A Aids volta a atacar

Data de publicação: 13/05/2015

Leo Pessini                       

 Em 2013 foram 12.700 mortes por HIV/Aids, número similar ao de 15 anos atrás, quando a política de acesso aos antirretrovirais foi implantada no País
                                                 
Morrer de HIV/Aids, já não é mais notícia como era no início dos anos 1980. Naquele a ocasião, além da incurabilidade, quem fosse acometido dessa doença era morte certa, em pouco tempo, com situações terríveis de abandono e indiferença. Enfrentávamos muitos preconceitos e discriminações. Fala-se de “peste gay”, de “castigo de Deus” pelos pecados, e tantos outros. Ficou conhecida como sendo a “síndrome do medo do outro”. Como capelão no Hospital Emílio Ribas, entre os folhetos distribuídos nas enfermarias aos doentes, encontrei um com este título: “Aids: A Ira do Senhor”! Em síntese, o paciente portador do vírus HIV/Aids era duplamente vítima, da doença e do preconceito, que o levava a uma “morte social” antes da morte física. 
No Brasil, a epidemia do vírus HIV/Aids estava estabilizada na faixa de 20 novos casos por ano a cada grupo de 100 mil habitantes. De 2003 a 2013, a taxa de mortalidade caiu de 6,4 óbitos por 100 mil habitantes para 5,7. No entanto, o número de infecções na faixa etária entre 15 e 24 anos seguiu direção contrária, crescendo em 32%.  Este é um grande problema. A atual juventude é mais liberal, está muito bem informada a respeito dos meios de como se proteger e prevenir a doença, mas os ignora. Esses jovens não vivenciaram o drama da epidemia nos seus inícios, quando o diagnóstico de Aids era uma sentença de morte.

Ainda sem cura − Hoje no Brasil dos 734 mil portadores do HIV existentes, estima-se que 20% não sabem que têm a doença. Como essa enfermidade demora em média dez anos para apresentar os primeiros sintomas, muitos infectados disseminam o vírus sem saber. Daí a importância de estimular os testes.  Desde 2011 o número de casos voltou a crescer, e hoje ocorre um aumento preocupante do número de mortes. Somente em 2013 foram 12.700 mortes por HIV/AIDS, número similar ao de 15 anos atrás, quando a política de acesso aos antirretrovirais foi implantada.
O Brasil no cenário mundial assumiu o compromisso de atingir metas para aumentar as taxas de diagnóstico e tratamento.  Até 2020, 90% dos infectados devem saber que carregam o vírus HIV. Destes, 90% precisam começar a tomar os antirretrovirais. Dos que entraram em tratamento, 90% devem ter a carga viral suprimida.  Essas metas chamadas de “política dos três 90” foram ratificadas pelos países membros dos Brics, Brasil Rússia, Índia, China e África do Sul.
A meta maior é a de eliminar a epidemia de Aids até 2030, como vislumbra o Progama das Nações Unidas sobre o HIV/Aids (Uniaids). Ainda não é possível erradicar a doença, mas podemos acabar com os níveis epidêmicos. A tão aguardada vacina, anunciada para o ano 2000, ainda não temos.  A grande novidade foram os antirretrovirais, que ajudam a pessoa a viver mais, convivendo com a doença, mas ainda sem a cura. 
Além das campanhas na mídia para estimular a realização do exame de HIV, o Ministério da Saúde aguarda a liberação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para disponibilizar testes rápidos em farmácias. Uma forma de vencer um velho tabu: a vergonha de muitas pessoas em procurar o diagnóstico em um posto de saúde.
É urgente implementarmos vigilância ético-sanitária, em termos de saúde pública, e o necessário cultivo de responsabilidade pessoal e comunitária, frente ao cuidado e respeito para com a própria vida e a saúde dos nossos semelhantes.
 




Fonte: FC ediçao 952-ABRIL- 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Pluripartidarismo e seriedade
A criação de partidos políticos em grande número não é nociva para a política
Conselhos matrimoniais
Milagres acontecem. A palavra serena já converteu muitos casais irados e já salvou muitos lares!
O valor da hospitalidade (I)
Os valores originam-se sempre no nível pessoal e acabam objetivando-se numa sociedade
Casos de rejeição
Ao ser rejeitado, ninguém precisa se sentir tão desprezível a ponto de se achar o último dos mortais
Quando o silêncio fala
O silêncio, acompanhado por Deus, nos dá a capacidade de darmos passos concretos para uma conversão
Início Anterior 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados