Eaí? Tchê

Data de publicação: 11/09/2017

Por João Francisco Bóllico


Um serviço de evangelização da juventude gaúcha que se expressa na vivência de fé e na beleza missionária


O Eaí? Tchê, serviço de evangelização da juventude católica do Rio Grande do Sul ou do Regional Sul 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), surgiu com o objetivo de ser o ponto de encontro da juventude católica gaúcha e uma forma de expressar sua riqueza, diversidade e beleza. A ação despontou em 2012 a partir do Projeto Bote Fé, um conjunto de ações criado em torno da visita da Cruz Peregrina e do Ícone de Nossa Senhora, símbolos oficiais da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), ocorrida em 2013 na cidade do Rio de Janeiro (RJ), à Diocese de Santa Maria. Hoje o serviço está presente em quatro municípios – Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre e Santa Maria –, onde reúne 18 dioceses e mais de 720 paróquias.
A primeira experiência do Eaí? Tchê foi proporcionar uma vivência na diversidade a jovens missionários gaúchos no Paraguai, após a iniciativa aceitar a proposta de missão sugerida pelo papa Bento XVI, presente à JMJ – “Ide, sem medo, para servir sendo porta-voz de Jesus Cristo”. A parceria entre as Pontifícias Obras Missionárias (POM) do Paraguai e do Brasil foi fundamental para estruturar uma proposta de trabalho, diálogo e anúncio de comunhão eclesial diante das exigências da evangelização. A partir desta experiência, a evangelização católica gaúcha despertou ainda mais a fé dos jovens, adotando a sigla #EmMissão como marco que tem impulsionado conquistas que envolvem a juventude em sua pluralidade de carismas, movimentos e serviços.

Realidades – Segundo o bispo da Diocese de Cruz Alta (RS) e referencial para a evangelização da juventude católica gaúcha, dom Hélio Adelar Rubert, os jovens podem encontrar através do Eaí? Tchê um instrumento para facilitar a caminhada de suas idealizações. “Afinal, a juventude não se acomoda, jamais fica parada e está sempre em contínuo trabalho. Sua missão também pede a totalidade da vida: inteligência, coração, energia, tempo e o contágio com a alegria de quem encontrou o Senhor e quer comunicá-lo, mas sem querer convencer ou converter o outro. É preciso ter a consciência de que o Espírito Santo age e faz produzir os seus frutos”, afirma.
Para apresentar melhores resultados, o Eaí? Tchê adotou uma metodologia que apresenta o Deus vivo a todos os jovens multiplicadores da evangelização e que, a partir do conteúdo recebido em encontros, o disseminam em dioceses e paróquias. No ano passado, o trabalho de multiplicação de líderes se deu por meio do Curso de Dinâmicas para Líderes (CDL). Este propõe partilhar as maneiras adequadas de atuação dentro de um grupo de jovens, visando a obter processos concretos de evangelizar e a formar uma corrente que fortaleça a evangelização da juventude.
Em 2015, o esforço continua sendo realizado por meio de dinâmicas que ampliam os olhares dos participantes para um mundo com mais conversões. Dentro de temáticas de formação de lideranças, 48 líderes de dioceses e paróquias participaram da Semana Missionária Gaúcha, que aconteceu de 20 a 26 de julho, em Porto Alegre. Nela, os jovens estiveram presentes em realidades de miséria, pobreza, vulnerabilidade social, esfera carcerária e falta de consciência da dignidade humana.

Comunicadores – O trabalho dos jovens é dividido em áreas de atuação e identificação. Os articuladores agem na realização de encontros, formações e eventos em geral, dentro do serviço regional, diocesano, paroquial e comunitário, sendo protagonistas da logística e assessoria de eventos. Já os assessores trabalham na prestação de apoio dentro da organização diocesana que visa a passar informações e diretrizes aos articuladores e comunicadores para os próximos trabalhos a serem desenvolvidos. Cada diocese nomeia dentro do Setor Juventude, o núcleo diocesano de representação jovem de pastorais e movimentos, pessoas que acompanham o serviço de evangelização para serem comunicadores, articuladores e assessores que serão as pontes com o serviço Eai? Tchê em todos os cantos do Rio Grande do Sul.
Os comunicadores podem ser jovens graduados ou não nas áreas de Comunicação e que atuem na partilha dos acontecimentos da juventude nas regiões do estado, por meio do portal eaitche.com, canal no YouTube e também a fanpage no Facebook, na qual todos os comunicadores mantêm conteúdos organizados pela CNBB e a equipe do Eaí? Tchê.

boxe
Preparando a JMJ 2016
A juventude do Rio Grande do Sul prepara-se para participar da segunda edição do Bote Fé. O evento acontecerá na capital gaúcha em 31 de outubro, com missa e apresentação de teatro no Prédio 40 da Pontifícia Universidade Católica (PUC), e prosseguirá em 1º de novembro com um show musical no Anfiteatro Pôr do Sol, na orla do Lago Guaíba. Além de reviver a alegria da primeira edição do Bote Fé no estado, realizado no município de Santa Maria (RS), em 2012, e que precedeu a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) do Rio de Janeiro (RJ), em 2013, a intenção do evento deste ano é motivar a participação brasileira na JMJ de 2016, que acontecerá na cidade de Cracóvia (Polônia).
A acolhida dos 20 mil participantes esperados envolverá todas as paróquias, pastorais e serviços da Arquidiocese de Porto Alegre, a anfitriã do evento. As comunidades católicas da cidade também foram convidadas a exercer a hospitalidade evangélica. Em função disso, o Setor Juventude disponibilizou o site www.arquipoa.com/juventude para cadastrar as famílias voluntárias. “O envolvimento deverá ser intenso para garantir nosso compromisso”, afirma Sebastian Rei Gomes, comunicador do Setor Juventude.
Para a coordenadora do Serviço de Evangelização da CNBB do Regional Sul 3, irmã Zenilde Fontes, o Bote Fé é um acontecimento que desencadeia novas ações e celebra as já realizadas, formando um ciclo de trabalho. “Ele pode ser a porta de entrada para muitos jovens que não seguiram o processo, mas com fé desejam participar e celebrar”, afirma.




Fonte: FC edição 958- outubro 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Por que não, à redução
Adolescentes de 16 a 18 anos são responsáveis por 0,9% do total de crimes.
Jovens em missão
“Deus sabe o tempo e a hora para cada coisa. Somos todos os dias chamados à missão.
como nossos pais
“É importante dialogar com os filhos para que determinados valores sejam mantidos".
É hora de voar?
Quando o clima familiar é bom, o jovem prefere continuar morando os pais por muito mais tempo.
Perseguição pela fé
O caso de Paulo, um jovem nigeriano perseguido por ser cristão...
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados