O valor da hospitalidade

Data de publicação: 03/11/2014

Pensar e falar do valor da hospitalidade ? (III)
Léo Pessini*
O termo hospitalidade deriva do latim hospes, significa “acolhida de hóspedes, peregrinos” e tem origem religiosa: peregrinação aos santuários, centros ou lugares de acolhida dos peregrinos. Até hoje se entendeu hospitalidade como uma “obra de caridade”. Tudo isso é muito estranho para a sociedade secular, ao considerar que muitas dessas obrigações não são propriamente de caridade, mas de justiça.

Nesse contexto, não basta encarar a hospitalidade como uma obra de caridade e entendê-la como um valor. É preciso também que nos perguntemos se não seria mais adequado denominar de outra forma e que dialogasse melhor com o mundo secular da ciência e da técnica. Segundo Diego Garcia, “o valor da hospitalidade identifica-se com o valor da promoção da qualidade e da excelência no mundo da assistência e cuidado da saúde”. A hospitalidade deve tornar-se sinônima de qualidade total, ou de excelência, tanto na ordem técnico-científica quanto na perspectiva humano e ética, nas instituições de saúde. E essa linguagem tem ressonância no mundo secular hoje.

Gestão de valores − Avançando nesta direção em nossas instituições de saúde, temos que implantar uma política de gestão de valores com as seguintes características:

1) Distinguir a dimensão “transcendental” da “categorial” no tema da hospitalidade. Na perspectiva transcendente, hospitalidade expressa um tipo de vivência cristã, como nas bem- aventuranças evangélicas. Na perspectiva categorial, pode-se identificar com a promoção e busca da qualidade total e da excelência.

2) Esta dupla distinção de perspectivas é muito importante, porque se pode assumir sem problemas a segunda perspectiva sem estar de acordo com a primeira. Isto é importante frente à distinção entre instituições religiosas e seculares. Mas não podemos generalizar para o conjunto de todos os funcionários das instituições de saúde religiosas, pois isso vai contra o respeito à liberdade de consciência, uma vez que nesse nível impera o pluralismo de valores religiosos. Ainda nesse nível, deve-se exigir o estrito cumprimento do conteúdo da hospitalidade na ordem categorial, isto é, na busca da qualidade total e a excelência, caso contrário estaríamos promovendo violência.

3) Faz-se necessário definir os “valores institucionais” das instituições de saúde religiosas, evitando-se o enfoque diretamente religioso, como ocorreu até agora.

4) A toda pessoa que almeja trabalhar numa instituição de saúde religiosa, deixar bem claro quais são os valores e políticas institucionais, que se trata da busca da máxima competência e qualidade técnica e humana. Ela tem o direito do exercício da “objeção de consciência”.

5) Uma vez que o profissional assume esses objetivos, é preciso dar-lhe autonomia para que viva tais valores de forma criativa. Não se pode solicitar a excelência e logo cortar a autonomia.

6) Por fim, avaliar periodicamente o desempenho de cada profissional, segundo os objetivos e valores da instituição de saúde. Não é preciso cortar a liberdade, mas sim checar o cumprimento dos objetivos e da vivência dos valores.

A hospitalidade não é somente um valor cristão, mas também um valor humano, que nossa sociedade plural e secularizada reconhece e está tão necessitada. Sem dúvida, estamos diante de um enorme desafio para todos, mas especialmente para aquelas famílias religiosas, que fazem da dimensão samaritana do Evangelho, a acolhida e a hospitalidade, o objetivo e a razão de ser de suas vidas e instituições.

*Professor doutor em Bioética e sacerdote camiliano.




Fonte: Família Cristã 933 - Ago/2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Um sínodo dos jovens
“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro?
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados