O jeito de ser

Data de publicação: 22/10/2014

Rosangela Barboza



A família tem grande peso na formação da personalidade de uma pessoa, pois são os primeiros a ensinar para a criança conceitos sobre ela própria e o mundo.


Apesar da pouca idade, o pequeno Guilherme da Costa Vidal, aos seis anos, já mostra que é muito responsável. Sabe que precisa fazer os deveres de casa antes de brincar, ouve com atenção o que os pais e professores falam e, em pouco tempo, lá está ele seguindo as orientações. “Ele é como eu. Sou muito organizada e prefiro seguir regras, para que tudo saia certo”– afirma a mãe, Mônica Elaine, lembrando que o pai, João Paulo, tem um jeito mais sossegado de ser. Mônica admite que sempre fez questão de ensinar o filho a ter responsabilidade, desde a alimentação até o cuidado com suas próprias coisas. Mas, para ela, a educação e os exemplos apenas ajudaram Guilherme a fortalecer essa característica marcante, própria da sua personalidade, que o acompanhará até a vida adulta.

É a personalidade que nos faz diferentes uns dos outros e termos comportamentos e escolhas distintas sob uma mesma situação. Um jovem pode gostar de música clássica e o irmão, no entanto, preferir rock. Há aqueles que agem com agressividade, outros já veem as coisas de maneira mais pacificada.

–“Cada bebê é diferente do outro e as mães sabem disso. Cada um nasce com um potencial que é influenciado pelo meio e pelas pessoas com quem convive”– explica a psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano. Especialistas na área apontam que a personalidade se origina de características genéticas e fisiológicas, mas também das experiências de cada um e de suas relações com o mundo.

Isso significa que toda pessoa, desde o nascimento, traz traços diferenciados de personalidade, que podem tornar-se mais ou menos latentes, de acordo com experiências de vida. Assim, segundo os aprendizados e suas vivências em áreas como afetividade, esses traços, sejam positivos ou não, podem estar presentes por toda a vida, como um padrão de comportamento persistente, e através deles a criança ou o futuro adulto vai fazer a sua leitura das situações da vida, das pessoas com quem convive e influenciar na maneira como se relaciona com essas realidades.

O papel da família tem grande peso na formação da personalidade, já que são os pais os primeiros a ensinar para a criança conceitos sobre ela própria e o mundo. “Uma criança que teve uma infância tranquila, por exemplo, terá uma personalidade diferente daquela que é órfã”– lembra Ana Cássia.

Família presente – Dessa forma, o fato de cada um, desde criança, ter a própria personalidade, não significa que seus traços sejam inflexíveis. Podem, sim, ser modificados ou melhorados, caso eles não sejam positivos. E, nesse sentido, os pais podem ajudar, mas é preciso que eles percebam o que acontece com seu filho. “Muitas vezes a criança manifesta um comportamento, sinalizando uma necessidade que ainda não sabe expressar, e a família não percebe”– afirma Ana Cássia. E atenção: isso pode ocorrer tanto com as crianças mais rebeldes e temperamentais quanto com as mais comportadas e boazinhas. “Muitas vezes, as crianças mais boazinhas têm mais questões a serem resolvidas do que as outras que parecem ‘gritar’ ao mundo o que sentem”– ressalta a psicóloga.

Cabe, então, aos pais ou aos responsáveis perceberam os traços de personalidade da criança e ajudá-la a aperfeiçoar-se, caso seja necessário. A dica é procurar um profissional que possa ajudá-los, como o pediatra e o psicólogo. O ideal é evitar críticas ou mesmo ressaltar o lado negativo dos traços da personalidade.

Mônica e João Paulo, por exemplo, já perceberam que o fato de o filho Guilherme ser muito responsável também o faz ficar muito ansioso por resultados positivos. Como toda criança, ele não gosta de perder. “É quando conversamos com ele e mostramos que na vida as pessoas ganham, mas também podem perder”– lembra Mônica. O diálogo tem trazido um bom efeito. Se antes Guilherme se recusava a continuar o jogo de futebol: caso perdesse uma boa jogada ou o seu time não fosse o vencedor; agora, ele já entende que isso é comum e termina a partida, sem nenhuma contrariedade. “É a maneira com que tentamos ajudá-lo a lidar com a sua personalidade”– diz Mônica. O caminho contrário, que em nada ajudaria a criança a lidar positivamente com a sua personalidade, por exemplo, seria reforçar a sua busca por somente resultados positivos, fazendo-a acreditar que o ideal – e o normal – é vencer sempre.




Fonte: Família Cristã 914 - Fev/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A maior linha de ônibus
Viagem atravessa região amazônica e Cordilheira dos Andes, em 107 horas de estrada
Sementes do amanhã
A pureza de uma semente crioula deve ser rigorosa para evitar qualquer tipo de contaminação.
Mulheres aprisionadas
Quem tivesse uma Bíblia dentro do campo seria castigada ou mesmo assassinada por enforcamento.
Irmão dos anjos
“O espaço do espírito, o meio onde posso abrir as asas, é o silêncio”(Um sentido para a vida, p.85).
O outro na margem do rio
"Um morador ribeirinho não tem como se deslocar se não possuir um barquinho”.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados