A mesa virou

Data de publicação: 06/11/2013

Padre Estêvão Raschietti *



O Vaticano II é assumido na América Latina sob a ótica da Igreja Povo de Deus, dos pobres, da comunhão, solidária, samaritana e próxima às situações mais humanas

As pessoas de mais idade devem se lembrar de que, quando crianças, o padre celebrava a missa em latim, por conta, de costas para o povo, com o altar colocado contra a parede. A assembleia quase nem participava. Mas o que era uma prática secular da Igreja, de repente mudou: o altar desgrudou-se da parede e virou-se para a assembleia, o sacerdote dirigiu-se às pessoas na língua habitual, a liturgia passou a ser bem mais simplifi cada às ações essenciais, os cantos foram sendo ouvidos segundo a cultura do tempo e do lugar, o povo de Deus começou finalmente a participar.

Essa virada de mesa correspondeu a uma nova postura da Igreja em relação ao mundo que aconteceu com o Concílio Ecumênico Vaticano II. Era preciso, segundo as palavras do papa João XXIII, um novo Pentecostes que ajudasse a Igreja a sair, a comunicar, a colocar o Evangelho em contato com o mundo moderno, perscrutando os sinais dos tempos, trabalhando pela paz, pela unidade dos cristãos e da família humana. Era urgente uma atitude mais otimista, de coragem, abertura, diálogo, escuta, humanidade e proximidade ao povo. Ao jornalista que lhe perguntou sobre o que esperava do Concílio, o papa respondeu que não sabia muito bem. Porém, abrindo a janela, acrescentou: “Pelo menos um pouco de ar fresco!”.

Medellín – O ar fresco conciliar investiu de cheio a Igreja na América Latina. Em 1968 é convocada a 2ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em Medellín (Colômbia), no meio dos clamores dos povos do continente e a violência institucionalizada das ditaduras, sob o pretexto de aplicar as disposições programáticas do Vaticano II. A Conferência de Medellín, porém, não apenas aplicará tais disposições mas as reinterpretará a partir de uma caminhada e de uma sensibilidade singelamente autóctone.

A esse propósito, como observou o teólogo peruano Gustavo Gutiérrez, se o tema inicial da Conferência era A Igreja na atual transformação da América Latina à luz do Vaticano II, o resultado final foi: A Igreja do Vaticano II à luz da realidade latino-americana.

De fato, o que o Concílio representou para a Igreja no mundo, Medellín significou para a Igreja na América Latina, na medida em que se propôs encarnar as intuições e os eixos fundamentais do Vaticano II no próprio contexto, periférico e empobrecido. A virada de mesa e a postura dialógica entre a Igreja e a humanidade traduziram-se principalmente na proposição das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e na opção preferencial pelos pobres.

A partir destas duas intuições, o Concílio Vaticano II é assumido pela Igreja latino-americana sob a ótica da Igreja Povo de Deus e de uma Igreja dos pobres, de uma Igreja comunhão de irmãos e irmãs, e de uma Igreja solidária, samaritana, próxima às situações mais humanas, comprometida com a causa dos oprimidos.

Portas fechadas – Essas perspectivas causaram entusiasmo e apreensão ao mesmo tempo. O período pós-conciliar foi extremamente criativo, mas também bastante turbulento. A teologia e a opinião pública eclesial eram muito pouco preparadas para a abertura ao mundo moderno. De fato, no embalo do entusiasmo, muitos caminhos sucumbiram a equívocos excessivamente seculares. A Igreja do Concílio, e sobretudo a da América Latina, era continuamente acusada de ter desviado o olhar para questões puramente humanas, adotando instrumentos de análise que não eram próprios de sua tradição, “contaminando” sua doutrina com a influência nefasta de ideologias.

Com o passar do tempo,portas e janelas abertas, pelas quais passaram os ventos da renovação, foram se fechando: quase como um desencanto por um otimismo missionário que não produziu os resultados esperados. Apesar de tudo, a caminhada das conferências episcopais latino-americanas manteve firme o seguimento evangélico e a renovação eclesial que desde o começo caracterizou seus passos. Depois de Medellín em 1968, houve a 3ª Conferência, em Puebla (México), em 1979; a 4ª Conferência, em Santo Domingo (República Dominicana), em 1992; e a 5ª Conferência, em Aparecida (Brasil), em 2007. Todas elas, mesmo se ressentindo do clima nem sempre favorável, insistiram no caráter profético de uma Igreja Povo de Deus convocada a ser “advogada da justiça e defensora dos pobres” (Documento de Aparecida, 395).

Novas gerações – Há exatos 50 anos da abertura do Concílio Ecumênico Vaticano II, nossas Igrejas contam com outras gerações de cristãos e cristãs, distantes daquelas experiências vividas nos anos 1960, com uma nova sensibilidade cultural e espiritual, certamente afinada com novos sinais dos tempos e novos desafios.

O Concílio Vaticano II pode ainda entusiasmar as novas gerações e abrir portas e janelas à ventania do Espírito? Apostamos que sim. Mas para isso se faz necessária uma reinterpretação do Concílio, que se fundamente num renovado reencantamento pelas fontes bíblicas e patrísticas, numa recompreensão do quadro histórico do evento conciliar, numa releitura de cada formulação no conjunto de todos os textos conciliares e numa necessária retomada da recepção pós-conciliar na doutrina e na vida das Igrejas locais. Em outras palavras, no nosso caso específico, não poderíamos interpretar hoje o Concílio Vaticano II sem retomar as conferências de Medellín, Puebla, Santo Domingo e Aparecida.

Ao mesmo tempo, é preciso nos dias de hoje não fazer do Concílio um mito, e sim um ponto de partida para que se possa olhar para o tempo presente e futuro. Segundo o teólogo e cardeal Walter Kasper, o Vaticano II concentrou de tal maneira seu discurso sobre a Igreja que acabou se descuidando um pouco do verdadeiro conteúdo da fé. Hoje a Igreja é chamada a falar menos de si mesma e focar muito mais o essencial: retornar a Jesus e seu Evangelho, testemunhando a proximidade do inefável mistério de Deus.

* Padre Estêvão Raschietti, SX, é secretário-executivo do Centro Cultural Missionário (CCM) e autor do livro Ad gentes: texto e comentário, de Paulinas Editora.




Fonte: Família Cristã 923 - Nov/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
SAÚDE
A biotecnologia é uma ferramenta e, como tal, deve ser cuidadosamente examinada.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados