Liturgia da Palavra

Data de publicação: 23/06/2016

Ano C – 26 de junho de 2016 -13º Domingo do Tempo Comum

1Rs 19,16b.19-21 – Elias lançou sobre Eliseu o seu manto.
Sl 15 (16) – Bendigo o Senhor que me aconselhou.
Gl 5,1.13-18 – É para a liberdade que Cristo nos libertou.
Lc 9,51-62 – “ Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.”

“Mas tu, vai e anuncia o Reino de Deus”. (Lucas 9,58)


Reflexão:
Cônego Celso Pedro da Silva
Arte: Sergio Riccuto Conte

Jesus tomou a firme decisão de partir para Jerusalém. Decisão forte e firme porque a subida vai terminar no alto da cruz. Para este ato final, a decisão precisava ser firme. Já no início da viagem aparece um obstáculo. Jesus envia mensageiros para prepararem sua chegada a uma aldeia de samaritanos, que não quiseram recebê-lo, porque sabiam que ele se dirigia a Jerusalém. Os samaritanos não se davam com os judeus. Tiago e João reagem e querem destruir aquela aldeia com fogo do céu. Houve um problema, e problema se resolve com poder, pensam os dois discípulos iniciantes.
Não é esse, porém, o pensamento de Jesus. Não é com poder que seus discípulos resolverão os problemas que irão encontrando pela frente. Os discípulos de Jesus não serão homens poderosos, que eliminam os obstáculos aniquilando as oposições. Jesus ensina que quem quiser segui-lo deve saber que ele, o mestre, não tem nada, nem mesmo onde repousar a cabeça. Raposas e pássaros têm tocas e ninhos. Nem isso Jesus tem para oferecer aos que o seguem.
Seus seguidores devem passar por uma conversão que se manifesta em rupturas radicais. Nada de meias medidas, e, sim, entrega total ao Cristo e à sua causa, que é o Reino de Deus. Para exemplificar o caráter de tal ruptura, Jesus afirma que não haverá despedidas, nem do pai que morreu, nem do que está vivo em casa. Certamente não se trata de um preceito, mas de um exemplo elucidador. Elias permitiu a Eliseu que se despedisse de seus pais. O Evangelho mostra as dimensões do seguimento, até onde ele pode e deve chegar. Somos, porém, limitados e imperfeitos. Em nossas mãos, um copo transparente pode se tornar embaçado. Até mesmo as convicções e a firmeza na decisão tomada podem ser distorcidas por nós. Foi para sermos livres que Cristo nos libertou, ensina São Paulo, e nossa liberdade deve ser vivida de forma radical. Nada nos pode prender, condicionar ou constranger, nem mesmo nossos pais ou um travesseiro para repousar a cabeça. Somos absolutamente livres.
No entanto, até a radicalidade da nossa vida leva a marca da imperfeição humana. Liberdade pode se converter em libertinagem. A radicalidade pode nos tornar intransigentes e fazer de nós gente que se morde e se entredevora, assim como o elogio da simplicidade e da pobreza acaricia o nosso eu. Por nós mesmos não podemos muito, mas entregamo-nos ao Espírito, que nos conduz. Por nós mesmos podemos pouco, mas tudo será possível naquele que nos fortalece.
Pôs a mão no arado, olhe para frente. Avance no seguimento de Jesus com grandes projetos, não individualizados e interesseiros, mas projetos com a dimensão do Reino em favor da vida do mundo. Não é para melhorar de vida que seguimos Jesus. É, para com ele, melhorar a vida de todos, para que esta desabroche naquela que dá frutos na eternidade. Não é para nos tornarmos poderosos que seguimos Jesus. É para podermos amar mais numa dolorosa experiência de amor fraterno. Os seguidores de Jesus não são anjos ou seres extraterrestres. São seres humanos com a natural inclinação para o mal, presente em todos nós, que se manifesta nos apóstolos Tiago e João pelo ímpeto de poder e se manifesta naquele que põe a mão no arado e olha para trás. Somos alunos que seguem o Mestre e estão sempre aprendendo. A caminhada é dura, por isso aprendemos a duras penas.


Leituras e Salmos (27 de junho a 2 de julho)
2ªf.: Am 2,6-10.13-16; Sl 49 (50); Mt 8,18-22.
3ªf.: Am 3,1-8; 4,11-12; Sl 5; Mt 8,23-27.
4ªf.: Am 5,14-15.21-24; Sl 49 (50); Mt 8,28-34.
5ªf.: Am 7,10-17, Sl 18 (19); Mt 9,1-8.
6ªf.: Am 8,4-6.9-12; Sl 118 (119); Mt 9,9-13.
Sáb.: Am 9,11-15; Sl 84 (85); Mt 9,14-17.




Fonte: FC ediçao 965-MAIO 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O Anjo Bom do Brasil
Irmã Dulce,a religiosa que conquistou o coração do povo brasileiro será canonizada.
Mesa da Palavra
13º. Domingo do Tempo Comum - Ano C • 30 de junho de 2019 - Solenidade de São Pedro e São Paulo
Mesa da Palavra
A fé cristã professada pela Igreja Católica é de tal forma complicada, que só pode ser verdadeira.
Mesa da Palavra
Solenidade de Pentecostes.Quando ele vier, conduzirá os discípulos à plena verdade.
Mesa da Palavra
A refeição e a pesca são dois acontecimentos unidos na mesma narrativa
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados