Evangelho

Data de publicação: 22/05/2015

Reflexão Cônego Celso Pedro da Silva - celsopedro@uol.com.br
Arte Sergio Ricciuto Conte - www.sergioricciutoconte.com.br

Ano B – 24 de maio de 2015
Pentecostes
At 2,1-11 – Ficaram cheios do Espírito Santo.
Sl 103 (104) – Mandas teu Espírito e renovas a face da terra.
1Cor 12,3b -7.12-13 (Gl 5,16-25) – Formamos um só corpo, no Espírito.
Jo 20,19-23 (Jo 15,26-27; 16,12-15) – Recebei o Espírito Santo.

No quinquagésimo dia depois da Páscoa, quando os judeus celebravam a festa das semanas, o Espírito Santo se manifestou sobre a comunidade de Jesus reunida no Cenáculo em Jerusalém. Manifestou-se como se manifesta o Espírito, impulsionando, dando coragem, abrindo espaço, aproximando. Cheios de coragem, os apóstolos, até então trancados na sala onde tinham celebrado a última ceia com Jesus, saem para fora ao encontro do povo que enchia a cidade de Jerusalém para a festa, e anunciam que Jesus está vivo. Havia em Jerusalém gente de todo canto, com uma variedade de línguas, e todos entendiam o que os apóstolos anunciavam, porque anunciavam as maravilhas de Deus. Não estavam ébrios. Falavam com clareza, como falamos quando queremos transmitir alguma mensagem.
A primeira pregação apostólica no dia de Pentecostes não segue as orientações de Jesus. Jesus sempre disse que deviam anunciar o Reino, que o Reino de Deus estava próximo, e mostrar com sinais tal proximidade. Jesus nunca disse para anunciar a ele mesmo. No entanto, Pedro começa falando da pessoa de Jesus, morto e ressuscitado. Convoca todos à conversão e ao batismo em nome de Jesus para a remissão dos pecados com a promessa do dom do Espírito Santo. A aparente contradição entre Jesus que anuncia o Reino e Pedro que anuncia Jesus se desfaz se identificarmos Jesus com o Reino. Se aceito Jesus, trabalho para que o Reino aconteça. Se trabalho para que o Reino aconteça, estou fazendo o que Jesus quer. Aqui entra a presença do Espírito Santo que se manifestou no dia de Pentecostes. Ele nos leva a uma união íntima e profunda com a pessoa de Jesus e nos coloca silenciosa e respeitosamente no meio do povo para que o Reino aconteça.
Os sinais do Reino são o cego que enxerga, o paralítico que anda, o abandonado acolhido. Quem mostra amor para com os mais esquecidos faz o que Jesus quer e revela que o Espírito Santo está ativo nele, porque “o amor de Deus foi derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado”. Quem dá de comer a quem tem fome e de beber a quem tem sede faz o que Jesus quer e será acolhido por ele no céu, mesmo sem tê-lo conhecido nesta terra. Quem faz o que Jesus quer e o conhece persevera no bem que faz e não desanima, porque conhece o amor. Quem conhece Jesus e não faz o que ele quer contradiz a si mesmo, e a verdade não está nele.
O Espírito Santo manifestou-se empurrando os apóstolos para fora do Cenáculo, colocando-os em contato direto com o povo que tinha vindo para a festa. Deu-lhes coragem e a linguagem do amor para que fossem entendidos por todos. Os que aceitaram o Cristo anunciado pelos apóstolos começaram a viver de tal modo que não havia necessitados entre eles. Não se tornaram cooperativa. Tornaram-se comunidade de irmãos, eles mesmos sendo agora o sinal por excelência da chegada do Reino. A comunidade por eles formada no Espírito Santo torna-se amostra do que Deus quer para todos nesta terra e amostra do que nos espera no céu. Nada disso acontece sem o impulso do Espírito que leva o cristão a uma vida profunda de amor a Deus e de presença gratuita e amorosa junto a todas as pessoas. Nada disso acontece sem uma conversão contínua no Espírito, cujas obras do Espírito superam as obras da carne.


Leituras e Salmos (25 a 30 de maio)

2ªf.: Eclo 17,20-28; Sl 31 (32); Mc 10,17-27.
3ªf.: Eclo 35,1-15; Sl 49 (50); Mc 10,28-31.
4ªf.: Eclo 36,1-2a.5-6.13-19; Sl 78 (79); Mc 10,32-45.
5ªf.: Eclo 42,15-26; Sl 32 (33); Mc 10,46-52.
6ªf.: Eclo 44,1.9-13; Sl 149; Mc 11,11-26.
Sáb.: Eclo 51,17-27; Sl 18 (19); Mc 11, 27-33.




Fonte: FC ediçao 952-ABRIL- 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na família
“São noites que demoram tanto e derramam prantos, quase sem ter fim...”
Sabedoria como herança
“A velhice, sempre vista como uma época de declínio, pode trazer novas habilidades muito poderosas”.
Jovem aos 100 anos
São três coisas que precisamos na vida: Deus, a família e os amigos.
Setenta vezes sete
Uma sociedade sem perdão é totalitária ou assiste,impotente,à morte de ambas as partes em confronto.
Família na estrada
Tempo é mais difícil do que grana, porque poder ter dinheiro pra viajar e não ter tempo,não adianta.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados