Uma balada de cara limpa

Data de publicação: 24/10/2013

Osnilda Lima, fsp


Ousar na forma de falar à juventude sobre a Palavra de Deus, este foi o início da caminhada dos DJs do grupo Electrocristo, que evangeliza através da música eletrônica.

A pista está lotada. A batida dá ritmo ao coração em cada timbre, em cada beat, em cada bassline. A juventude vibra. Adrenalina total. Agitação pura. Mas se engana quem pensa que o som forte é uma comum curtição. De repente o grito: “Eu sou livre! Você é livre! Nós somos livres! Declare que você é livre, faça barulho e tire o pé do chãããão. Declare Deus centro de sua vida, boraaaaaaaaaaaaa!”. É nessa animação, feita de batidas repetitivas e progressivas, que os DJs Léo  Guimarães, Daniel Bassani e Laércio Silva, do Electrocristo, interagem com mais de 30 mil jovens na pista, como aconteceu no Hallel 2010 em Maringá (PR). E, em meio ao agito, o DJ Léo Guimarães reforça: “Aqui não é um puts, puts (imitando o som de bate-estaca) ou uma galera boba, pulando. Tá na hora de se levantar e fazer a diferença na sua casa, no seu trabalho, na sua paróquia, na sua cidade. Chega! Tá na hora de ser livre! Saia da escravidão das drogas!”.

É dessa forma que esses DJs ousam evangelizar. O trabalho surgiu com o Projeto Rosário, em 1997. O objetivo era falar da Palavra de Deus à juventude de uma maneira diferente. Com isso idealizaram a primeira rave católica do Brasil, com o jeito “baladeiro” de falar de Jesus Cristo. Hoje esses DJs são referência no segmento música eletrônica na Igreja. No entanto, não se pode esquecer que eles foram profissionais da noite paulistana, e que inclusive tiveram experiência no uso de entorpecentes. Hoje, dedicam-se exclusivamente à música eletrônica católica, que busca resgatar valores perdidos, sobretudo pela
juventude.

O DJ Léo destaca: “Se hoje o jovem está consumindo mais drogas e a taxa de homicídio juvenil aumentou, é porque falta algo. Talvez seja porque ele não encontre valores na família, na escola, na sociedade. Somos conscientes que fazemos pouco, mas acreditamos que podemos fazer a diferença na vida desses jovens. Em nossas apresentações, temos claro que não queremos ver a juventude somente se divertindo e tirando o pé do chão para curtição, mas sim provocar esse jovem à mudança”.

Balada é Jesus – “Jesus é a nossa balada, porque está presente em nossa vida, nos move, nos motiva e nos convida a mudar de vida. O DJ católico se preocupa com a pessoa que está na pista. Ele não toca somente para a massa, procura tocar o coração de cada jovem. Encaramos esse trabalho como ministério, como missão. Tocamos para fazer o querigma, ou seja, o primeiro anúncio, falar ao jovem da Boa Nova” – destaca o DJ Léo.

“Não é fácil falar para jovens. Ainda mais para o jovem que não quer ouvir uma proposta de vida diferente. Normalmente, nos grandes eventos que realizamos, o jovem ‘tá armado’, ele sabe que é um evento da Igreja, sabe que o pessoal vai falar de Deus, por isso, ele já chega ‘armado’. Então a gente precisa atingir o ponto fraco dele, que normalmente está ligado ao uso de entorpecente. E por que ele usa entorpecente? Uma carência? Falta algo. Então é a hora que a gente toca o ponto certo e consegue desarmar esse jovem. Neste momento, a gente percebe que ele se abre para ouvir a nossa proposta” – ressalta Léo.

O grupo faz questão de mostrar aos jovens, através da partilha da vida, que eles não nasceram dentro da Igreja e que passam por problemas semelhantes aos quais boa parte dos jovens vive, seja conflitos na família, rebeldia na adolescência, dúvidas, questionamentos. Inclusive há a partilha, o testemunho de um dos DJs que narra ter feito uso de drogas na adolescência. Mas, em um determinado momento, a partir da experiência de Deus na vida, conseguiu deixar e dar um novo rumo à sua vida. Testemunha Léo: “Eu sempre digo: passei por isso que você está passando hoje e, graças a Deus, consegui me libertar. A questão do testemunho conta bastante”.


Qualidade e originalidade

Terceiro trabalho dos DJs do Electrocristo traz novidades na produção, som e música.

Timbres, sons, arranjos, músicas, tudo novo. Assim é Saint of the saints novo CD dos DJs do Electrocristo, Léo Guimarães, Daniel Bassani e Laércio Silva. A seleção de músicas ocorreu de maneira natural, observando os shows e vendo aquilo que estava “na boca do povo”, de acordo com o DJ Léo Guimarães.

O álbum traz as canções: "Teu amor é maior"; "Minha cura"; "Tudo que sonhei"; "Vou com fé"; "Se me permites"; "Santo dos santos"; "Reunidos aqui"; "Igreja é o lugar da mulekada"; "Saint of saints" e "Strengt of Faith". Sendo que a canção "Santo dos santos" de autoria do Nando, da banda Via 33, é inédita e traz versão em inglês,ambas interpretadas pelo Jonny também do Via 33. As outras canções são interpretadas por diversos artistas da Paulinas-Comep, entre eles: Adriana, Mariani, Via 33, Ceremonya, Ítalo Villar e Cantores de Deus.

Saint of the saints, é o nome da faixa que dá título ao CD. Expressão a partir das escrituras do Antigo Testamento (cf. Lv 16; Ex 26,33), mas que no Novo Testamento adquire um novo signifi cado: Jesus é o santo dos santos e oferece-se a Deus como “sacrifício perfeito”. E esse é o desejo dos DJs do Electrocristo e da Paulinas-COMEP, que as canções deste CD, além de divertir e animar as baladas cristãs, ajudem as pessoas, principalmente os jovens, a encontrar em Jesus o sentido da vida.

Com produção musical do DJ Daniel Bassani, Saint of the saints revela influências de DJs renomados, como o francês David Getta, o canadense Deadmau5, AfroJack, entre outros. A mixagem e a masterização ficou por conta do DJ e produtor musical Joe Kaplan ou Joe K, o mesmo que produziu o último álbum do Black eyed peas.




Fonte: Família Cristã 901 - Jan/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Regente do coral de Roma
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
Panorama
Uma cidade pequena, conhecida como a "Assis brasileira", vive da fé de milhares de romeiros.
Tecendo arte e vida
O Tear traz em seus pilares o desenvolvimento humano e o respeito à diversidade biocultural,
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados