Começar de novo

Data de publicação: 01/03/2017

Por Maria Helena Brito Izzo

Quando casamos é porque encontramos alguém com quem dividir uma vida inteira.
 Às vezes, porém, algo acontece no caminho




Nem tudo é para sempre nesta vida. Humanos que somos, às vezes somos forçados, contra a vontade, a dar por terminado algo que julgávamos ter prazo indefinido. O que era para ser um se divide em dois. O que era para ser eterno se torna finito. E, antes que venhamos a morrer fisicamente, algo dentro de nós morre: o amor. Aí eu pergunto: viver um casamento sem amor é viver? Nem todos têm a sorte de viver um amor para toda a vida. Esses são privilegiados. Talvez, mesmo, bem-aventurados. Assim como também devem ser aqueles com a honestidade e a coragem de admitir que não vale a pena levar adiante uma união em que o amor, muitas vezes inexplicavelmente e sem culpa de ninguém, se desgastou. Alguns, talvez mais ligados às tradições do que à pureza dos sentimentos, prefiram arrastar à frente, sofregamente, um relacionamento morto, como que arrastando pela vida um cadáver invisível. Se essa é uma opção de vida voluntária, só resta respeitar. Não estou aqui para julgar ninguém.
Fato é que não conheço ninguém que se casou com a intenção de se separar – ao menos não os bem- intencionados. Quando casamos é porque estamos apaixonados, encontramos alguém companheiro, amigo, que nos atrai e nos faz bem. A ponto de propor dividir uma vida inteira com essa pessoa. Uma das muitas definições de amor pode ser essa disposição de dividir a vida com alguém, nos bons e nos maus momentos. O curioso, no entanto, é que às vezes vemos casais bem constituídos e com tudo para dar certo que, passado certo tempo – às vezes muito tempo, diga-se –, algo acontece. Não houve traição, a presença de uma terceira pessoa, imaturidade, leviandade, falha de caráter, decepções ou nada condenável. Mas de repente, ou talvez com o tempo e eles não perceberam, o desinteresse se infiltrou no relacionamento, a apatia ocupou o lugar do interesse sexual e a desatenção substituiu o cuidado. E quando ambos abriram os olhos: para onde foi o amor?

Obrigação de ser feliz – Certo que falo, aqui, daqueles casamentos que terminaram de forma civilizada e amigável, mas nem por isso deixam de doer devido à frustração e a uma sensação de fracasso. Não adianta dourar a pílula: todo fim é seguido por um pesar, um sentimento de luto, mesmo que não seja acompanhado por uma decepção e um desejo de vingança. Nesses momentos, o pior a fazer é guardar a dor. Já disse isso algumas vezes e cada vez mais me convenço de sua verdade. Nos momentos de tristeza, é fundamental gastar a dor. Chore, sofra, fale, quebre os pratos – não os caros, claro –, procure uma ajuda especializada, como uma terapeuta, para se libertar das emoções negativas. Nada disso é vergonhoso, mas válido para não se tornar uma pessoa amarga e depressiva. E chata, coisa que ninguém aguenta... Afinal, a história da sua vida não acabou. No máximo, findou um capítulo. No próximo, você continuará sendo protagonista. Pela frente, certamente, virão novas histórias escritas por uma pessoa mais experiente, vivida e vacinada contra alguns eventuais erros cometidos no passado. Quem sabe com alguém...
Ninguém recomeça uma vida do zero. Não se tiver uma família e amigos que o(a) coloquem para cima. Evite as pessoas pessimistas! Nesta vida, a gente tem obrigação de ser feliz. Ao menos tentar, desde que para tanto não desrespeite os outros. Talvez todo mundo esteja cansado de saber isso, mas sempre vale a pena lembrar: a vida é um constante recomeçar. A cada dia que nasce, Deus nos dá uma chance de reconstruir nossa existência. Se você tem certeza de que amanhã de manhã o dia nascerá – e quem não tem? – por que não ter certeza também que será possível recomeçar? Vá em frente, porque quem fica parado é poste.





Fonte: FC edição 948 - Dezembro 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Casas do povo
“É um projeto de valorização da cultura do Nordeste. Os mercados simbolizam bem nossos costumes”.
Lugares incomuns
“É preciso ser um bom hoster, ter hospitalidade, e receber as pessoas com um serviço de qualidade”.
Bandas de Pífanos
“Eu faço pife, toco pife, vendo pife, como o dinheiro do pife e depois de velho fico pifado”.
Paisagismos e plantas
No Brasil, há uma mistura de estilos.No início da colonização,tanto a arquitetura como o paisagismo.
Da terra, a esperança
produzam na esperança de maior reconhecimento e incentivos para continuar a produção.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados