Bioética e água (III)

Data de publicação: 29/07/2014

Léo Pessini 
                                                             

 

Uma esperança renasce no mundo, com muitos organismos internacionais, Igrejas, governos, ONGs e organizações da sociedade civil assumindo a bandeira da defesa da água como um direito humano fundamental e um bem público universal


Estamos quase no fim da Década Internacional da Água (2005-2015) declarada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Uma esperança renasce no mundo, com muitos organismos internacionais (ONU, Organização das Nações Unidas pata a Educação, a Ciência e a Cultura - Unesco), Igrejas, governos, Organizações Não Governamentais (ONGs) e organizações da sociedade civil assumindo a bandeira da defesa da água como um direito humano fundamental e um bem público universal.

A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, de 1992, realizada no Rio de Janeiro (Eco-92), recomendou a criação de um dia internacional para celebrar a água. No ano seguinte, a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, declarou que o dia 22 de março de cada ano marcaria a data. O Brasil, com a Lei no. 10.670 de 14/5/2003, instituiu o Dia Nacional da Água na mesma data sugerida pela ONU. Em 22 de março de 1992, a ONU também elaborou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que serve para despertar a consciência ecológica de todos em relação à questão da água. Pela sua importância, transcrevemos a seguir:

“Art. 1º -  A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º -  A água é a seiva do nosso planeta. Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano>: o direito à vida, tal qual é estipulado no art. 3º da Declaração dos Direitos do  Homem.

Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muitos limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º - O equilíbrio do nosso planeta depende da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza. Ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento,  para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo  homem ou grupo social que utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º -  O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra”.

Claro que se os valores assumidos por esta Declaração não forem implementados e viabilizados e ficarem como letra morta, estaremos simplesmente comprometendo o futuro da vida no Planeta e nos autodestruindo! 

 

                                                             

Destaque:    

 

Uma esperança renasce no mundo, com muitos organismos internacionais, Igrejas, governos, ONGs e organizações da sociedade civil assumindo a bandeira da defesa da água como um direito humano fundamental e um bem público universal

                                                    

             

                                                                                                        





Fonte: FC edição 928
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um canto negro
As mulheres da família de Soffia souberam educar e cultivar o amor à origem negra
Mãos ao alto
Jovens da periferia denunciam abuso na abordagem policial
As bases da fé
Método de evangelização pretende atingir principalmente quem está afastado da fé
Um livro tão antigo e tão novo
Mesmo sendo escrita há milhares de anos, a Bíblia ainda tem espaço no meio da juventude
Música e fé!
É quase impossível falar de espiritualidade da juventude sem falar de música cristã
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados