Namoro no entardecer

Data de publicação: 22/09/2015

Por: Cleusa e Alvício Thewes *

 “Amar é o que se aprende no limite, depois de se arquivar toda a ciência herdada, ouvida. Amor começa tarde”, Carlos Drummond de Andrade

Celina e Rui, 76 anos – Enamoramento no entardecer da vida. Conheceram-se há sete anos. Viúvos e cansados da solidão, enamoraram-se com certa facilidade. A consequência lógica foi casamento.
Ambos carregaram suas manias e teimosias para o casamento. E as compreenderam rapidamente. Com a compreensão vieram o companheirismo, o cuidado, o carinho, o amor maduro, e, talvez, o último amor da vida deles.  Outro dia, Celina comentou: “Ele é ciumento!”. 
Quando Celina esteve doente, Rui cuidou dela com esmerada dedicação. Esse gesto foi fundamental na cura dela. Eles estão sempre juntos. Rui declarou: “Nós passeamos, rimos, namoramos, dançamos muito. Depois que casamos, desapareceram o reumatismo dela e o meu”. A depressão e a solidão de ambos foram embora. Estão felizes.

Julieta, 89 anos, e Bento, 80 − Conheceram-se na Casa Lar onde moram. “Enxergaram-se”, como costumam dizer.  Julieta envaideceu-se, passou a usar brincos, roupas bonitas e a se perfumar, como o fazia na juventude. Bento foi se aproximando, se encantando e a pediu em namoro. Agora estão felizes e sorridentes. 
A cuidadora do lar tem certeza que eles rejuvenesceram. Das antigas dores não reclamam mais. Diariamente, sentam no jardim, abraçados, e ali tomam sol, conversam, dão risadas. Até se animaram a plantar hortaliças e agora estão cultivando uma bela horta. Durante a recreação com os demais idosos, eles cantam e dançam.  Estão apaixonados e já têm o apoio dos filhos para casarem.

Tabu e preconceito − Vivemos numa sociedade que expõe o novo e esconde o velho. Essa mentalidade tem reflexos profundos nos relacionamentos e nos sentimentos. A sociedade considera o amor e os sentimentos propriedade exclusiva dos jovens e tende a ridicularizar e a esconder os novos relacionamentos amorosos dos idosos, como se estes não tivessem o direito de se enamorarem depois de separados, divorciados, viúvos. Pensar que o idoso já ultrapassou a idade de se encantar, se apaixonar, ter um relacionamento sexual saudável é um pensamento poluído e contaminado por tabus e preconceitos antigos que já devia ter sido extirpado. O amor e o afeto pertencem ao ser humano por sua própria natureza, sendo esta a sua essência. Nunca devemos esquecer que cada um de nós, cada pessoa, cresce, evolui e estrutura sua personalidade através do amor. O amor nos liga ao verdadeiro sentido da vida. É indispensável romper com as gracinhas, os mitos, os estereótipos sobre o sexo na terceira idade e contribuir para que o envelhecimento seja vivido com a melhor qualidade de vida possível.

O idoso, o amor e a sexualidade − Os temas mais abordados para a terceira idade referem-se, sem dúvida, à hipertensão, à alimentação, ao diabete. Concordo que sejam temas pertinentes, mas quando falaremos de amor e sexo na terceira idade? Por que esquecemos e negligenciamos a sexualidade dos idosos?
Na velhice também existe vida intensa nas questões do amor e da prática da sexualidade. Ocorre, porém, que os tabus e os mitos inibem que o assunto seja largamente discutido.
Os olhinhos dos idosos brilham, e os lábios sorriem quando esses assuntos bailam na sala de encontros da terceira idade. Segundo Anita Neri, a vivência do amor e da sexualidade está relacionada com as pessoas de idade avançada. Há indicadores relevantes no bem-estar da terceira idade, tais como: a longevidade, a saúde biológica e mental, a capacidade cognitiva, a produtividade, a competência social, na família e na sociedade, a autonomia financeira, a satisfação. Além dos aspectos citados, percebemos que os idosos que possuem uma vida afetiva, uma vida sexual dentro de seus limites e possibilidades, assim como uma experiência de companheirismo e cumplicidade, são mais felizes e realizados.
A sociedade precisa superar as restrições impostas no enamoramento na velhice e possibilitar aos idosos irem além de seus papéis de pai/mãe, avô/avó, de só ficarem olhando televisão, fazendo tricô.  Precisamos acreditar no amor e na sexualidade entre eles, pois podem ser tão intensos quanto no caso dos jovens, porém vividos de forma calma e madura. Não podemos, evidentemente, deixar de considerar que em algumas pessoas de idade avançada o desejo sexual diminui, ou se anula, enquanto em outras se acentua. Negar aos idosos sexualmente ativos o direito ao amor faz com que se considerem acabados, inúteis, incapazes e com medo do futuro. Há até casos extremos de idosos que não desejariam ter chegado à velhice. Diante disso, o conselho é transformar a negação de afetos em possibilidade de amar para todas as idades.
Mãe Maria, cuida com amor dos idosos.




           




Fonte: Edição 954,junho 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
Música
Além de estimular o bom convívio social, aprender música ajuda a desenvolver a fala E a respiração.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados