Guarda compartilhada

Data de publicação: 11/05/2015

 Por Karla Maria

A lei vem beneficiar as crianças e seus pais, especialmente os homens, já que recentes pesquisas indicam que, em 80% dos casos, os filhos ficam sob a guarda unilateral da mãe


O metalúrgico Marcos Fernandes Gonçalves, de 28 anos, esteve casado por três anos com Alessandra dos Santos. Juntos têm a Manuella dos Santos, de quase 3 anos. Separados há oito meses e sem perspectivas de retorno, os dois aguardam audiência para estabelecer as regras de convívio a que terão de obedecer para o resto da vida para a educação da filha.
Marcos e Alessandra estão agora amparados pelas mudanças da Lei nº 13.058/2014, que alterou artigos do Código Civil e estabeleceu o significado da expressão “guarda compartilhada”. Promulgada em dezembro de 2014 pela presidente Dilma Rousseff, a lei define a guarda compartilhada como primeira opção de tutela que o juiz deve estabelecer nos casos de separação, após avaliação criteriosa da situação de cada um dos genitores.
 “Anteriormente, o filho ficava afastado do convívio com um dos genitores. Em 80% dos casos (a guarda) ficava com a mãe, e muitas vezes este afastamento do convívio com o outro não era bom para o filho”, explica o juiz Homero Maion, da 6º Vara da Família, também diretor do Fórum João Mendes, na capital paulista.
Para o juiz, com as alterações da lei, os pais, que antes não conversavam, terão de sentar e estabelecer diálogo para o bem da educação do filho. “Já que não dialogavam antes, agora vão ser forçados a fazê-lo. Para os filhos vai ser bom, terão o convívio de ambos, porque os pais terão de se adaptar. Os filhos deixariam de ser usados para conseguir uma pensão maior, por exemplo”, justifica Homero.
 “Agora, em vez de a criança ter de se adaptar e ficar com um só, os pais é que vão ter que se virar em uma série de coisas, de se entender, de se adequar, para dar uma educação mais ou menos igual”, destacou o magistrado.
Marcos concorda, e mais, nutre esperança de que a lei lhe conceda mais tempo com Manuela. Atualmente ele a visita aos fins de semana das 19 às 22 horas. “Estou esperançoso de que eu possa falar com a minha filha em paz, como uma família. Pai e mãe se amam igualmente, e a lei só favorecia a companhia da mãe e algumas visitas do pai. Tomara que funcione, eu gostei da ideia”, diz o pai da Manuela, o qual é natural de Tarumã, no interior de São Paulo. A reportagem não conseguiu localizar Alessandra, a ex-mulher de Marcos.
Com as alterações no Código Civil, pai e  mãe passam, portanto, a dividir direitos e deveres relativos aos filhos, e as decisões sobre a rotina da criança ou do adolescente passam a ser de ambos. O que ainda não acontece com o representante comercial Éder Minelli, 51 anos. Pai de três filhos, dois do primeiro casamento – após o qual recebeu a guarda unilateral de ambos –, Éder está há um ano distante de sua filha, Beatriz Eloísa, de 3 anos, fruto de seu segundo casamento.
Após o fim do relacionamento, Fernanda Eloísa, a ex-mulher de Éder, viajou com Beatriz para o sul da Bahia e não retornou a Piracicaba (SP), onde a família residia. “Faz um ano que estou longe da minha filha. Elas foram e não voltaram, mesmo a menina estando matriculada em escola aqui da cidade. É uma situação desesperadora”, desabafa o pai. Até o fechamento desta edição, Fernanda não retornou o contato da reportagem.
“Quem sabe com esta nova lei, ela (a mãe) entenda que é meu direito ficar próximo da minha filha, acompanhar seu crescimento e educá-la. A Justiça já me concedeu antes a guarda dos meus outros dois filhos”, conclui Éder.
Para o advogado especializado em casos de família Eduardo Lemos Prado de Carvalho, a lei não é um avanço. “Casais que vivem em pé de guerra e mal conseguem conversar entre si não vão, apenas por conta de uma nova lei, se sentar amigavelmente à uma mesa para decidir questões relativas à criação e à rotina do menor. A nova lei pressupõe uma convivência pacífica e consensual entre os pais, o que, na prática, não é fácil de acontecer”, aponta.
O advogado acredita que o juiz deve analisar cada caso concreto, e somente conceder a guarda compartilhada na hipótese de pacífica convivência entre os pais, e com a anuência deles, sob pena de grandes prejuízos psicológicos à criança.

O diálogo obrigatório – A guarda compartilhada pode gerar impactos nas famílias que antes estavam sob a tutela unilateral. O que, por exemplo, antes era apenas decisão da mãe, agora deverá ser decidido conjuntamente. Mas, como fazê-lo? A psicopedagoga Thaís Rufatto dos Santos orienta a boa e velha conversa. “O diálogo é o melhor amigo das relações. Colocar-se no lugar do outro é de extrema importância para que os pais opinem e decidam juntos sobre a vida dos filhos.”
Thaís avalia a alteração na lei como positiva, “uma vez que a criança e o adolescente vêm de uma família e é em conjunto que os ex-cônjuges devem decidir sobre a vida destes filhos”.

Como fica a situação com a guarda compartilhada
    O tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada;
    A cidade considerada base de moradia dos filhos será aquela que melhor atender aos interesses e necessidades deles;
    Estabelecimentos públicos e privados estão obrigados a prestar informações sobre o filho tanto ao pai quanto à mãe, sob pena de multa diária pelo não atendimento da solicitação.





Fonte: FC ediçao 950-FEV 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados