Os índios isolados

Data de publicação: 28/02/2014

Felício Pontes Jr.*

Há uma categoria de povos indígenas que somente pode ser encontrada na América do Sul, com maior incidência na Amazônia. Trata-se dos “índios isolados”. Também são chamados de “arredios”, “brabos”, “hostis”, “sem contato”, “afastados”, “livres”, “em situação de isolamento voluntário”... Causam grande curiosidade pelo fato de evitar contato com outros povos. E aí reside sua principal característica. Não são povos que “não foram achados” por nossa sociedade, mas que, voluntariamente, fogem do contato.

Os motivos para a ausência de relações com as sociedades nacionais ou baixo nível de contato com as mesmas dependem de cada povo. De um modo geral, o isolamento é interpretado como a ocorrência passada de doenças que causaram epidemias mortais, ou de submeter-se à violência física, ou à degradação ambiental, que retira os recursos necessários à sobrevivência. Pode ser também por preservação cultural. Enfim, interpreta-se o isolamento como receio de que o contato possa comprometer sua continuidade histórica.

Entrave – Em um encontro de indigenistas, promovido pela Fundação Nacional do Índio (Funai), em 1987, concluiu-se que, de um modo geral, os índios isolados só foram atraídos pela nossa sociedade quando eram considerados entrave a um empreendimento, seja governamental, seja privado. A carta final do encontro avisava que “nunca poderemos nos esquecer de que, quando estamos em processo de atração, estamos na verdade sendo pontas de lança de uma sociedade complexa, fria e determinada, que não perdoa adversários com tecnologia inferior. Estamos invadindo terras por eles habitadas, sem seu convite, sua anuência. Estamos incutindo-lhes necessidades que jamais tiveram. Estamos desordenando organizações sociais extremamente ricas. Estamos tirando-lhes o sossego. Estamos lançando-os num mundo diferente, cruel e duro. Estamos, muitas vezes, levando-os à morte”.

Direito – Com os erros do passado, aprendemos que o isolamento é uma decisão. E ela precisa ser respeitada. O direito ao isolamento provém da doutrina da autodeterminação dos povos indígenas, surgida no fim do século 20, que norteou todos os documentos jurídicos editados pelo Brasil a partir da Constituição Federal de 1988. Tal doutrina estabelece o direito de essas comunidades decidirem seu modelo de vida – ou estratégia de sobrevivência –, de acordo com seus usos e costumes.

Dentre os documentos internacionais que permitem a proteção jurídica aos índios isolados, destacam-se a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948); a Convenção 169 sobre Povos Indígenas e Tribais, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) das Nações Unidas (1989); e a Declaração das Nações Unidas sobre Povos Indígenas (2007).

Amazônia – Estima-se que mais de 100povos isolados vivam em toda a bacia amazônica – que inclui o Brasil e mais oito países –, totalizando cerca de 5 mil pessoas. Pelos dados do Conselho  Indigenista Missionário (Cimi), existem hoje 90 povos isolados no Brasil. Em geral, estão em áreas protegidas, ecossistemas únicos, contribuindo, com o seu conhecimento, para o uso sustentável da floresta.

*Procurador da República, no Pará, e mestre em Teoria do Estado e Direito Constitucional.




Fonte: Família Cristã 936 - Dez/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Um sínodo dos jovens
“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro?
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados