Atrás do tempo perdido

Data de publicação: 06/08/2013

Cleusa Thewes *      
     

Presas ao tempo-relógio, as famílias se esquecem de aproveitar o tempo plenitude-encontro, aquele que permite a troca de afetos e o conforto do cuidado.

“A única falta que terá / será deste tempo que infelizmente... / não voltará mais.” (Mário Quintana)

 Vivemos numa época na qual constantemente nos cobramos a falta de tempo. O passar dos dias nos torna impotentes diante dos ponteiros acelerados do relógio. Damo-nos conta de que o tempo exerce seu poder. Ele impõe limites, coordena severamente compromissos e repousos, administra o tempo-coração, potencializa a soberania do cronos (tempo-relógio) e “impotencializa” o tempo kairós (tempo plenitude-encontro).

O tempo horas-minutos impera com excesso de tarefas, nem sempre prioritárias, urgentes ou necessárias. Isso pode dificultar o equacionamento de nossas atividades ao tempo real disponível. Então extrapolamos. Avolumamos listas de afazeres, desafiamos um tempo que se rebela. Guerreamos contra o tempo, querendo dar conta de tudo num só tempo. Sentimo-nos dominando o tempo. Não obstante, subordinam-nos ao controle do tempo e do sem-tempo. Observemos a fala do sem-tempo: “Desculpe não lhe visitar. Ando sem tempo. Filho, não fique triste, papai está trabalhando. Hoje ele não tem tempo para brincar com você”.

Amigos partem, ausentamo-nos da despedida, pois eles morrem num tempo sem tempo. Imprevistos e surpresas reivindicam o tempo do sem-tempo. Filhos nascem, crescem, adoecem. Amigos chegam e partem sem que os priorizemos nas nossas agendas cronometradas por um sem-tempo de sentimentos. O tempo passa sem tempo no tempo do cuidado.

Síndrome da mecanização – A humanidade sofre a síndrome da mecanização. Carregamos este sintoma há 200 anos, desde o surgimento da Era Industrial. Mecanizar a produção foi necessário, trouxe progressos, inovações, avanços e facilidades à vida moderna. Mas a humanidade entrou neste sistema, no qual máquinas não podem perder tempo. Pessoas correm o risco de se neurotizarem. Pais e filhos não são máquinas, precisam aprender a se perderem no tempo que os vincula. Hoje, até as cozinhas familiares são automatizadas, e o pão nosso de cada dia produzido em vários sabores ocupa menos tempo da mãe. A máquina o faz.

Crianças manejam os aparelhos digitalizados, dispensando a companhia dos pais para estourar o grão de milho, transformá-lo em pipoca. Máquinas, porém, não elogiam os filhos. Máquinas aquecem o leite da meninada, mas não agradecem. No forno micro-ondas, filhos produzem o lanche da tarde, o brigadeiro. Mas o que fortifica suas vidas é o tempo do carinho, e este a máquina não dá.

Sem dúvida, a máquina facilitou a vida, mas agora é necessário reaprender a perder tempo com os relacionamentos, repensar o que nos diz o jornalista e conferencista Ciro Marcondes Filho: “Vamos perder aquilo que nos escraviza: o tempo. Trata-se de agora em diante, e para o resto de nossas vidas, iniciar uma nova ética: a de perder tempo. Perder tempo para ganhar a vida”.

Cuidado do tempo – Ano novo, novo ano para cuidar de forma nova do tempo. Incrementar o tempo com um novo projeto, qualificando a vida, a família e a missão.  Você já abriu em sua Agenda 2011 o tema: Tempo de cuidado do cuidado do tempo?

Ainda há tempo! Sensibilize-se cotidianamente para este inovador espaço-tempo, o qual modificará seu existir e seus relacionamentos. O sem-tempo esvazia olhares, diálogos, abraços e beijos. O sem-tempo nos impede de priorizar o assessoramento aos filhos, conhecer suas necessidades, dúvidas e escolhas. Filhos são seres de escuta, de cuidado, mesmo já adultos.

Dizia-me a jovem adolescente, triste e apagada: “Faz três semanas que falo para minha mãe que me sinto cansada, desanimada, com dores de cabeça. Ela parece não me ouvir, só pensa no trabalho”. Responde a mãe, justificando-se: “Filha, a mãe precisa trabalhar para comprar as coisas para você...”. A explicação da mãe não convenceu a jovem menina, nem os presentes compensam a necessidade de cuidados. Ela estava adoecendo para buscar tempo-cuidado de mãe.

Atenção, pais: filhos muitas vezes adoecem, tornam-se problemas, drogam-se para pedir o tempo dos pais ausentes. O sem-tempo habituou famílias a resolverem compromissos e conflitos de forma virtual, no qual baratos pacotes de torpedos acrescentam soluções a um cotidiano de corre-corre. Em momento algum se tira o mérito destes meios que facilitam a vida hipermoderna, pois nem sempre a família consegue se encontrar durante o dia para combinações e informações rápidas. Veja bem: combinações e informações rápidas. Já os relacionamentos familiares merecem o tempo kairós, cuja experiência traz satisfação e proximidade.

Pais, o tempo perdido com os filhos se tornará um oikos, ou seja, um espaço de encontro do ser, espaço este que restabelece e privilegia a cura dos sentimentos, o crescimento espiritual e o cuidado. O poeta Mário Quintana deixa-nos uma fala pertinente e sábia sobre o tempo: “A vida são deveres que trouxemos para fazer em casa. / Quando se vê, já são seis horas. Quando se vê, já é sexta-feira. Quando se vê, já é Natal. Quando se vê, já terminou o ano. / Se me fosse dado um dia, uma oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas”.

Deus Pai, Senhor do tempo kairós, abençoa-nos. Amém!

Mãe de todos os homens, cuide de nós. Amém!


* Cleusa Thewes é assistente social, terapeuta familiar, especialista em Gerontologia, Psicologia Transpessoal e Orientadora Familiar.




Fonte: Família Cristã 901 - Jan/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Casamento que não aconteceu
Documento do papa sobre as novas regras da nulidade matrimonial, ainda gera dúvidas entre os fiéis
Voltei pra você
Muitos divorciados gostariam de uma segunda chance para retomar o casamento.
Juntos, mas separados
O ideal é que a vida a dois seja com o casal junto, mas compromissos profissionais podem afastar
Namorados para sempre
Cuidados diários, diálogo e partilha da vida são passos preciosos para um “felizes para sempre”
O amor no contrato
O pacto antenupcial pode garantir segurança jurídica a algumas novas formas de família
Início Anterior 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados