Lições de casa

Data de publicação: 30/03/2015


Ensinar uma criança a ser alguém colaborativo é fortalecer seu vínculo com a família e melhorar sua autoconfiança

Irene Paz

Como se sabe, criança não nasce com manual de instrução, e isso angustia os pais. Uma dúvida que os afligem é: que tarefas delegar ao filho sem incorrer no risco da irresponsabilidade? Quem já se fez tal pergunta foi a mãe de quatro filhos e doutoranda em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo (SP), a pedagoga Karen Ambra. Com base em teorias e na prática, ela conclui: “Muitas crianças, hoje, têm ocupações extraescolares como natação, balé, escolinha de futebol etc., o que as afastam do espaço familiar. Logo, ensiná-las certas tarefas fortalece a pertença ao lar, as fazem sentir parte da família e não um bibelô servido por ela. Até uma criança pequena de 2 anos, ao ser ensinada a guardar um brinquedo jogado no chão, aprende a fazer parte de uma família. Já quando poupamos as crianças de certos afazeres, podemos passar a mensagem de que ela não é capaz de fazê-lo. Assim, a tarefa pode ser um instrumento para se criar a autoestima e a autoconfiança da criança”.  
Ao ensinarem uma criança a ser alguém colaborativo, os pais também deixam de mimá-la excessivamente e se livram de um possível pequeno tirano que pode gerar problemas. “A criança deve participar do dia a dia da casa sob o risco de virar alguém extremamente autoritário ou um adulto dependente dos pais para qualquer coisa”, alerta a pedagoga Marisa Elias, professora da Faculdade de Educação da PUC de São Paulo. Claro que o outro lado dessa tirania também pode acontecer. A referência, no caso, se destina a alguns adultos, que, infelizmente, podem explorar a mão de obra infantil dentro de casa. Por isso, uma regra civilizatória e de respeito à infância é incentivar o lado lúdico que existe nas pequenas tarefas domésticas, de modo que a criança as desenvolva agradavelmente e não como obrigação. “Para muitos pequenos, imitar os pais nos trabalhos domésticos é uma festa. Eles adoram”, completa Marisa.

Recompensa – Um detalhe a não ser esquecido pelos pais e de enorme peso para os filhos é o reconhecimento por uma missão cumprida. “A construção da autoestima infantil passa pelo reconhecimento dessas pequenas tarefas e produz um resultado positivo em sua formação”, avalia Karen. Mas o reconhecimento não precisa incluir, necessariamente, uma remuneração. “Para as crianças maiores, é até possível usar o dinheiro como motivação, desde que não se crie um comércio. O fundamental é a criança reconhecer que a realização daquela tarefa foi mais importante para ajudar a família e não para o seu benefício exclusivo”, finaliza a educadora.

“Me deixa ajudar?”
Uma criança pode dar conta de algumas pequenas tarefas domésticas se um adulto a ensinar corretamente. O indicado é fazer a tarefa com ela e, depois, acompanhar seu desempenho. Não raro a criança até cria um método mais eficiente – imagine se você fizesse as coisas como sua avó... Independentemente disso, seguem abaixo dicas de tarefas separadas por idades. Elas foram aprovadas pela pedagoga Marisa Elias, que lembra: “Para a criança, o tempo de estudar e o de brincar vêm em primeiro lugar. E tudo pode ser feito por meninas ou meninos”.
2 a 3 anos: guardar brinquedos e livros; desligar a televisão se não há pessoas assistindo; colocar roupa suja no cesto; remover sapatos que estejam nos espaços por onde as pessoas circulam; passar pano no chão (como uma brincadeira).
4 a 6 anos: levar a louça para a pia após as refeições; arrumar a cama; ajudar a cuidar do jardim ou molhar as plantas dos vasos; ajudar a lavar o carro; participar do preparo de uma receita; varrer o chão com minivassouras; passar pano de pó onde não há objetos que possam cair e quebrar; recolher migalhas que caem no chão durante as refeições; ajudar a transportar as sacolas de compras de supermercado do carro para dentro; arrumar brinquedos e livros e revisar os brinquedos para verificar se há objetos quebrados ou sem uso para descarte ou doação.








7 a 10 anos: arrumar a mesa para as refeições; lavar e enxugar a louça – sob supervisão; ajudar a olhar e entreter irmãos menores; estender e recolher roupas do varal; cuidar dos animais domésticos; ajudar a preparar a lista de compras do supermercado e avisar quando acabar algo que todos consomem; guardar as compras do supermercado; separar os ingredientes de uma receita e ajudar a prepará-la; organizar no guarda-roupa as roupas já lavadas e passadas; organizar a mochila da escola e revisar as condições dos lápis e demais materiais escolares; organizar livros na estante.







11 anos em diante: arrumar roupas, calçados, brinquedos e livros; ajudar a cuidar dos irmãos menores; levar roupas sujas para a lavanderia; lavar algumas roupas; tirar o pó; limpar alimentos e bebidas quando derramados; passar aspirador; organizar armários e prateleiras; levar lixo para fora, ajudar a lavar áreas externas da casa.




Fonte: FC ediçao 949-JAN 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados