Hospitalidade e cuidado

Data de publicação: 01/12/2014

Hospitalidade e cuidado (IV)

Léo Pessini

Encontramos um exemplo extraordinário de hospitalidade e cuidado na Bíblia, no Novo Testamento, no Evangelho narrado por Lucas, uma das páginas mais importantes da história humana relacionada com a hospitalidade e o cuidado do outro. Trata-se da parábola do bom samaritano, que todos nós conhecemos e que se transformou num verdadeiro patrimônio da literatura universal, para além da cultura judaico-cristã (cf. Lc 10,30-38).

Inspirados nessa parábola, destacamos algumas características essenciais para o exercício da hospitalidade. A primeira atitude que constatamos é de total descaso e indiferença. O sacerdote e o levita veem o outro necessitado, mas não lhe dão a mínima importância. Ambos são membros do povo escolhido, não se fizeram próximo do outro. A segunda atitude é de quem vê, se comove e muda radicalmente os seus planos. De quem coloca o outro em primeiro lugar; e sua agenda e interesses, em segundo plano. Testemunham hospitalidade e cuidado. Segundo as leis e cânones da época, não se poderia esperar nada de bom desse samaritano, pois é considerado um herege e está fora da lei divina.

O samaritano, diante do despojado e assaltado, suspende sua agenda de viagem, para, se aproxima e vê o outro. Não se trata de uma visão fria de jornalista que busca uma reportagem sensacionalista. O samaritano vê com o coração, por isso se enche de “compaixão”. Ele se despoja de si próprio e prioriza o outro, “vendo-o” e descobrindo-o na sua originalidade de ser e, em seguida, presta-lhe cuidados. Esse gesto de cuidar se traduz num serviço de profunda solidariedade e compaixão. Compaixão significa “assumir a mesma ‘paixão’ pelo outro, sofrer com quem sofre, mas também se alegrar com quem se alegra”.

Amor sem condições − O samaritano se aproximou do outro e se fez seu próximo. A atitude que temos em relação aos outros faz emergir a ética. Ele “tratou de suas feridas’’, “colocou-o na sua montaria” e “levou-o a uma hospedaria mais próxima”. Não foi apenas um cuidado emergencial, mas ele também se preocupou com o depois, pagou as despesas de abrigo. Manifestou, enfim, uma hospitalidade incondicional até o fim. Destacamos um trecho lindíssimo da exortação apostólica Salvifici doloris, de João Paulo II, sobre o sentido cristão do sofrimento humano, quando fala da parábola de Lucas: “Bom samaritano é todo homem que se detém junto ao sofrimento de outro homem, seja qual for o sofrimento. (...) é todo homem sensível ao sofrimento de outrem, o homem que se ‘comove’ diante da desgraça do próximo. Se Cristo, conhecedor do íntimo do homem, põe em realce essa comoção, quer dizer que ela é importante para todo o nosso modo de nos comportar diante do sofrimento de outrem. É necessário, portanto, cultivar em si próprio esta sensibilidade do coração, que se demonstra na compaixão, para quem sofre” (no 28).

O papa emérito Bento XVI, na sua última mensagem para o Dia Mundial do Doente, de 2013, propõe a imagem do bom samaritano para iluminar a qualidade de cuidado frente ao ser humano fragilizado pela dor e pelo sofrimento. Diz o então papa Bento XVI: “Jesus quer fazer compreender o amor profundo de Deus para cada ser humano, especialmente quando se defronta com a doença e o sofrimento. Ao mesmo tempo, porém, com as palavras finais ‘vai e faze tu também o mesmo’ (Lc 10,37), o Senhor indica qual é a atitude que cada um dos seus discípulos deve ter para com os outros, em especial se necessitados de cuidados”. Urge redescobrirmos com urgência a arte de cuidar num contexto extremamente indiferente e hostil à vida!

*Professor doutor em Bioética e sacerdote camiliano.




Fonte: Família Cristã 934 - Out/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Vida humana desperdiçada
A violência tem que ser vencida pela espiral da esperança, isto é, da convivência respeitosa
Casamento descartável
Se não deu, cada um vai para o seu canto tentar outro. O “nós” está perdendo
A Aids volta a atacar
Em 2013 foram 12.700 mortes por HIV/Aids, número similar ao de 15 anos atrás
Espelho, espelho meu...
Comparar-se com o outro não é necessariamente ruim, desde que saibamos tirar um proveito disso
Ser é mais que fazer
A conversão é primeiramente uma atitude de mudança interior, de dentro para fora.
Início Anterior 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados