Liturgia da Palavra

Data de publicação: 22/12/2016


Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo
Ano A - 25 de dezembro de 2016

Vigília de Natal: Is 62,1-5; Sl 88 (89); At 13,16-17.22; Mt 1,1-25
Noite de Natal: Is 9,1-6; Sl 95 (96); Tt 2,11-14; Lc 2,1-14
Aurora do Natal: Is 62,11-12; Sl 96 (97); Tt 3,4-7; Lc 2,15-20
Dia de Natal: Is 52,7-10; Sl 97 (98); Hb 1,1-6; Jo 1,1-18

"Ela deu à luz a seu filho primogênito, envolveu-o em faixas e deitou-o numa manjedoura" (Lc 2,7)
                                          

Reflexão: Cônego Celso Pedro da Silva

Arte: Sergio Ricciuto Conte

    Anuncio a todos uma grande alegria: hoje, na cidade de Davi, nasceu para vocês um Salvador, que é o Cristo Senhor. Foi este o anúncio feito pelo anjo aos pastores. Alguém estava nascendo em Belém da Judeia. Nada de extraordinário. Muitas crianças nascem cada dia, também em Belém. Este que nasce é o nosso Salvador, mas salvadores também existem, dependendo das circunstâncias em que nos encontramos. Estamos nós precisando de salvação? Talvez sim, talvez não. Certamente não temos consciência clara do que necessitamos realmente! Em que sentido preciso eu de um Salvador? Este que nasce não é só Salvador. Ele é também Cristo e é Senhor. Cristo quer dizer ungido com óleo de escolhido para uma missão. E é Senhor. Senhor aqui não é uma expressão de respeito para com uma pessoa mais velha. É um título divino. Deus é o Senhor.
    O olhar horizontal vê uma família à procura de uma pousada na pequena aldeia de Belém, por ocasião do grande recenseamento ordenado pelo governo. A cidade estava cheia. Maria, e José aceitaram se acomodar em algum espaço reservado aos animais na entrada de uma estalagem, ou numa pequena gruta. Foi ali que se completaram os dias de Maria e ela deu à luz um menino e o colocou numa manjedoura, num cocho com capim onde comem os animais. Situação provisória até encontrarem um lugar melhor, alguma casa, onde pudessem ficar por mais tempo. E assim aconteceu. Participaram do recenseamento e voltaram para Nazaré, onde moravam.
    O olhar vertical, que neste caso é o olhar da fé, vê a realização do que se lê no livro do evangelista João: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus, e o Verbo se fez carne e habitou entre nós. Deus veio ser nosso vizinho. Desceu do céu e armou a sua tenda em nosso acampamento. Assumiu a condição humana, aceitou ser homem de carne e osso, identificando-se com o ser humano que ele mesmo tinha criado. Ele não apenas habita em nosso meio, mora em nossa cidade, mas ele é um como nós, em tudo semelhante a nós, exceto no pecado.
    O olhar humano de quem tem fé se extasia e se admira. Como é possível? Como pode Deus se encarnar? Ninguém que acreditasse em Deus podia aceitar a encarnação de Deus. Sobretudo em Israel, na profissão de fé de um Deus, um só e único, a adoração do Menino de Belém parecia um absurdo e uma idolatria. Até mesmo entre os que aceitaram o Menino como Salvador, mais tarde alguns terão dificuldade de ver nele o Deus encarnado. Uns dirão que é uma divindade um pouco abaixo do único e verdadeiro Deus. Outros, que o único e verdadeiro Deus se apresenta com roupagem diferente, ora como Pai, ora como Filho e ora como Espírito Santo. Todos têm razão, pois não é fácil acreditar que Deus tenha aceitado ser um como nós. Resta-nos a admiração se não temos a compreensão. Se não entendemos, contemplamos e saboreamos. Se não vemos, cremos, e crendo agradecemos.
    Hoje é um dia de alegria. Mesmo se não compreendemos o alcance do mistério, nós nos encantamos ao ver um menino recém-nascido. Ele é um encanto. E, ao pensar que ele é Deus e se fez igual a mim, tomo consciência da minha dignidade. Ao descer até nós, Deus nos elevou à sua altura fazendo-se pequeno, fazendo-se um Menino. Mais tarde saberemos por divina revelação que o nosso único Deus é Trino e que o Filho se encarnou.

Leituras e Salmos (26 a 31 de dezembro)

2ªf.: At 6,8-10; 7,54-59; Sl 30 (31); Mt 10,17-22.
3ªf.: 1Jo 1,1-4; Sl 96 (97); Jo 20,2-8.
4ªf.: 1Jo 1,5 – 2,2; Sl 123 (124); Mt 2,13-18.
5ªf.: 1Jo 2,3-11; Sl 95 (96); Lc 2,22-35.
6ªf.: Eclo 3,3-7.14-17ª; Sl 127 (128); Cl 3,12-21; Mt 2,13-15.19-23.
Sáb.: 1Jo 2,18-21; Sl 95 (96); Jo 1,1-18.




Fonte: FC ediçao 971-NOVEMBRO 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O Anjo Bom do Brasil
Irmã Dulce,a religiosa que conquistou o coração do povo brasileiro será canonizada.
Mesa da Palavra
13º. Domingo do Tempo Comum - Ano C • 30 de junho de 2019 - Solenidade de São Pedro e São Paulo
Mesa da Palavra
A fé cristã professada pela Igreja Católica é de tal forma complicada, que só pode ser verdadeira.
Mesa da Palavra
Solenidade de Pentecostes.Quando ele vier, conduzirá os discípulos à plena verdade.
Mesa da Palavra
A refeição e a pesca são dois acontecimentos unidos na mesma narrativa
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados