Liturgia da Palavra

Data de publicação: 28/01/2016

4º Domingo do Tempo Comum, Ano C – 31 de janeiro de 2016

Jr 1,4-5.17-19 – Faço de ti uma cidade fortificada.
Sl 70 (71) – Minha boca anunciará a tua justiça
1Cor 12,31 – 13,13 – A fé, a esperança, o amor.
Lc 4,21-30 – Todos testemunhavam a favor dele.

"Jesus, porém, passando pelo meio deles, retirou-se" (Lc 4,30)

Reflexão: Cônego Celso Pedro da Silva
Arte: Sergio Ricciuto Conte

O projeto de Jesus agradou e desagradou. Num primeiro momento, as pessoas estavam encantadas com tudo o que Jesus dizia. De fato quem não quer viver numa sociedade sem pobres, prisioneiros, aflitos, angustiados ou escravizados? Se Jesus veio para tirar os mendigos da rua e deixar a cidade limpa, bendito seja ele. Quando, porém, Jesus deu a entender que nada disso aconteceria se não houvesse renúncia de privilégios, que cada um deveria fazer a sua parte e aceitar de bom grado que Deus cuidasse de todos igualmente, os ouvintes não gostaram. E não gostaram mesmo. Expulsaram Jesus da cidade e queriam jogá-lo num precipício.
Jesus, porém, passou tranquilo pelo meio deles e continuou o seu caminho. Deixou Nazaré e foi às aldeias vizinhas anunciando a Boa-Nova de Deus. O que foi que Jesus disse que provocou a raiva de todo mundo? Ele deu dois exemplos mostrando a atenção de Deus para com os que realmente estão sofrendo e precisam de ajuda. Em Sarepta, fora de Israel, o profeta Elias socorreu uma viúva que não era judia, e em outro lugar o profeta Eliseu curou a lepra de Naamã, que tinha vindo da Síria pedir ao rei de Israel que o ajudasse a se libertar de sua enfermidade.
O povo não gostou porque os exemplos eram de estrangeiros beneficiados pelo Deus de Israel. Aqueles israelitas pensavam que Deus devia cuidar só deles, povo escolhido, mas Jesus ensinava que Deus é Deus de todos, que ninguém pode se apropriar de Deus, e que os escolhidos de Deus devem estar abertos aos outros e não fazer da escolha um privilégio quando, na realidade, ela é um serviço. Renunciar ao privilégio de ser o povo eleito significa renunciar a qualquer privilégio para que a boa notícia seja anunciada aos pobres. Para que não haja pobres na minha calçada alguma coisa deve mudar dentro da minha casa.
Justiça, liberdade, igualdade, respeito não se conquistam sem esforço. Muitas vezes a liberdade conquistada significa escravidão de outros. A humanização do mundo se faz no respeito de uns para com os outros e para com todos. Se exijo respeito, devo saber respeitar. O profeta Jeremias trabalhou duro para que a sociedade de seu tempo respeitasse a Lei de Deus e vivesse na justiça e na fraternidade. Para isso o profeta teve que se transformar em “uma cidade fortificada, uma coluna de ferro, um muro de bronze para enfrentar o país inteiro: os reis de Judá e seus chefes, os sacerdotes e o povo do país”. Deus mesmo preveniu o profeta de que toda essa gente iria fazer guerra contra ele, mas não iriam vencê-lo, porque Deus mesmo iria defendê-lo.  O profeta não deveria ter medo, senão Deus o faria tremer diante de seus inimigos.
Rejeitaram Jesus e tentaram matá-lo, rejeitaram o profeta e tentaram matá-lo. E, no entanto, nossa luta deve ser feita com amor. Esta é a nossa convicção e nela acreditamos. Não é com violência, não é com retaliações que empreendemos a batalha contra as forças do mal. É com o amor paciente e benfazejo, não invejoso, não presunçoso nem orgulhoso, honesto e desinteressado, que não se encoleriza e não leva em conta o mal sofrido, não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade, desculpa tudo, crê tudo, espera tudo, suporta tudo. Com essas armas seremos vencedores.


Leituras e Salmos (1 a 6 de fevereiro)
2ªf.: 2Sm 15,13-14.30; 16,5-13a; Sl 3; Mc 5,1-20.
3ªf.: Ml 3,1-4 ou Hb 2,14-18; Sl 23 (24); Lc 2,22-40 mais breve 2,22-32.
4ªf.: 2Sm 24,2.9-17; Sl 31 (32); Mc 6,1-6.
5ªf.: 1Rs 2,1-4.10-12; Cânt.: 1Cr 29,10-12; Mc 6,7-13. 
6ªf.: Eclo 47,2-13; Sl 17 (18); Mc 6,14-29.
Sáb.: 1Rs 3,4-13; Sl 118 (119); Mc 6,30-34.




Fonte: Edição 961,janeiro de 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A presença nas redes
O isolamento social proporcionou maior interatividade no ambiente digital
Uma vida nova em Cristo
O Círio Pascal recorda que Cristo é a luz do mundo
Evangelização, sim!
Para Francisco, a evangelização não pode confundir-se com o clericalismo nem com o proselitismo.
O Anjo Bom do Brasil
Irmã Dulce,a religiosa que conquistou o coração do povo brasileiro será canonizada.
Mesa da Palavra
13º. Domingo do Tempo Comum - Ano C • 30 de junho de 2019 - Solenidade de São Pedro e São Paulo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados