Paisagismos e plantas

Data de publicação: 20/09/2017

Por Assucena Tupiassú *



O uso de plantas medicinais no paisagismo brasileiro e como cultivar e usar na cozinha o funcho

No Brasil, há uma mistura de estilos. No início da colonização, tanto a arquitetura como o paisagismo seguiam estilos europeus (francês, inglês, italiano). Já na segunda metade do século passado, aparece o estilo americano.
Normalmente, o gosto pelas plantas medicinais esteve presente nos jardins, tendo sido um dos principais objetivos da criação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Queria-se aclimatar as plantas que eram utilizadas para fazer chá. O estilo brasileiro talvez possa ser caracterizado pelos jardins criados pelo grande paisagista Roberto Burle Marx.
E as plantas medicinais são encontradas, geralmentes em jardins feitos no modelo da produção de hortaliças, ou seja, retângulos elevados a 20 centímetros do solo. Porém, há de se questionar por que não fazer um jardim bonito aproveitando a beleza das plantas no paisagismo, que é uma expressão artística. Que tal belíssimos jardins orgânicos, onde a cada curva se pode colocar um elemento especial para presentear os olhos, para se apreciar cada cantinho. Muitas pessoas optam pela utilização de mandala, fazendo a distribuição das ervas medicinais em forma espiralada ou redonda. O plantio em vasos e, na falta de espaço, os jardins verticais, plantados em garrafas PET ou em tubos de PVC, são opções interessantes. O uso dos telhados verdes com medicinais também é uma boa alternativa, pois se pode aproveitar o fato de que várias plantas desse grupo necessitam de muito sol.
Enfim, pode-se fazer um jardim com uso das plantas medicinais em qualquer estilo, porém é necessário dar prioridade às seguintes questões:
1. Quais plantas medicinais serão utilizadas, por gosto ou necessidade – Não adianta plantar determinada espécie, se ela não tiver uso.
2. Quais são as características do ambiente – Quantidade de sol diária; presença de ventos fortes; disponibilidade de água; espaço para a planta se desenvolver, não só a parte aérea, mas as raízes também; clima; declividade; tipo de solo; umidade do ar etc.
3. Qual é a sua relação com as plantas – Gosta de cuidar de plantas? Tem tempo para cuidar do jardim? Que valor será destinado à implantação? É possível contratar um jardineiro com regularidade?
4. Qual é o estilo da casa? E a cor das paredes visíveis do jardim? Há declividade e pode-se utilizá-la como recurso da paisagem? É necessário chamar a atenção ou esconder algum ponto no entorno?
5. De que tamanho ficam essas plantas – As medicinais em geral são plantas de crescimento intenso e, para composição, é importante determinar o espaço que cada espécie irá tomar.
Quando se fala em paisagismo – ou no uso de plantas medicinais em paisagismo –, não se deve esperar por uma regra, pois ela não existe. Paisagismo é obra de arte, e como tal depende do artista. Talvez seja a arte mais complexa, pois mal acaba de ser concluída e já começa a se modificar, e assim segue por toda a sua vida: é uma folha que cai, uma flor que se abre, um galho novo que nasce.
É preciso pensar em como esse jardim estará daqui a 10, 20 ou 50 anos, como as plantas se desenvolverão, e nunca esquecer que é preciso fazer a manutenção. Qualquer obra de paisagismo começa por um bom planejamento (pesquisa de tudo que se refere ao jardim). Com esses dados, faz-se o projeto e só depois sua implantação. Logo em seguida começa o planejamento para a manutenção, que não para nunca.
A falta de espaço, principalmente em grandes cidades, leva a ativar a criatividade para que os menores ambientes fiquem bonitos e bem utilizados. Para se alcançar esse objetivo não há regras, mas sim algumas questões que devem ser observadas. Desde pequena a pessoa é acostumada a ler e escrever da esquerda para a direita. Ao se olhar um jardim, isto também acontece, a leitura é feita da esquerda para a direita e completando um círculo. Quando se coloca elementos pesados em algum ponto específico do jardim, é certo que os olhares se fixem naquele ponto. Então, cuidado para não fazer essas paradas indiscriminadamente. O jardim muitas vezes fica sem sintonia ou ritmo e se torna pesado. Como o som de uma música, o jardim deve fluir.
O que diferencia as plantas são os elementos mais pesados ou diferentes, por exemplo:
• As cores das plantas, não só das flores, mas também das folhas ou tronco – Plantas que produzem cores amarelas, vermelhas e alaranjadas, cores quentes, chamam mais atenção.
• Tamanho das plantas – Para que se tenha uma visão total do jardim, utiliza-se as plantas maiores atrás e as menores na frente, embora se possa distribuir irregularmente e usar uma planta alta perto de várias pequenas, pois assim esta será diferente e chamará muito mais atenção que as outras.
• As texturas variadas também têm um peso a mais, chamando atenção. Enfim, tudo que se implanta em um jardim tem um peso e de alguma forma chamará atenção. E isso fará com que os olhos parem naquele ponto. Mas o que se deve considerar com mais cuidado na distribuição são as necessidades das plantas, ou seja:
Distribuição por necessidade de luz: quantas horas a planta precisa de sol por dia?
Que tipo de solo é mais apropriado para seu bom desenvolvimento?
Qual a quantidade de água necessária?
Tipo de adubação ou nutriente mais requisitado. Não esquecer que as plantas medicinais são utilizadas para consumo e, quanto mais se emprega adubação orgânica, melhor.


* Conteúdo cedido gentilmente pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SP).

Funcho – Foeniculum vulgare Mill.
Erva aromática nativa da Europa, das regiões próximas ao Mediterrâneo, e cultivada em todo o Brasil. Atinge de 40 a 90 centímetros de altura, possui folhas pinadas com folíolos reduzidos a filamentos e flores pequenas, amarelas, reunidas em umbelas.
Família botânica: Apiaceae (Umbelliferae)
Nomes populares: erva-doce, funcho-doce, erva-doce-de-cabeça, finochio, erva-doce-brasileira, falsa erva-doce, falso-anis, fiolho-de-florena, fiolho-doce, funcho-bastardo, funcho-comum, funcho-vulgar, funcho-italiano, pinochio etc.
Partes usadas: frutos e ocasionalmente a base do pecíolo da folha fresca.
Principais componentes químicos: óleo essencial (anetol), ácidos, cumarinas, flavonoides e esteroides.
Uso e propriedades: infusão dos frutos secos: digestivo, estomáquico, carminativo, antiespasmódico suave (para cólicas infantis), expectorante e também estimulante da lactação. Culinária (raiz aperitiva): salada da base do pecíolo das folhas (aromático, digestivo e carminativo); frutos como condimento e aromatizante de alimentos. Óleo essencial dos frutos: sabor e odor a medicamentos, licores e guloseimas. O óleo essencial tem efeito estimulante (para massagens).
Precauções, toxicidade e contra indicação: o modelo experimental utilizado nas pesquisas do Programa de Pesquisas de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos (PPPM-Ceme) detectou toxicidade e não verificou ação sedativa, hipnótica, ansiolítica, anticonvulsivante e/ou neuroléptica.

O cultivo
As sementes podem ser plantadas diretamente no local definitivo da horta ou em sementeiras e transplantadas quando têm de 10 a 15 centímetros de altura. Ao escolher o local de plantio, levar em conta que a planta é perene e costuma sobreviver por vários anos, podendo atingir até 2 metros de altura.
Por outro lado, é melhor que as sementes do funcho-de-florença ou da erva-doce-de-cabeça (Foeniculum vulgare Grupo Azoricum) sejam plantadas diretamente no local definitivo, pois esse grupo de cultivares não suporta bem o transplante. Se plantada em sementeiras, faça o transplante com a planta bem jovem, quando as mudas têm no máximo quatro folhas. O espaçamento recomendado para o funcho-de-florença é de 25 a 30 centímetros entre as plantas.
O plantio em vasos e jardineiras não é recomendado, pois o funcho tem um sistema radicular que atinge uma grande profundidade, mas ainda assim é possível cultivá-lo em vasos grandes, com pelo menos 30 centímetros de profundidade. Não cultivar próximo a aneto ou endro (Anethum graveolens), pois essas espécies intercruzam, e as plantas resultantes desse cruzamento normalmente não são consideradas satisfatórias em termos de produtividade ou de sabor e aroma.

Na cozinha
Funcho assado
Ingredientes
3 cabeças grandes de funcho (erva-doce)
2 dentes de alho, fatiados finamente
1 colher (sopa) cheia de manteiga
2 colheres (sopa) de azeite extra-virgem
2 taças de vinho branco seco ou vermute
Sal, a gosto
Pimenta-do-reino moída na hora, a gosto
Papel-manteiga previamente amolecido com água fria (pode esmagá-lo sob a água)

Modo de preparar    
Retire as folhas do funcho, corte a cabeça em quatro partes, no sentido longitudinal. Disponha os pedaços em uma assadeira de vidro. Despeje o alho, a manteiga em pedacinhos e o vinho por cima de tudo. Salpique sal e pimenta-do-reino. Cubra o funcho com o papel-manteiga, cuidando para colocar as pontas para dentro da assadeira. Isso vai assar e cozinhar o funcho no vapor ao mesmo tempo. Leve ao forno pré-aquecido por 20 minutos, à temperatura de 220 graus. Polvilhe com as folhas de funcho antes de servir. Acompanhe esse prato com pão ciabata quentinho e crocante.




Fonte: FC edição 968- agosto 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Filhos da briga
Tensões e frustrações são naturais no convívio familiar mas devem ser reduzidas
Mamãe, o que é sexo?
Os pais costumam se surpreender quando as crianças perguntam sobre sexo, melhor buscar informações
Lei da Palmada
Lei da Palmada serve como reforço no alerta à necessidade de cuidados com as crianças.
O afeto na era digital
Na era digital não esquecer de estimular o olhar, o sentir, o abraço...
Fé em Deus, fé na vida!
Educar os filhos rotineiramente no caminho da fé e acreditar que as coisas podem dar certo
Início Anterior 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados