Novo espírito

Data de publicação: 05/08/2013

Padre José Oscar Beozzo *



Manhã de 11 de outubro de 1962, início do 21º Concílio da história da Igreja Católica


João XXIII fixou para 11 de outubro, festa da Maternidade de Maria, o início do Concílio Vaticano II, o 21o Concílio da longa série iniciada com o Concílio de Niceia, no ano de 325. Na Basílica de São Pedro, encontravam-se os mais de 2.500 padres conciliares, as delegações oficiais de 86 países e organismos internacionais, os observadores das Igrejas cristãs não unidas a Roma, os peritos e convidados; na praça, a multidão que aplaudira a procissão dos bispos de túnica e mitra brancas e, o papa, que a abençoava do alto da sedia gestatória.

Na entrada, a surpresa: o papa desce da sedia e percorre a pé a nave central da basílica, como irmão entre irmãos. Dirige-se ao altar da confissão de São Pedro e acompanha a missa presidida pelo cardeal Tisserant. Senta-se e recebe a obediência dos cardeais, patriarcas, arcebispos e bispos. Faz sua profissão de fé, na formulação do Credo niceno-constantinopolitano, e inicia o discurso de abertura do Concílio: Gaudet Mater Ecclesia, Alegra-se a Mãe Igreja.

Alceu Amoroso Lima, que integrava a delegação oficial do governo brasileiro para a abertura do Concílio, escreveu à sua filha religiosa sobre o discurso do papa: (Apreciei) o que ele disse, nas passagens em que falava do “novo espírito” da Igreja, que não era de anátemas e condenações, mas de amor, fraternidade, união na verdade, em suma, tudo aquilo que venho pregando há tanto tempo em torno do espírito de universalidade, equilíbrio, paternidade, paz, amor etc; que você já está chateada de ouvir. Destacou o “trabalho” e condenou os “pessimistas”!

De modo que o que me falou, antes de tudo, foi a palavra do papa, ouvida (e vista) da sua própria boca, com uma voz tão firme como de um moço e uma atitude tão calma, tão desprendida, tão natural (e portanto tão sobrenatural) como se estivesse rezando sozinho em sua capela particular! E, no entanto, estava e estávamos vivendo um momento histórico naquela basílica, onde agora se celebrava o maior Concílio da História. Entrou por seus pés, e não na “sedia gestatória”, o que apreciei muito (estava torcendo que assim fosse) e também saiu assim (LIMA, Amoroso Alceu, João XXIII, 1966, pps. 84-85).

Discurso meditado – Se a ideia do Concílio brotara na mente de João XXIII como “fiore d´inattesa primavera”, “flor de inesperada primavera”, chegara a hora, depois de três anos de intensa preparação, de abrir o tão esperado Concílio. João XXIII preparou-se para aquele momento.

No discurso transparece uma síntese de toda sua vida: a fé e a piedade bebidas no leite materno e no exemplo laborioso de um pai lavrador; sua vocação e seu ministério, iniciado em meio aos horrores da Primeira Guerra Mundial como capelão militar, continuado como diplomata na Bulgária ortodoxa e na Turquia muçulmana; na nunciatura em Paris (França) e como bispo no patriarcado de Veneza e na cidade de Roma, acumulando ali o ofício de pastor universal. Condensou neste discurso toda sua experiência de vida, sabedoria e espiritualidade.

No mês de agosto, nas suas férias, embora movimentadas de Castel Gandolfo, começou a esboçar o discurso. Em setembro, de 8 a 16, retirou-se para os exercícios espirituais. O papa anota no dia 10: “Início do meu Retiro Pessoal para o Concílio na Torre S. Giovanni”, no livro de Angelo Giuseppe Roncalli, Pater Amabilis. Agende del Pontefice: 1958-1963, p. 430). Tudo aqui é preparação da alma do papa para o Concílio, e logo adiante: “Vejo bem que a preocupação de servir o Concílio prevalecerá sobre as formas costumeiras dos assim chamados exercícios espirituais’’. No dia 11, anota: “Nesse meio tempo, alinhavo também o primeiro esboço das ideias para o discurso de abertura de 11 de outubro’’ (ibidem, p. 431).

A Gaudet Mater Ecclesia, como ficará conhecido o discurso de abertura, compreende a introdução, sete pequenos blocos e a conclusão, num total de 44 parágrafos. O papa buscou a inspiração bíblica no Evangelho de São Lucas, Evangelho do Espírito Santo, da alegria e do cântico de Maria. Lucas é citado quatro vezes, Mateus, duas. Recorre ainda ao Gênesis e, no Novo Testamento, aos Atos dos Apóstolos, a Paulo (2 Coríntios e 1 Timóteo) e, enfim, ao Apocalipse. Dos Santos Padres, apenas Agostinho é evocado.

Mais do que um programa para o Concílio, João XXIII oferece uma atitude perante a História, uma postura em face do presente, um caminho para o amanhã, “como se visse o invisível” (Hb 11,27b).

O que desejava era transmitir o espírito que devia animar o Concílio, ir além das fronteiras da Igreja Católica, à humanidade toda. Propõe:

Atitude confiante e positiva, afastando-se dos profetas da desventura que anunciam acontecimentos sempre infaustos, como se estivesse iminente o fim do mundo (IV.3).

Nada de condenações e anátemas, mas a serena apresentação da verdade. Ela deve responder às exigências do nosso tempo. Uma coisa é a substância do depositum fidei, isto é, as verdades contidas na nossa doutrina, e outra é a formulação com que são enunciadas, conservando-lhes, contudo, o mesmo sentido e o mesmo alcance (VI.5).

Magistério de caráter eminentemente pastoral. Será preciso atribuir muita importância a esta forma e, se necessário, insistir com paciência, na sua elaboração; e dever-se-á usar a maneira de apresentar as coisas que mais correspondam ao magistério, cujo caráter é pastoral (VI.5).

Remédio da misericórdia. A Igreja sempre se opôs a estes erros; muitas vezes até os condenou com severidade. Agora, a esposa de Cristo usa mais o remédio da misericórdia do que o da severidade. Julga satisfazer melhor às necessidades de hoje mostrando a validez da sua doutrina do que renovando condenações (VII.2).

Busca ecumênica pela unidade dos católicos, dos cristãos, dos fiéis de religiões não cristãs e de todo o gênero humano. Veneráveis irmãos, isto se propõe o Concílio Ecumênico Vaticano II, que, ao mesmo tempo, que une as melhores energias da Igreja e se empenha por fazer acolher pelos homens mais favoravelmente o anúncio da salvação, como que prepara e consolida o caminho para aquela unidade do gênero humano, que se requer como fundamento necessário para que a cidade terrestre se conforme à semelhança da celeste na qual reina a verdade, é lei a caridade, e a extensão é a eternidade (VIII.4).

Que o Concílio corresponda às necessidades e esperanças dos diversos povos. Queira o céu que as vossas canseiras e o vosso trabalho, para o qual se dirigem não só os olhares dos povos, mas também as esperanças do mundo inteiro, correspondam às aspirações universais (IX.4).

Espíritos mais alertas colheram, sob a aparente simplicidade daquelas palavras, a profunda novidade do discurso do papa. Conforme o Concílio avançava, foi a Gaudet Mater Ecclesia bússola e farol que o guiaram nos momentos de incerteza e impasses.

As emoções daquele dia não se acabaram, porém, com a longa cerimônia de abertura que durou mais de sete horas e cujo ponto alto fora o discurso do papa. A noite reservava nova surpresa. (Este artigo continua na próxima edição com “Ao cair da noite’’).

* Padre José Oscar Beozzo é estudioso da história da Igreja Católica na América Latina, coordenador-geral do Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular (CESEEP) e vigário da Paróquia de São Benedito, Diocese de Lins (SP).




Fonte: Família Cristã 918 - Jun/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sopas frias
Férias, praia, calor,as sopas frias são opções práticas e saudáveis que combinam com nosso país
O direito de sorrir
Uma cirurgia de aproximadamente 45 minutos pode resgatar o sorriso
Doce e muito saudável
Assim é a batata-doce, um carboidrato que nos oferece diversos nutrientes
Mensagem do Papa
Cada comunidade cristã é chamada a passar o limiar que a separa da sociedade...
Amor que promove
A Pastoral da Pessoa Idosa visita mensalmente 141 mil pessoas, em 834 municípios brasileiros
Início Anterior 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados