual contingente populacional, como pela efervescência de novas formas de fazer política e de participação dos espaços formais e informais.

Esta categoria social demanda das instituições (escola, Igreja, governos...), renovação das suas capacidades de trocar conhecimento, de construir relações horizontais de empoderamento e visibilidade, de propiciar a experimentação e o novo, sem perder de vista a beleza da trajetória e o que isso inspirou nas tradições.

No campo das políticas públicas de juventude, não se trata de garantir direitos à “Proteção Integral” (como fora na época de consolidação do Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA), mas da transversalidade de direitos à “experimentação”: esta, por excelência, é a época de “testar” possibilidades para gradativamente oportunizar escolhas mais definitivas no campo da educação, cultura, lazer, tempo livre, formação integral, participação etc. Projetos de Vida elaborados a partir de escolhas conscientes e livres feitas dentre várias alternativas tendem a se concretizar com mais consistência e produzir frutos de felicidade e compromisso para além de decisões efêmeras.

Fé na prática jovem −  O próprio espaço eclesial e do grupo de jovens é privilegiado para experimentar e consolidar novas relações calcadas nos princípios cristãos: cooperação no lugar da competição; comunidade ao invés de individualismo; amor-ágape em contraposição ao ódio e rancor. A Campanha da Fraternidade (CF) deste ano, com seu caráter de envio, e a oportunidade de reunir inúmeras culturas em missão em uma Jornada Mundial no Brasil podem ser espelho para todas as nações de que o Brasil quer garantir e impulsionar voz, vez e opção efetiva e afetiva pela e para as juventudes, sem distinção. Sem apenas usar suas imagens (como algumas novelas fazem), mas com escuta e olhar atentos para suas reais condições, necessidades e perspectivas, e o que os jovens nos revelam sobre a sociedade como um todo, nas suas angústias e sonhos. Não apenas no plano macro, mas na realidade cotidiana das comunidades e governos locais.

Políticas públicas são tudo aquilo que o Governo faz para concretizar direitos, que são liberdades para melhor usufruto da vida em abundância, proposta por um jovem Deus há mais de 2 mil anos e defendida por muitos desde sempre. Acompanhadas de responsabilidades e deveres de toda a sociedade, podemos valorizar cada época da vida com tudo o que elas podem nos permitir e potencializar: como propõe São Tiago, pela nossa prática podemos demonstrar a nossa fé – no ano mais que propício para isso.

* É professor e coordenador pedagógico, formado em Ciências Sociais e Gestão de Políticas Públicas pela USP.
e-mail: alex@pjsp.org.br






Fonte: Família Cristã 926 - Fev/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Um sínodo dos jovens
“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro?
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados