Pluripartidarismo e seriedade

Data de publicação: 19/03/2014

Camila A. Tessare Silvestre*

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou a criação de mais dois partidos políticos. Agora, o Brasil possui 32 legendas partidárias oficiais. Qual reflexão o assunto nos traz? A Constituição Federal de 1988, com 25 anos de vigência recém-completados, prevê o pluralismo político como alicerce do Estado. É mais uma garantia à liberdade da pessoa de poder participar de grupos de opinião e exercer a participação efetiva na política nacional, expressando suas ideias e se opondo a outras. Também é assegurada a criação, a fusão, a incorporação e a extinção de partidos políticos, ainda dentro das garantias fundamentais, resguardando o pluripartidarismo. Isso em resposta à ditadura militar, que, por tempos, governou o nosso País e extinguiu os 13 partidos políticos então existentes. O regime impôs o bipartidarismo durante aquele período, subsistindo apenas um partido de situação e outro de oposição.

Partidos políticos são agremiações imprescindíveis para a existência da democracia representativa. É através deles que se exerce o pluralismo político, a expressão de diversas opiniões, ideologias políticas e liberdades de participação social. A divergência de ideias e de opiniões é salutar para a democracia, proporciona o debate político e o enriquecimento de conceitos ou conhecimentos. Daí a importância e, mais do que isso, a necessidade da existência de vários partidos políticos, sejam eles de situação, de oposição ou qualquer lugar que ocupem no cenário político nacional.

Desvirtuamento – Cercear o direito de criação de agremiações políticas é colocar em risco a própria democracia, que tão arduamente foi conquistada. Por outro lado, a descrença generalizada na política nacional acarreta dúvidas quanto à existência de tantos partidos políticos. Percebe-se uma falta de representatividade sentida pela população, que não enxerga nas agremiações a busca pelo bem comum. As necessidades do povo e da política econômica do País não são supridas ou sequer respondidas pelas bandeiras que os partidos políticos ostentam. As plataformas políticas defendidas não se ajustam aos anseios sociais.

A sociedade não ignora que os partidos políticos servem, por vezes, de mero instrumento para o proveito pessoal e para o alcance de interesses individuais. Novas organizações partidárias são criadas apoiadas apenas na visibilidade que eventual candidato almeja, sem uma proposta diferente das demais. Driblam a obrigatória fidelidade partidária e anseiam por recursos financeiros do Fundo Partidário ou por mais tempo na TV durante o horário eleitoral. Ademais, os partidos políticos, amparados pela legislação, formam coligações, o que propicia os famosos “partidos de aluguel”, candidatos “puxadores de votos” e posteriores pleitos de cargos na administração pública em retribuição ao apoio concedido.

A garantia constitucional que desejava afastar de vez um regime autoritário e garantir a livre participação social na política do País está sendo vencida pelo desvirtuamento dos objetivos vislumbrados. Ressalte-se, com isso, que a simples criação de partidos políticos em grande número não é nociva para a política e para os rumos da Nação. Ao contrário, é essencial para a sobrevivência da democracia. Não se pode pretender cercear o pluripartidarismo se ancorando no sentimento de falta de representatividade política e no abismo existente entre os políticos que administram o país e o seu povo. A casuística dos candidatos deve ser suplantada em favor da subsistência das garantias fundamentais, políticas e sociais da Constituição Federal.


*Voluntária do Movimento Voto Consciente.




Fonte: Família Cristã 935 - Nov/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Dever de tolerância
A tolerância é um dever de todos e um direito de integração à sociedade
Arte e ciência de cuidar
É urgente que nos reencantemos com a arte de cuidar. O futuro depende da resposta a estes desafios
Se bebeu, não dirija!
Os acidentes causados por embriaguez exteriorizam uma irresponsabilidade renitente, que causa danos
29.200 dias, 936 edições
Mensagem de irmã Ninfa Becker, superiora provincial das Irmãs Paulinas no Brasil
Ação entre amigos
Parceiros, colaboradores, entrevistados e, sobretudo, companheiros de caminhada
Início Anterior 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados