Casais que se contemplam

Data de publicação: 19/08/2013

Padre Zezinho, scj*


Contou-me ele, depois de 11 anos de casamento. Não conseguindo dormir com dor no joelho, sentou-se numa poltrona ao lado da esposa que dormia no leito; chegou mais perto e passou a noite contemplando a mulher que o fizera pai, o ajudara a amadurecer para o amor e para a vida e o enchera de felicidade e sensatez.

“Gratidão, foi o que senti” – dizia ele. E prosseguiu: “Deus me deu uma mulher suave, bonita, dois filhos, uma família amorosa e uma cúmplice para todos os momentos”. 

E discorria: “Fiquei olhando a mulher que eu procurara e achara, a mãe dos meus filhos, aquele corpo bonito, aquela alma escondida sob os olhos que dormiam, e vi nela meu outro eu, extensão de mim, ou eu extensão dela; não sei ao certo!”.

Mas uma das frases dele captou-me de maneira especial. Disse-me: “Eu era um tipo de homem antes dela; depois dela eu mudei. Acho que Deus a enxertou em mim e me enxertou nela. Produzo frutos que jamais pensei ser capaz de produzir. Ela deu sabor especial à minha vida. Acho que eu também a tornei mais pessoa”.

Palavras de marido apaixonado que contempla sua esposa à beira do leito. Quantas esposas e maridos não assinariam embaixo dessa frase? Embora vocês brinquem, dizendo que se casaram com um desastre, com um estrupício, brincadeiras à parte, vocês sabem que, agora, quando querem se achar, precisam mergulhar um no outro, porque seu eu está dentro da pessoa amada. Vocês deram um ao outro o que tinham de melhor e, agora, quando querem achar o melhor de si, procuram no cônjuge. É investimento que rende! Isso, quando o casamento  deu certo!

Um bom casamento – Conto sempre a história de Dona Leila, para ilustrar o que é um bom casamento. As meninas, que a idolatravam pela excelente mestra e amiga que era, um dia, em aula, perguntaram, à queima-roupa, quando ela perdera a virgindade. Dona Leila, tranquila, reagiu: “Mas eu não perdi! Não sou mais virgem, mas não perdi a virgindade!”.

“A senhora é casada e tem três filhos. Como não perdeu a virgindade?” – insistiram as meninas.

“Eu não rodei bolsinha, nem saí do baile para o motel com um cara que nunca mais vi. Não perdi a virgindade para qualquer um. Dei-a ao meu marido e ele mora comigo. Minha virgindade está lá no mesmo leito que dividimos há 14 anos. E está em excelentes mãos. Só perde a virgindade quem não sabe onde a colocou. Eu sei o que fiz. Foi troca: eu me dei a ele e ele se deu a mim. Agora eu sou de um bom homem e ele, modéstia à parte, é meu. Ele não precisa dizer isso: eu percebo” – relatou a mestra.

Daquele dia em diante, as meninas perceberam que isso de gostar de um cara, namorar e acasalar passa pela descoberta de quem é este outro com quem criarão filhos. Sem alteridade, o sexo é apenas um troca-troca egoísta. Com alteridade, é uma viagem de almas e corpos entrelaçados. É por isso que o casamento se chama de enlace! De laços, o amor é feito.

“Deus me deu uma família amorosa e uma cúmplice para todos os momentos.”


*Escritor, compositor e cantor.




Fonte: Família Cristã 904 - Abr/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Um sínodo dos jovens
“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro?
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados