Tente outra vez!

Data de publicação: 12/07/2013

Maria Helena Brito Izzo*


“Só mesmo quem não luta deveria se sentir verdadeiramente derrotado. Mas se você lutou e não chegou lá, pelo menos saiba tirar boas lições das suas experiências. As perdas doem, mas também nos ensinam.”


Outro dia me perguntaram o que eu teria a dizer a um jovem ou uma jovem que, depois de ter se dedicado intensamente aos estudos, não conseguiu ser aprovado naquele exame vestibular para o qual tanto se preparou, durante um ano inteirinho... Teria a falar muita coisa, mas acho que tudo pode ser resumido em um conselho: tente outra vez! E se não der, de novo. E mais uma vez, até finalmente conseguir. Se isso é o que você de fato almeja. Porque sem persistência não somos nada. Você já pensou se todos desistíssemos de andar com a primeira queda? Certamente ainda estaríamos engatinhando.

Vou dar um exemplo que serve bem de estímulo ou consolo para quem não teve sucesso em uma empreitada para a qual trabalhou tanto: o alemão Albert Einstein. Pai da Teoria da Relatividade e um dos físicos mais brilhantes de todos os tempos,  ele foi reprovado na primeira tentativa de ingresso na Escola Politécnica de Zurique, na Suíça. Se o exemplo não foi suficiente, lembre-se de que Thomas Edison, o genial norte-americano precursor da revolução tecnológica do século 20, repetiu cerca de duas mil vezes uma experiência até finalmente inventar... a lâmpada!

Claro que nunca podemos menosprezar a dor alheia e achar que ela é pouca perante as demais dores do mundo. O jovem investiu, trabalhou, muitas vezes perdeu noites de sono estudando e não conseguiu seus objetivos. Então tenha paciência, fique triste, mas não entregue os pontos. Muito pior seria se você não tivesse lutado. A rigor, penso que só mesmo quem não luta deveria se sentir verdadeiramente derrotado. Mas se você lutou e não chegou lá, pelo menos saiba tirar boas lições das suas experiências. As perdas doem, mas também nos ensinam. A primeira lição é que ninguém ganha sempre. O ideal e o mais justo seria se todos, uma vez concluído o segundo grau, e independentemente de suas origens e condições socioeconômicas, tivessem acesso garantido a universidades públicas e gratuitas de qualidade. Mas o mundo ainda não é um lugar justo e esse, aliás, é um outro motivo, talvez o maior de todos, pelo qual devemos lutar sempre. Se o mundo fosse um local justo, as pessoas boas nunca sofreriam e as pessoas más não seriam felizes. Quem quiser refletir um pouco melhor sobre isso vá à Bíblia e leia o Livro de Jó.

Novas chances – Outra verdade absoluta é que os pais e os verdadeiros amigos também sofrem. Os pais só não entram junto com os filhos para fazer o vestibular porque não podem e só não choram com eles, em caso de reprovação, porque não devem. Dos pais, o melhor papel que a gente pode esperar, nessas horas, é que não transmitam suas ansiedades aos filhos e que nunca, jamais, deixem de estimulá-los. Já disse isso aqui mais de uma vez e volto a repetir: nós queremos que os filhos cresçam e sejam felizes, mas não para a realização nossa e sim para a realização deles próprios. A vida e as opções são dos filhos, e a nós resta apenas torcer e apoiar, quando necessário. Porque nosso papel, afinal, já foi cumprido na infância e na adolescência deles.

A pior coisa que um pai e uma mãe podem fazer a um filho que não conseguiu atingir seu objetivo, depois de ele ter se empenhado para isso, é criticar e condenar. Lembre-se de que no final do ano, ou mesmo no meio dele se for o caso, haverá uma nova chance e é preciso que todos estejam preparados e bem dispostos para ela. E o bom da vida é isso: ela dá novas chances para cada um de nós, basta acreditarmos e tentarmos.. Muitas vezes, uma boa chance se torna melhor ainda quando lutamos mais para consegui-la. Não desista e vá em frente! Você conseguirá!

*Terapeuta clínica e familiar.






Fonte: Família Cristã 901 - Jan/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Um sínodo dos jovens
“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro?
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados