Saber calar e saber falar!

Data de publicação: 25/10/2013

Padre Reginaldo Carreira*


"Cale a boca!” – disse a namorada, meio em tom de brincadeira, ao seu companheiro, numa conversa breve que tiveram há uns dias. Como somos amigos, não me surpreendi nem me escandalizei com a frase, mas, após o sorriso amarelo do rapaz, percebi que por trás da “brincadeira” havia uma situação mal resolvida.

Na maioria das vezes, quando ordenamos o silêncio ao outro, significa que perdemos toda a capacidade de dialogar e de fundamentar nossa posição contrária. Na verdade, o silêncio é necessário e útil num relacionamento, quando tem o objetivo de ser pausa para um diálogo mais coerente, equilibrado e comprometido. Nesse caso, trata-se de uma solicitação, nunca uma ordem. E quando solicitamos o silêncio, ou ele nos é solicitado num relacionamento, devemos ter firmeza e humildade suficientes para fazer ou atender ao apelo. Não é fácil, mas é preciso saber calar.

Olhando por outro ângulo, o silêncio sem perspectiva não acresce em nada à convivência, pelo contrário, gera raiva, mágoas, ilusões e omissões. Por isso, é preciso saber falar. Assim como o calar, o falar traz consequências e comprometimentos. E quando temos plena liberdade para calar e falar, temos ainda mais responsabilidade sobre o que calamos e o que falamos. A partir disso, podemos ter a tentação de nos omitir em situações de confronto, exatamente para não nos comprometer.

A verdade com verdade − Nessa reflexão, cabe bem, no âmbito da espiritualidade, a figura de Pedro. Em diversas passagens bíblicas, vemos Pedro tomando a frente dos apóstolos e falando em nome deles. Às vezes, sendo tão impulsivo que chega a ser repreendido pelo Mestre Jesus. Aparentemente, podemos julgar que Pedro errou mais, porque falou mais. Mas, se avaliarmos bem, veremos que, em algumas vezes, ele disse o que os outros apóstolos poderiam estar pensando e não tiveram a coragem de dizer... Pedro, então, fala em nome deles, e ao fazer isso assume o risco de errar e se responsabilizar pelo que disse.

Jesus compreendeu tanto a ousadia e a coragem de Pedro que manteve nele sua confiança e o colocou como chefe da sua Igreja. Jesus precisava, e precisa, de homens e mulheres que falem a verdade e com verdade, e que falem o que for preciso. Claro que, com o tempo, Pedro aprendeu com Jesus que deveria falar com mais cuidado, submetendo seu impulso ao domínio e discernimento do Espírito Santo. Mas também aprendeu que anunciar, denunciar, criticar com fundamento, fazer algo mais do que apenas falar ou reivindicar, assumir nossas posições diante dos assuntos e circunstâncias em que somos confrontados, era sua missão como cristão e fundamento da Igreja.

Nossa Igreja se fortalece, evangeliza e atua em nossa sociedade, porque tivemos e temos Pedros, Franciscos, Claras, Teresas, João Paulos II que acreditaram, mesmo diante de tantos motivos e realidades contrárias, no aparentemente utópico, ideal do Reino de Deus. Eles sabiam que para isso precisavam saber calar e ouvir o Mestre, mas também saber falar e se comprometer.


*Conferencista, cantor e compositor.




Fonte: Família Cristã 910 - Out/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

16 documentos
O Concílio produziu frutos históricos, eclesiais e simbólicos profundos. Mudou a face da Igreja em sintonia com Cristo.
Renovar a evangelização
A primeira missão da Igreja é anunciar o Evangelho da Vida, como um bem para o mundo.
Segurança pública
A criminalidade atingiu graus alarmantes e, em muitos casos, é provocada pela truculência policial
Jesus, o incluidor
Ninguém está mais perto do céu do que quem tenta aproximar o céu da terra, a terra do céu e os homens entre si
Bioética e água (II)
A força vivificadora da água é uma vivência originária de todos os seres vivos, hoje e desde sempre
Início Anterior 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados