Imóvel, mas não inerte

Data de publicação: 21/02/2015

As esculturas do pernambucano Francisco Brennand conversam entre si e nos convidam a um diálogo silencioso que passa por nossa própria existência

Texto e fotos Paulo Maia

Há alguns meses, venho trabalhando como fotógrafo sobre as esculturas de Francisco Brennand, artista pernambucano e proprietário da Oficina Brennand, localizada no Bairro da Várzea, em Recife (PE). Seu trabalho artístico é conhecido tanto pela escultura quanto pela pintura. Apesar da peculiaridade e beleza de sua obra pictórica, falarei aqui especificamente sobre meu contato com sua escultura.
A princípio, poderia afirmar que a Oficina é uma grande escultura em si mesma uma vez que sua distribuição espacial propõe um conjunto de narrativas que, ao concluir a visita a esses diversos "pequenos mundos" de Brennand, se pode perceber uma idéia que alimenta e percorre toda a obra, difícil de resumir em uma palavra.
Sua "idéia" nos leva a pensar na vida, no totêmico, no arcaico e no erótico num sentido mais radical. É uma obra que faz pensar a fratura que nos causa quando desejamos resgatar a nossa condição mais primitiva de ser humano, que talvez só podemos vislumbrar teórica ou poeticamente. Na obra de Brennand, porém, essa condição está aí diante de nossos olhos para ser vista e sentida, apesar das estruturas de saberes nas quais fomos educados, entre elas a moral, a sexualidade e tantas outras categorias que mais nos distinguem e distanciam do que nos aproximam um dos outros. De tal modo que nos convida a sentir em nossa própria existência a fascinante angústia de visitar-nos a nós mesmos. Como diz uma estrofe de um poema do inglês Samuel Taylor Coleridge (1772-1834), traduzida ao português como A Balada do Velho Marinheiro: “Desde esse dia, em hora incerta,/volta essa angústia extrema;/e se não conto a história horrível/o coração me queima.”
De modo geral, a literatura sobre a escultura de Francisco Brennand coincide em falar sobre seu apelo erótico (em sentido mais vulgar) devido às formas fálicas de algumas esculturas, ou a mostra aparentemente exagerada da genitália feminina em outras. No entanto, o contato com essas representações tão primitivas da experiência humana a que esse artista nos remete merece um exercício anterior: o de aprender a ver.


Abstrata e profunda – Em uma das entradas de acesso às esculturas nos deparamos com uma frase sutil que parece nos preparar para o diálogo interno que se estabelece entre as esculturas e o público que vai visitá-las. Ela fala sobre o movimento que tem essas esculturas. Ao passarmos por essa espécie de "primeiro aviso", entramos em um grande salão de esculturas que retratam as mais distintas realidades da condição humana. Desde elementos e personagens da literatura universal às mais diversas questões existenciais. Ao nos aproximarmos desses vários espaços, dos "pequenos mundos" de Brennand, temos a sensação de que as esculturas estão conversando entre si. Elas nos convidam a um diálogo silencioso que passa por nossa própria existência: é um apelo ao risco da experiência de fratura existencial que é também uma brecha para reencontrar a condição humana anterior a tantos esquemas que vamos incorporando ao longo da vida.
Mais que buscar conceituar um trabalho de tão grande dimensão, importa antes identificar os desafios que ele nos impõe. Pois ao primeiro contato, podemos nos deixar levar por suas formas e horrorizar-nos com uma reação que não sabemos de onde vem e nem o porquê dela. E podemos passar também insensíveis diante delas, como meros turistas curiosos por ver algo diferente. Mas ao retratar a obra desse artista pernambucano, senti-me interpelado por uma questão: como representar em fotografia uma forma tridimensional tão abstrata e tão profunda? E isso me mobilizou em direção a questões sobre essas condições mais primitivas sobre o ser humano. Agora, depois de meses fotografando esse trabalho, percebo a realidade daquela espécie de "primeiro aviso" que nos dá o artista. Em minha condição fraturada, reconheço que ali em sua Oficina cada escultura está "imóvel, mas não inerte".


Galeria de Imagens   ver mais

                             




Fonte: Familia Crista ed. 913
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O Anjo Bom do Brasil
Irmã Dulce,a religiosa que conquistou o coração do povo brasileiro será canonizada.
Mesa da Palavra
13º. Domingo do Tempo Comum - Ano C • 30 de junho de 2019 - Solenidade de São Pedro e São Paulo
Mesa da Palavra
A fé cristã professada pela Igreja Católica é de tal forma complicada, que só pode ser verdadeira.
Mesa da Palavra
Solenidade de Pentecostes.Quando ele vier, conduzirá os discípulos à plena verdade.
Mesa da Palavra
A refeição e a pesca são dois acontecimentos unidos na mesma narrativa
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados