A Hora e a vez da Berinjela

Data de publicação: 10/04/2017

Por Silvia Torreglossa


A berinjela faz parte do cardápio dos brasileiros e tem várias propriedades nutricionais que incentivam cada vez mais o seu consumo


Hoje tem berinjela? Tem sim senhor! Este vegetal da família botânica das solanáceas, fruto da planta cientificamente chamada Solanum melongena, é tão comum na alimentação dos brasileiros que muita gente atribui à cor roxa ao nome do fruto, embora a berinjela também possa ser encontrada, em menor proporção, com a casca nas cores branca ou vermelha escura.
O fruto é originário da Índia e pertence à família do pimentão, a princípio ficou conhecida como planta ornamental e há mais de 2.500 anos que é consumida. Da Índia foi para a China, existe um tratado chinês de cerca de 500 a.C. que menciona o uso do alimento. Chegou à Europa no século XIII trazido pelos árabes.
Mas, será que este alimento foi sempre tão apreciado assim? Não, ao ser introduzido no Ocidente não tinha uma boa fama, tanto é que em italiano chama-se melanzane que significa “maçã não saudável”, existe até uma lenda italiana antiga que dizia que ao comer berinjela a pessoa poderia ficar louca.
Do babaganuche árabe à moussaka grega, passando pelo ratatouille francês e a caponata italiana, receitas a base de berinjela são conhecidas e apreciadas no mundo todo.
No Brasil, esta iguaria chegou trazida pelos portugueses no século XVI e, no final do século XX ganhou a chancela de planta que cura.

Características nutricionais – Rica em proteínas, nas vitaminas A, B1, B2, B6, niacina e C, minerais como, por exemplo, potássio, fósforo, magnésio, ferro, zinco e cálcio e alcaloides, que auxiliam na diminuição da pressão sanguínea. É nutritiva, digestiva e laxante, indicada em casos de desnutrição, indigestão e prisão de ventre.
A nutricionista Jacqueline Moniz Anversa, membro da equipe Hevoise F Papini Nutrição e Educação, diz que esta solanácea é tão associada às dietas de emagrecimento porque contém alto teor de fibras, “que prolonga a sensação de saciedade e mantém a glicemia (nível de açúcar no sangue) mais estável, evitando picos”.
Ela diz ainda que o consumo regular deste alimento está associado à diminuição dos níveis elevados de colesterol e triglicerídeos, “devido a uma substância presente na casca da berinjela, chamada antocianina, que confere sua cor característica”. A antocianina também é encontrada em uvas roxas, amoras, jabuticabas, casca de batata doce, cebola roxa, repolho roxo, vinho. Dessa forma, a berinjela contribui para a prevenção de doenças cardiovasculares, além de possuir efeitos diurético, anti-inflamatório e antioxidante, diminuindo a incidência de doenças degenerativas e cataratas no globo ocular de indivíduos diabéticos.
A nutricionista explica que os estudos conclusivos sobre os efeitos do alimento foram realizados em animais e indicaram significativa redução do colesterol total ou do LDL, “porém, em humanos, os benefícios ainda não foram comprovados”, diz.

De olho na berinjela – As melhores são as de estrutura firme e casca escura e brilhante, as opacas e amolecidas já estão perderam um pouco as propriedades nutricionais e podem não ser tão saborosas. Deve ser guardada inteira em local fresco, se for em geladeira deve estar em saco plástico com alguns furos, isso evita que a solanácea fique enrugada.
Jacqueline adverte que não se deve consumir berinjela crua, pois contém solanina, que é uma substância que pode acarretar problemas gastrointestinais, como diarreia, vômitos e desconforto gástrico. “A recomendação é consumir o alimento com a casca, cozido, assado ou aferventado”, explica.
No preparo, para evitar que escureça, o ideal é cortar o fruto com faca inoxidável e deixar de molho em água e vinagre até o momento de usá-lo na receita. Mesmo com o cozimento, lembra a nutricionista, a berinjela perde uma porcentagem de suas vitaminas e minerais. “Cozinhar em altas temperaturas pode causar a perda de até 50% da vitamina C e 25% da B, o preparo em micro-ondas faz com que as antocianinas percam suas propriedades”, adverte. Por isso, deve-se evitar fritar, pois aumenta cerca de 200 calorias, já que a berinjela absorve muita gordura.
Consumir berinjela dentro de uma rotina saudável é benéfico para a saúde, além de ser saborosa contém apenas 19 calorias em 100 gramas.




Fonte: FC edição 939 - Março 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Celebrando o Crisma
A celebração do Sacramento do Crisma decorre de um processo formativo e, quanto melhor vivido, mais poderá tornar-se um ponto de partida para a vivência da fé
Início Anterior 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados