Liturgia da Palavra

Data de publicação: 26/06/2017

13º Domingo do Tempo Comum
S. Pedro e S. Paulo, Apóstolos
Ano A – 2 de julho de 2017

At 12,1-11 - O anjo acordou Pedro e lhe disse: “Levanta-te, depressa”
Sl 33 (34) – Busquei o Senhor e ele respondeu-me
2Tm 4,6-8.17-18 – Combati o bom combate, guardei a fé
Mt 16, 13-19 – “Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja”

    “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu.” Jesus estava conversando com os seus discípulos. Perguntou a eles primeiro o que diziam as pessoas a seu respeito. O que pensavam dele. E depois perguntou o que os discípulos pensavam de Jesus. Quem era Jesus para eles. Ouviu-se então a resposta de Simão Pedro: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Talvez Pedro pensasse apenas como um piedoso judeu do seu tempo. Certamente o alcance da sua visão sobre Jesus ainda não chegava ao Verbo de Deus encarnado, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. Mas a afirmação básica estava lá. Pedro disse tudo o que podia dizer naquele momento: Jesus é aquele que nós esperamos e que vem da parte de Deus, Filho de Deus, por Deus enviado para uma missão. Mais tarde diremos com o evangelista São João: “Filho unigênito de Deus”. Agora, com Pedro, afirmamos que o Messias é Jesus, e não outro.
    Estaria Pedro enganado em sua afirmação? Estaria repetindo qualquer coisa que ouviu dizer? Foi seu entusiasmo bem conhecido pela pessoa de Jesus que o levou a se adiantar aos outros e dizer com segurança: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”? O próprio Jesus nos dá a resposta a essas perguntas: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu”. Quem diz isso é o próprio Jesus. Pedro não está emitindo uma opinião pessoal sobre a pessoa de Jesus. Ele está repetindo o que Deus lhe revelou. Pedro é aquele que diz com segurança quem é Jesus e o diz por inspiração divina. Isso basta para a missão de Pedro no meio de todos os seguidores de Jesus e no meio do mundo. Ele diz quem é Jesus, e quem o ouve e segue não corre o risco de errar, porque foi o Pai que está no céu quem lhe revelou quem é Jesus.
    Pedro morreu e hoje comemoramos o seu martírio juntamente com o do apóstolo São Paulo. E agora, quem nos dirá com segurança quem é Jesus? Nós, católicos, dizemos que a missão de Pedro não podia durar somente enquanto ele estava vivo. Os irmãos e as irmãs das novas gerações também precisavam ser confirmados em sua fé. Os seguidores de Jesus continuam necessitando de alguém que lhes mostre com segurança quem é Jesus, para não se transviarem. As opiniões se multiplicam e cada um diz o que melhor lhe parece e, muitas vezes, o que mais lhe convém. As Sagradas Escrituras vão sofrer interpretações as mais diversificadas, cada uma achando-se a única verdadeira. A Igreja de Jesus precisa de alguém, iluminado pelo Espírito Santo, que lhe diga sempre de novo quem é Jesus.
    Pedro morreu e os que o sucederam continuaram a sua missão de guia do povo de Deus. Com segurança, a segurança da revelação dada a eles pelo Pai, eles nos indicam o caminho certo. Eles nos expõem as verdades nas quais temos de acreditar e o comportamento moral que devemos ter em nossos relacionamentos. É neste sentido que afirmamos que o Papa é o sucessor de Pedro e goza do dom da infalibilidade nas questões de fé e de moral. Os sucessores de Pedro desenvolveram a primeira afirmação feita pelo apóstolo sobre Jesus e assim, com as convicções de fé de toda a Igreja, formou-se um corpo de doutrina sobre a pessoa de Jesus e seus ensinamentos.

Leituras e Salmos (3 a 8 de julho)
2ªf.: Ef 2,19-22; Sl 116 (117); Jo 20,24-29.
3ªf.: Gn 19,15-29; Sl 25 (26); Mt 8,23-27.
4ªf.: Gn 21,5.8-20; Sl 33 (34); Mt 8,28-34.
5ªf.: Gn 22,1-19; Sl 114 (115); Mt 9,1-8.
6ªf.: Gn 23,1-4.19; 24,1-8.62-67; Sl 105 (106); Mt 9,9-13.
Sáb.: Gn 27,1-5.15-29; Sl 134 (135); Mt 9,14-17.


Reflexão: Cônego Celso Pedro da Silva, sacerdote e professor de Sagrada Escritura.
Arte: Rebeca Souza Venturini
Indicações bíblicas:
Bíblia Sagrada – Tradução da CNBB – 2ª edição




Fonte: FC edição 978 - Junho 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O sentido pascal da vida
A dinâmica pascal da vida faz parte fundamental de nossa proclamação da fé cristã.
Sacramento da penitência
Tudo começa pela consciência que os cristãos tinham de terem sido salvos e reconciliados.
Liturgia da Palavra
19 de novembro de 2017 - 33º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia
Liturgia da Palavra
12 de novembro de 2017 - 32º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia
Liturgia da Palavra
05 de novembro de 2017 - 31º Domingo do Tempo Comum. Solenidade de Todos os Santos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados