A Sabedoria do coração

Data de publicação: 11/02/2015

Todos somos aprendizes em contar os nossos dias, para podermos chegar à sabedoria do coração


Por Léo Pessini*

Para o Dia Mundial do Doente deste ano, 11 de fevereiro, o papa Francisco escreveu uma linda mensagem que fala da importância de colocarmos em prática a “sabedoria do coração”. Não se trata de um conhecimento abstrato, mas é um dom de Deus, infundido em nós pelo Espírito Santo, segundo o papa. Esse dom faz com que nos abramos aos irmãos e neles reconheçamos a imagem de Deus (“Estive enfermo e”...). Todos somos aprendizes em “contar os nossos dias, para podermos chegar à sabedoria do coração” (Salmo 89/90,12).  Essa “sabedoria do coração” se dá em quatro momentos, a saber: sair de si mesmo e ir ao encontro, estar com o outro, ser solidário e servir o irmão.

 

Sair de si e ir ao encontro do irmão − Somos chamados a fazer um “êxodo pessoal” e partir para um encontro. Nessa experiência, descobrimos o valor especial que o tempo tem (kairós) quando estamos à cabeceira do doente.  Hoje vivemos na tirania do fazer, do produzir e tudo muito rápido. E nos esquecemos do valor da gratuidade, e nossa “fé morna” se esqueceu da Palavra, que diz: “A mim mesmo o fizestes” (Mt 25,40). As pessoas, imersas no mistério do sofrimento e da dor, iluminadas pela fé, transformam-se em testemunhas vivas, ao abraçarem o próprio sofrimento. Jó, no final de sua experiência de sofrimento, dirigindo-se a Deus, afirma: “Os meus ouvidos tinham ouvido falar de ti, mas agora veem-Te os meus próprios olhos” (Jó 42,5).

 

Estar junto com o irmão O tempo gasto junto ao doente é um tempo santo. É louvor a Deus, que nos configura à imagem do seu Filho, que veio para servir e dar a vida O papa nos convida a orar ao Espírito Santo, para que nos dê a graça de compreender o valor do cuidar, do estar junto com o outro no seu calvário, muitas vezes em silêncio, como Maria. Mas quanto conforto isso traz para os doentes! A vida humana não perde seu valor, merece ser vivida, mesmo quando ferida por enfermidades graves. Segundo o papa, devemos denunciar como nociva uma visão que em nome de um conceito de “qualidade de vida”, descarta vidas...

 

Ser solidário, no sofrimento alheio, sem julgar − É necessário cultivar tempo para visitar, para estar junto e cuidar, como fizeram os amigos de Jó (cf. Jó 2,13). Mas é necessário evitar o julgamento negativo que eles fizeram de Jó: pensavam que a sua infelicidade fosse castigo de Deus por alguma culpa dele. A verdadeira caridade “é partilha que não julga, que não tem a pretensão de converter o outro”, diz o papa. Importante ouvir em silêncio, o que é dito, mas principalmente o que não precisa ser dito... Somente na Cruz de Jesus, ato supremo de solidariedade de Deus para com a humanidade, é que encontramos um sentido para a experiência de Jó, uma luz e resposta ao sofrimento do inocente!

 

Servir o irmão samaritanamente Em Jó, também conhecido como o “justo sofredor”, quando afirma “eu era os olhos do cego e os pés do coxo” (Jó, 29,15), vemos a dimensão de serviço aos necessitados. Sua estatura moral manifesta-se no serviço ao pobre que clama por ajuda, bem como no cuidado do órfão e da viúva.  O papa lembra que hoje ser “os olhos do cego” e “os pés para o coxo” é o testemunho dos que estão junto aos doentes que necessitam de cuidados contínuos, para se lavar, vestir e alimentar. Esse serviço (“caminho de santificação”) pode se tornar cansativo, pesado e difícil, principalmente quando dura meses, anos e quando a pessoa já não é nem mais capaz de agradecer!


* Léo Pessini é professor e doutor em Bioética e sacerdote camiliano.





Fonte: FC edição 950 - Fevereiro 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Jovens nem-nem
Jovens na faixa etária dos 15 a 29 anos que nem trabalham nem estudam.
Bolos de liquidificador
Não há quem não se renda ao cheirinho de um bolo caseiro sendo assado.
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Fotografar em favor da vida
Pequenos gestos podem transformar a realidade de pessoas em situação de pobreza.
A paternidade
É um direito ter o nome dos pais na certidão de nascimento; mutirões são realizados para que a população tenha mais acesso ao registro de paternidade
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados