Das ruas para casa

Data de publicação: 24/04/2015

A dura missão de, nas piores condições, manter uma família unida e garantir a ela uma vida digna e com direito à esperança

Por César Vicente - Fotos Luciney Martins

Realizados no Brasil desde 1872, os recenseamentos demográficos ainda excluem moradores em situação de rua. A única pesquisa que os ouviu, em 2007, não foi propriamente um recenseamento: a iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) cobriu apenas 71 dos 5.570 municípios do País. Mas isso vai mudar. Em 2014, uma experiência do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelos levantamentos desde 1936, entrevistou 100 moradores de rua no Rio de Janeiro (RJ) com o objetivo de incluir sistematicamente essa população nos recenseamentos. Segundo a irmã Cristina Bove, coordenadora nacional da Pastoral do Povo de Rua, a inclusão, já no censo nacional de 2020, será mais um passo para a promoção dessa população. “O mapeamento dará visibilidade a ela, orientando e subsidiando a construção de políticas públicas para o segmento”, aponta.

Sem informações seguras, pouco se sabe sobre os moradores em situação de rua do País. Mas, tendo por base o que os olhos veem, não é preciso elaborar demais para saber que uma das razões que levam os brasileiros para as ruas é a pobreza – no levantamento parcial de 2007, 29,1% dos 31.922 adultos entrevistados apontavam o desemprego como a principal razão de viverem na rua. A dramaticidade acentua-se quando se trata de famílias. Em tais condições, a maioria se desagrega. Preservar os laços e a unidade familiares é quase um milagre ou resultado de um esforço sobre-humano dos seus responsáveis. A família chefiada pela operadora de telemarketing Josielma de Jesus Silva, de São Paulo (SP), cabe na exceção.

Lutas – Em seus 46 anos de vida, Josielma, paulistana do bairro de São Miguel Paulista, colecionou lutas e dificuldades que começaram ainda criança, com a morte da mãe, tuberculosa. Como já não tinha pai, aos 12 anos se casou com um homem de 42 anos que, conforme ela recorda, acabou de criá-la. “José me ensinou a cozinhar, lavar e cuidar da casa. Ficamos casados 15 anos, tempo para termos cinco filhos”, afirma. A situação piorou quando José, alcoólatra, perdeu o emprego de motorista, vendeu a casa em que moravam e voltou, com todos, para Petrolina (PE). Lá, afundou-se no alcoolismo e, um dia, morreu. “O dinheiro acabava e morando de favor, com todos em dificuldade, não podia ficar ali. Voltei para São Paulo porque sabia que de fome, aqui, não morreríamos”, lembra.

Mas na capital conheceu de perto a miséria que avistava havia tempos. Na zona leste, auxiliada pela Pastoral da Moradia, montou um barraco em uma área invadida e ali passou a viver com um companheiro. Enquanto os filhos do primeiro casamento partiam, teve mais cinco filhos. Mas apertos financeiros e desentendimentos com o companheiro a levaram para a rua, onde foi encaminhada à Central de Triagem e Encaminhamento o Migrante/Itinerante e Morador de Rua (Cetrem). Ali conheceu um “corretor” que lhe vendeu um barraco em uma favela. Passados três meses, a surpresa: o verdadeiro dono do local, que estava preso, apareceu e lhe tomou a moradia. Na rua, peregrinou por abrigos, albergues e hotéis baratos. “Meu medo era que me tomassem as crianças. Lutei para não acontecer. De manhã, eu os deixava na escola, ia procurar emprego e, à tarde, os buscava”, lembra Josielma. 

Autonomia – Em dado momento, a situação pareceu melhorar. Orientada pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e já trabalhando como operadora de telemarketing, Josielma conseguiu juntar algum dinheiro e alugar uma pequena casa. Mas uma falha ao deixar um equipamento ligado no serviço lhe rendeu uma dispensa no trabalho e um despejo. De novo na rua, ela voltou a procurar os serviços de assistência social. Foi para um abrigo na Vila Prudente, depois para a Casa do Mmigrante e, finalmente, começou a receber o Bolsa Família. Também conheceu um novo projeto social voltado para as famílias e que parecia apropriado a casos como o dela. Desde meados do ano passado, ela e os filhos estão no Projeto Autonomia em Foco, criado pela Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social da Prefeitura de São Paulo e gerenciado pela Organização Serviços Assistencial Senhor Bom Jesus dos Passos.

A iniciativa oferece abrigo a famílias em situação de rua que já têm renda e estão próximas da autonomia. Nele, cada grupo tem alojamento pessoal, onde, com privacidade, dispõe de pertences pessoais, como roupas e TVs. As famílias também são responsáveis pela própria alimentação e limpeza dos quartos. Por outro lado, crianças e adolescentes têm vagas em creches, escolas e nos Centros de Convivência da Criança e do Adolescente no contraturno escolar. Os beneficiados ainda podem fazer cursos pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico (Pronatec) e encaminhamento para o mercado de trabalho. Tanto que Josielma está de novo empregada. A filha mais velha, Isabel, de 17 anos, está no Programa Jovem Aprendiz, e o mesmo caminho deverá ser seguido por Vitor, de 13 anos; Yasmim, 10;  e Lucas, de 8 que, por enquanto, só estudam.

Sem riscos – Escaldada pelos tombos, Josielma agora quer dar um passo de cada vez. E, para isso, terá o de que mais precisa: tempo. “Não existe prazo determinado para ficar aqui. Cada família tem uma história diferente e, por isso, precisa ser trabalhada separadamente. Nós nos empenhamos para elas se reestruturarem com autonomia e protagonismo, mas isso não acontece de um dia para outro”, explica o gerente de equipamentos do projeto, Roberto Gimenes Flores. “Vou sair daqui quando sentir que não corro mais risco de cair. O que não significa que ficarei aqui para sempre, pois quero ter a minha casa”, explica Josielma. Até lá, ao lado dos filhos que tanto lutou para permanecerem ao lado dela, sabe que, na pior das hipóteses, terá um chão e um teto para sua família.





Fonte: FC ediçao 952-ABRIL- 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sementes do amanhã
A pureza de uma semente crioula deve ser rigorosa para evitar qualquer tipo de contaminação.
Mulheres aprisionadas
Quem tivesse uma Bíblia dentro do campo seria castigada ou mesmo assassinada por enforcamento.
Irmão dos anjos
“O espaço do espírito, o meio onde posso abrir as asas, é o silêncio”(Um sentido para a vida, p.85).
O outro na margem do rio
"Um morador ribeirinho não tem como se deslocar se não possuir um barquinho”.
Viola, nossa viola
Antes utilizada na catequese indígena, hoje a viola caipira une arte, fé e tradição do sertanejo.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados