Casamento descartável

Data de publicação: 31/05/2015

A era do indivíduo

Chegamos ao casamento descartável. Se não deu, cada um vai para o seu canto tentar outro. O “nós” está perdendo

Por Padre Zezinho, scj

Eles já se amaram e até intensamente. Acabou não dando certo. Hoje são ex-marido, ex-mulher, ex-amantes, ex-namorados. Acontece em tudo na vida. Alguém começou algo, com a certeza de que tudo daria certo mas, num determinado momento da viagem, desistiu do projeto. Faz parte do ser humano reavaliar o que fez ou faz. Alguns reavaliam para continuar juntos, outros para terminar. Há os que acham que ainda vale a pena, e os que não querem mais tentar. Acabou o que os unia.

Uma leitura dos jornais e revistas, dia após dia e semana após semana, programas de rádio e entrevistas de televisão dão bem uma ideia do quanto a desistência passou a fazer parte da vida do homem e da mulher de hoje. É impressionante o número de artistas, cantores, músicos, escritores, atletas, políticos, empresários, já na segunda ou terceira união. Há quem esteja na décima. Não se usa mais a palavra fracasso. Soa mal e pode ser injusta, até porque a pessoa em questão geralmente é a parte inocente. Mas dá uma ideia do quanto o casamento tem mudado nas últimas décadas. Termina-se e pronto!

A era do descartável deixou marcas também no amor. Copos, pratos, meias, vestidos, objetos descartáveis entraram no cotidiano das pessoas tornando a vida mais cômoda. Por que refazer, se é possível arranjar outro? Não se tenta nem se pensa em reparar um relógio, uma meia, uma camisa. Há quem os conserve e use por muito tempo. Mas há quem busque um novo. Por que não, se o outro já não serve e existe algo melhor na loja? Chegamos ao casamento descartável. Se não deu, cada um vai para o seu canto tentar outro casamento. Em alguns casos, os dois levaram anos tentando consertar, mas não deu. Foram sinceros, e a última coisa que queriam era fazer o outro de objeto. Mas houve e há os que resolvem a coisa em semanas e meses. A carreira, o trabalho, ou alguém mais interessante falou mais alto.

É um novo ethos. Talvez seja conhecido na História como a era do indivíduo. O “nós” está perdendo.  




Fonte: Edição 945, setembro de 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Congresso mundial
Debater sobre bioética é avançar para além de nossas convicções de fé e valores de vida
Sofrimento, não aceito
No sofrimento, o melhor que podemos fazer é estar presentes e evitar palavras ingênuas
A era do crack
O crack nas ruas é o assassinato de uma geração que quer chegar depressa não sabe onde.
Juventude missionária
Estamos às portas da JMJ e não há como nos mantermos inertes em meio a esta mobilização.
Tente outra vez!
Só mesmo quem não luta deveria se sentir verdadeiramente derrotado. As perdas nos ensinam
Início Anterior 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados