Expectativas e diferenças

Data de publicação: 11/12/2014

Famílias com exagerado padrão de expectativas correm o risco de grandes frustrações, pois não realizam a idealização dos pais nem dos filhos

Cleusa e Alvício Thewes


Raul e Isa – Depois de 20 anos de casamento e mãe de três filhos, Isa está impaciente e decepcionada com Raul. Ele parou os estudos no Ensino Fundamental. Isa, mesmo depois de casada, continuou estudando, formou-se na faculdade e agora é uma profissional de sucesso na área da Informática. Já Raul é apenas um trabalhador braçal, instável e malsucedido. Raul afirma: “Nunca gostei de estudar”. Isa reclama que está sobrecarregada com as despesas da casa e queixa-se do pouco empenho do marido. Ela gostaria de vê-lo também realizado para poder se orgulhar dele. Ela diz: “Raul não tem garra profissional, mas é um grande companheiro”.

Lenira – Ela tem dois filhos adultos, casados. Mãe exemplar, mulher de fé, Lenira transmitiu aos filhos os valores cristãos que recebeu de casa. Mas os filhos estão brigados há três meses e não conversam entre si nem se perdoam. Para não se encontrarem na casa materna, eles passaram a visitar a mãe em dias diferentes. Lenira conversou com os filhos, mas ambos são irredutíveis, cada qual tem sua razão. Inconformada, ela sofre, chora muito e se deprimiu. Ela diz: “Ensinei-os a se perdoarem, quando crianças, mas hoje não fazem o que aprenderam”.

Lidando com expectativas – A expectativa é a espera de um acontecimento. As crianças esperam o passeio; os pais, o amadurecimento dos filhos; os casais, a felicidade, o amor eterno, a casa própria... Já Lenira tem a expectativa da união dos filhos, e Isa cansou de aguardar o sucesso profissional do marido. As expectativas se caracterizam pela tardança daquilo que almejam. Todos nós temos expectativas, quer em relação a nós mesmos, quer em relação a outros. É importante saber dosar as expectativas. O excesso pode levar à ansiedade e até causar sofrimento. Eis a fala de uma avó sábia: “Eu quisera saber, quando moça, o que hoje sei, que tudo na vida acontece no tempo certo”.

Expectativas não faladas – O que são expectativas não faladas? São desejos secretos que não se verbalizam, esperando que os outros os adivinhem. Isa esperou 20 anos que Raul estudasse e se tornasse um profissional respeitável, do qual pudesse se orgulhar. Isso não aconteceu, e Isa se desencantou. Na expectativa não falada, corre-se o risco de cultivar esperanças irreais e elevadas. São aqueles sonhos que estão além do nosso alcance e da nossa capacidade. Tais expectativas, quando não se realizam, causam grande frustração aos envolvidos.
Poucos filhos realizam as expectativas que os pais têm deles. O inverso também é verdadeiro. Há poucos pais ideais. A palavra escrita e falada é a ferramenta por excelência para verbalizar expectativas. Validemos a importância de realizar as próprias expectativas. O olhar sobre si mesmo amplia o horizonte. Famílias com exagerado padrão de expectativas correm o risco de grandes frustrações, pois não realizam a idealização dos pais nem dos filhos.

Diferenças somam ou dividem – Na diferença, aparece a identidade individual: fisionomia, tom de voz, cor de olhos, desenho do nariz e, principalmente, a forma de pensar, os valores, as atitudes e as preferências. O jeito próprio de cada um não é motivo para dividir nem para excluir, mas para somar, construir e colorir a convivência. Lembre-se: cada um de nós é uma beleza ímpar no cenário da vida. Lenira queria filhos iguais a ela, maduros na arte de perdoar. Ao perceber a resistência dos filhos ao perdão, isto é, ao ver sua expectativa frustrada, sofre. Isa estudou, e Raul não gosta de estudar. Tal diferença criou expectativas diferentes, as quais ferem, dividem e adoecem o relacionamento.
Às vezes, na trilha das expectativas, é bom diminuir a idealização, o inalcançável, aterrissar em terra firme, pôr o pé no presente, na realidade, e avaliar as possibilidades. São gritantes as diferenças nas expectativas das gerações. Os pais tiveram, ou ainda têm, expectativas correspondentes às suas épocas. O mesmo acontece com os filhos. Daí a importância de reconhecer e acolher o dom e a preciosidade que vêm para somar, pois somos desprovidos do poder e do direito de mudar o destino. Permaneçamos saudáveis e confiantes, pois cada qual tem seu tempo debaixo do céu.
Maria, olhai por nós. Amém!

*Cleusa e Alvício Thewes são casados há 28 anos e têm dois filhos. Ela é terapeuta familiar e especialista em Orientação Familiar. Ele, advogado e especialista em Família.




Fonte: Familia Crista ed. 945
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados