O afeto na era digital

Data de publicação: 02/07/2014

 

Cleusa Thewes

A era digital chegou com presença, ocupa seu espaço, distrai e aproxima a família, mas é preciso intercalar a fala digital com a presencial, e sobretudo, não esquecer de estimular o olhar, o sentir o abraço

 

Eduardo e Renata  Pais de Bela, 10 anos e Ray, 8. Eduardo trabalha com manutenção de máquinas. Cumpre jornada exaustiva. Renata é professora. A profissão a absorve muito. Quando está em casa, planeja aulas, corrige provas e trabalhos. O casal aproveita brechas de tempo para conviver com os filhos. Após a acelerada rotina do ano, a família merece férias. Combinam acampar, percorrer trilhas, jogar bola. Irão também ao interior, saborear os bolinhos de chuva da vovó e pescar com o vovô.

 

Melissa − Mãe de Jonas, 13 anos, e Gui, 8. Depois do divórcio, ela trabalha muito para prover a família. Diariamente, bem cedo, toma o café da manhã com os filhos, deixa-os na escola e volta a vê-los à noite. Mas o ano terminou e Melissa entra em férias. Ela diz: “Meus amores e meus parceiros, a estrada nos espera... Ficaremos 30 dias na praia. Vamos comer os peixes que nós mesmos pescarmos, voar com a pipa, pôr os pés para pedalar, banhar o corpo na chuva e no mar”.

 

Família, sempre família  Recentemente, circularam no Facebook duas imagens familiares. Na primeira, uma família com idosos, adultos, jovens e crianças, sentados ao redor da mesa. Na segunda, o retrato da família atual. Um casal, dois jovens e uma criança, sentados horizontalmente, cada qual com um brinquedo digital na mão: celular ou tablet. A família contextualizada, dotada de flexibilidade e sabedoria, adapta-se às novas tecnologias sem se descuidar do afeto e do cuidado.

Os avós de hoje, pais na década dos anos 60, certamente lembram o que ocorreu nos lares quando a televisão chegou ao Brasil: a família na sala, calada, olhando novelas, filmes, noticiários... A inovação provocou mudanças e desafios. Diante do novo brinquedo, a reação foi de deslumbramento, mas também de resistência, preocupação, medo.

 

A adaptação levou tempo e trouxe de carona o distanciamento familiar. Pais e filhos isolaram-se, cada qual no seu quadrado. Mas não devemos responsabilizar esta “caixa” pela desintegração familiar, e sim o poder que se concedeu a ela.

O televisor e, posteriormente, os brinquedos digitais socializaram-se no redondo familiar, tal é o poder que se lhes concedeu. Não podemos, logicamente, ignorar a interação com o mundo. Isso é bom. Muito bom mesmo. O problema está nos excessos e nas dependências, nem sempre administráveis pelos pais. Eles previnem e orientam, mas os filhos extrapolam os limites.

 

Bagagem de férias − A expectativa das férias alegra a família. Na bagagem, encontramos a bola, a rede, o skate, o celular, o tablet, o Playstation, o fone de ouvido, o caniço, a pipa... Seja no carro, no ônibus, ou no avião, vemos, além de crianças, adultos e idosos on-line. Brincam, jogam, comunicam-se. Os que ficaram em casa acompanham as férias dos familiares via redes sociais. Também os amigos e outros parentes. Todos, lá ou cá, num longe/perto, habitando o espaço virtual, aprendem que estar conectado também é estar próximo.

Hoje cedo Melissa, a mãe da historinha, comunicou via Face que estavam organizando a barraca e as pranchas. Vão passar o dia com amigos, à beira-mar. Disse ela: “Estamos levando quase tudo, só falta a galinha com farofa”. Férias dos nativos digitais, segundo estudiosos, as crianças nascidas a partir do ano 2000 pertencem à era digital, são a geração Z, os nativos digitais já nascem conectados à nova tecnologia e, assim, influenciam hábitos e culturas. A pequena Liliana,1 ano e meio, não sabe falar, mas já conduz o olhar e o dedinho para o visor do celular buscando imagens e cores.

 

Brincadeiras e travessuras − O aparelho digital ocupa seu espaço, distrai e aproxima a família, mas é preciso intercalar a fala virtual, diversificar os brinquedos, e, sobretudo, não se esquecer de estimular o olhar, o sentir o abraço.

Você conseguiria se alimentar na e da dimensão virtual? Não! O corpo precisa de alimento de verdade. Assim também é a alma. Ela necessita do calor humano. As férias devem ser um período gostoso. Conduzir a família ao país do coração, a restabelecer o equilíbrio do corpo, da mente, da alma. E isso se faz brincando. Rolar na areia, pescar, nadar, pedalar, comer frutas no pomar, deixar o corpo leve como a pipa que voa ao vento. Bah! Férias é sentir o abraço da onda do mar, o colo da rede a embalar, conectar o pensamento às asas da saudade e cantar: “Mas quero ser criança quando eu crescer”, da música Vamos construir, Sandy e Junior. Felizes férias! Mãe Maria, brinca conosco. Amém!

 





Fonte: Familia Crista ed. 938
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados