Saber calar e saber falar!

Data de publicação: 25/10/2013

Padre Reginaldo Carreira*


"Cale a boca!” – disse a namorada, meio em tom de brincadeira, ao seu companheiro, numa conversa breve que tiveram há uns dias. Como somos amigos, não me surpreendi nem me escandalizei com a frase, mas, após o sorriso amarelo do rapaz, percebi que por trás da “brincadeira” havia uma situação mal resolvida.

Na maioria das vezes, quando ordenamos o silêncio ao outro, significa que perdemos toda a capacidade de dialogar e de fundamentar nossa posição contrária. Na verdade, o silêncio é necessário e útil num relacionamento, quando tem o objetivo de ser pausa para um diálogo mais coerente, equilibrado e comprometido. Nesse caso, trata-se de uma solicitação, nunca uma ordem. E quando solicitamos o silêncio, ou ele nos é solicitado num relacionamento, devemos ter firmeza e humildade suficientes para fazer ou atender ao apelo. Não é fácil, mas é preciso saber calar.

Olhando por outro ângulo, o silêncio sem perspectiva não acresce em nada à convivência, pelo contrário, gera raiva, mágoas, ilusões e omissões. Por isso, é preciso saber falar. Assim como o calar, o falar traz consequências e comprometimentos. E quando temos plena liberdade para calar e falar, temos ainda mais responsabilidade sobre o que calamos e o que falamos. A partir disso, podemos ter a tentação de nos omitir em situações de confronto, exatamente para não nos comprometer.

A verdade com verdade − Nessa reflexão, cabe bem, no âmbito da espiritualidade, a figura de Pedro. Em diversas passagens bíblicas, vemos Pedro tomando a frente dos apóstolos e falando em nome deles. Às vezes, sendo tão impulsivo que chega a ser repreendido pelo Mestre Jesus. Aparentemente, podemos julgar que Pedro errou mais, porque falou mais. Mas, se avaliarmos bem, veremos que, em algumas vezes, ele disse o que os outros apóstolos poderiam estar pensando e não tiveram a coragem de dizer... Pedro, então, fala em nome deles, e ao fazer isso assume o risco de errar e se responsabilizar pelo que disse.

Jesus compreendeu tanto a ousadia e a coragem de Pedro que manteve nele sua confiança e o colocou como chefe da sua Igreja. Jesus precisava, e precisa, de homens e mulheres que falem a verdade e com verdade, e que falem o que for preciso. Claro que, com o tempo, Pedro aprendeu com Jesus que deveria falar com mais cuidado, submetendo seu impulso ao domínio e discernimento do Espírito Santo. Mas também aprendeu que anunciar, denunciar, criticar com fundamento, fazer algo mais do que apenas falar ou reivindicar, assumir nossas posições diante dos assuntos e circunstâncias em que somos confrontados, era sua missão como cristão e fundamento da Igreja.

Nossa Igreja se fortalece, evangeliza e atua em nossa sociedade, porque tivemos e temos Pedros, Franciscos, Claras, Teresas, João Paulos II que acreditaram, mesmo diante de tantos motivos e realidades contrárias, no aparentemente utópico, ideal do Reino de Deus. Eles sabiam que para isso precisavam saber calar e ouvir o Mestre, mas também saber falar e se comprometer.


*Conferencista, cantor e compositor.




Fonte: Família Cristã 910 - Out/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Mãos ao alto
Jovens da periferia denunciam abuso na abordagem policial
As bases da fé
Método de evangelização pretende atingir principalmente quem está afastado da fé
Um livro tão antigo e tão novo
Mesmo sendo escrita há milhares de anos, a Bíblia ainda tem espaço no meio da juventude
Música e fé!
É quase impossível falar de espiritualidade da juventude sem falar de música cristã
Jovens e vocações
Sonhamos com uma Igreja que saiba deixar espaços ao mundo juvenil e às suas linguagens
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados