Estações do Amor

Data de publicação: 15/03/2017


Por Cleusa e Alvício Thewes

Homens e mulheres corajosamente derrotam o desamor para vivenciar a arte de amar,
 alfabetizando-se na primeira e última lição nas estações da escola da vida




Rafael e Melissa − Cultivam mútua admiração, felizes e apaixonados.  Durante a semana, estudam e trabalham; nos fins de semana, namoram. Contornam a saudade diária trocando mensagens de encantos. O amor os inflama. Planejam um futuro juntos.

Laura e Júlio − Estão casados há 18 anos. O fogo da paixão, segundo Júlio, “abrandou”. Hoje, reinam cumplicidade, parceria, respeito e fidelidade, solidificados como rochas sobre a intimidade e o amor perenes.  Hoje ainda se encantam, não mais com o fogo da paixão, mas com os valores de cada um e com as flores nascidas e desabrochadas no ninho de amor e cumplicidade que foram capazes de construir e conservar, os filhos: Luana (16 anos), Juli (14) e Pedro (12), os quais dão um colorido todo especial na primavera do casal.

Luci (69 anos) e Dino (70)
− Eles viveram uma intensa paixão adolescente e só não se casaram porque os pais de Luci proibiram o namoro. Os anos se passaram, e suas vidas seguiram rumos diferentes. Ambos se casaram e constituíram família. Há algum tempo, no entanto, sé enviuvaram, e o destino quis que se reencontrassem. Dino e Luci nunca se esqueceram. Seu amor sobreviveu aos anos porque, segundo admitem, tinham guardado, num cantinho do coração, uma saudade secreta e nostálgica da paixão vivida e do amor proibido. Mas agora, finalmente, no outonal reencontro, depois de separados por meio século, dão continuidade ao amor adolescente proibido, felizes.

Fonte amorosa
− A humanidade tem seu princípio na infinita fonte do amor. Deus criou e mantém o amor. E quando sua criatura passa por crises existenciais, desacreditando e banalizando o amor, Deus a reconduz ao verdadeiro peregrinar humano e abriga-a na fonte do amor, onde a fortalece, equilibra, restabelecendo-lhe a interioridade e a inteireza em suas várias dimensões: somática, do corpo; psíquica, das emoções; anímica, da alma; e noética, da consciência. Na ausência do amor, o ser humano emerge solitário na secura nostálgica em busca  do princípio, do amor divino,  fonte que  irriga a vida e inspira amores entre os humanos, sob as estrelas do céu.

Estações do amor
− A metáfora das estações serve para delimitar a intensidade, o florescimento, as podas e o esfriamento das emoções, felizes ou tristes, na busca deste sentimento tão nobre e tão imprescindível à vida. As estações estão presentes no tempo do relacionamento, acompanham a idade e sinalizam ciclos de imaturidade/maturidade no aprendizado da vida e do amor.

Amor no verão − É intenso. Caracteriza o encantamento, a paixão, o fogo interior. O amor de verão queima tanto que cega e derrete os defeitos da amada ou do amado. Nessa fase da vida, a felicidade, a tristeza, a impulsividade, o ciúme, a possessividade alteram-se constantemente, correndo-se o risco de torrar a própria identidade na queima sacrificada da individualidade. No verão, opiniões e ideias quentes são armas de combate, que tornam o dono da razão vitorioso e orgulhoso.  Desabafa a esposa frustrada: “Ele já me desrespeitava durante o namoro. Como pude aceitar e não enxergar que seria sempre assim?”.

Amor na primavera − O casal vive um desabrochar. Colhe a cumplicidade e a parceria dos projetos semeados. Filhos brotam de um amor fecundo. O afeto transmite segurança. Na primavera do amor, surge o desafio do convívio nas diferenças. O casal enxerga-se nos defeitos e limites e equilibra as forças do combate.

Amor no outono − Poda a necessidade do combate. Apara as folhas da agressividade. Permanece o que robustece a árvore do amor conjugal: o amor enxertado, cuidadoso, respeitoso, confiante. O sol do verão da vida aquece a intimidade. A primavera presente são as flores de risos e brincadeiras. O perfume da primavera da vida é o companheirismo, o reconhecimento das necessidades mútuas, excluídas de cobranças. O amor entra na fase do jardim.

E o inverno do amor? − Carregado de cabelos brancos como neve, traz o frio distanciamento das limitações físicas e o aconchego na lareira do coração. A característica do inverno da vida é o recolhimento, a meditação. No inverno do amor, os casais fazem o balanço da união.  Nessa fase da vida, os amores se restabelecem das crises, das queimaduras, das podas, maturando e aceitando as escolhas que brotaram no verão, floresceram na primavera e hão de se apagar no inverno. O relacionamento invernal deve privilegiar e conduzir ao aconchego, ao fogo interno da lareira familiar, ou seja, à lareira dos corações. É fácil amar? É simples ser amado? Deixo essas indagações aos homens e às mulheres que corajosamente derrotam o desamor para vivenciar a arte de amar, alfabetizando-se no amor, a primeira e última lição na escola da vida.
Mãe do Amor, assim seja. Amém!




Fonte: FC edição 942 - Junho 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sementes do amanhã
A pureza de uma semente crioula deve ser rigorosa para evitar qualquer tipo de contaminação.
Mulheres aprisionadas
Quem tivesse uma Bíblia dentro do campo seria castigada ou mesmo assassinada por enforcamento.
Irmão dos anjos
“O espaço do espírito, o meio onde posso abrir as asas, é o silêncio”(Um sentido para a vida, p.85).
O outro na margem do rio
"Um morador ribeirinho não tem como se deslocar se não possuir um barquinho”.
Viola, nossa viola
Antes utilizada na catequese indígena, hoje a viola caipira une arte, fé e tradição do sertanejo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados