Orar sem orar

Data de publicação: 09/09/2014

Padre Zezinho, scj*

Que o bom Deus nos dê a graça de realmente falar com Ele quando orarmos, porque é possível falar sem falar e orar sem orar


As pessoas falam com Deus a partir do conceito que fazem d’Ele. Se o acham duro e pronto a punir, agirão como escravos. Se o veem como Pai amoroso, agirão como filhos. Se pregam uma religião pragmática e de resultado, sua oração trairá este conceito. Fatalmente se acharão mais eleitos e mais vencedores. É por isso que, ao ligar o rádio e a televisão, você ouvirá todos os tipos de pregadores e pregadoras e todos os tipos de oração.

Deus, que é Pai, os ouve. Como os pais da terra ouvem os filhos humildes, respeitosos e agradecidos, mas ouvem também os exigentes, os cheios de cobranças, os atrevidos que julgam possuir mais direitos do que os outros filhos e, ainda, os chantagistas que barganham favores, Deus também nos ouve. Mas nossa prece acaba sempre revelando quem somos.

Orações em português totalmente errado, preces catedráticas e rebuscadas, solenes, emotivas, lacrimosas, dramáticas e teatrais, louvores repletos de marketing, a ponto de o pregador dar até a hora e o endereço da reunião ao próprio Deus, revelam o que eles pensam do seu grande ouvinte.  Há os que falam serenos, os que gritam, os que batem na mesa com voz chorosa, os que soltam gemidos inenarráveis. A maioria deles busca inspiração na Bíblia. Adaptaram-se à versão que mais condizia com o seu jeito de ser. Mas há os que se inspiram no marketing da fé. Falam com o ouvinte do céu, mas visam os ouvintes daquele programa.

Orar em silêncio − Quem está mais certo? A que Deus estão orando? A quem Deus ouviria mais? Ao fariseu que ora como se só ele conhecesse Jesus, ou ao publicano, que, quieto no seu canto, ora sem aparecer? Que modo de orar é mais precioso a Deus? A oração cheia de marketing, sempre a chamar adeptos, ou a do que ora em silêncio no seu quarto? A do que ora oficialmente em público, mas de maneira serena e com o povo, ou a daquele que ora de forma arrojada, espetacular e teatral e entre gritos e gemidos?

Deus que ouve e conhece os corações é quem sabe quem fala com Ele e quem na realidade está fazendo mais uma sessão de marketing. Que o bom Deus nos dê a graça de realmente falar com Ele quando orarmos, porque é possível falar sem falar e orar sem orar. Foi isso o que Jesus condenou na parábola do fariseu e do publicano (cf. Lc 18,9). Sabemos com que tipo de oração Jesus se identifica! Na próxima vez que ligar o rádio, lembre-se desta reflexão! Talvez ajude!


*Escritor, compositor e cantor.





Fonte: Família Cristã 920 - Ago/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Fugindo da Alcoolândia
“O mais importante é sabermos dizer não”.
Olhar de Bia
O que eu deixo de conselho, se essa é a palavra correta, é escutar os seus filhos, sejam amigos.
Jovem de família
E o que queremos de fato é nos sentir em casa, livres para amar e sermos amados.
Afetiva e sexual na juventude
"Nossa sociedade é erotizada, confundindo sexualidade e afetividade com sexo". Afirma Padre Toninho.
Vírus e antivírus
Não é possível crescer na fé,sem ter conhecimento das tentações pelas quais podemos passar.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados