Dai-nos a bênção!

Data de publicação: 17/10/2017



Ainda hoje há quem peça a bênção aos pais, aos tios e aos avós, mas há quem diga que se trata um costume ultrapassado.
Alegra-me que ainda encontre, entre os jovens de fé, aquele que, ao sair de casa, beija e abraça sua mãe e seu pai e pede a bênção




“Dai-nos a bênção, ó Mãe querida, Nossa Senhora Aparecida!” – são trechos de um dos cânticos mais cantados neste mês de outubro. Milhares de católicos se dirigem ao Santuário Nacional de Aparecida, ou às igrejas e capelas próximas, para novenas e tríduos em honra à Padroeira do Brasil. Todos pedem a bênção da Mãe. Eis aí um pedido certeiro e necessário: a bênção.
Desde o Primeiro Testamento, vemos o Senhor ensinando a Moisés: “Dize a Aarão e a seus filhos – Eis como abençoareis os filhos de Israel: ‘O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor te mostre a sua face e conceda-te sua graça! O Senhor volva o seu rosto para ti e te dê a paz’. E assim invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei” (Nm 6,23-27). O próprio Deus ensina Moisés a pedir a bênção e a abençoar.
Ainda hoje há quem peça a bênção aos pais, aos tios e aos avós, mas há quem diga que se trata de um costume ultrapassado. Alegra-me que ainda encontre, entre os jovens de fé, aquele que, ao sair de casa, beija e abraça sua mãe e seu pai e pede a bênção. Longe de ser um gesto ultrapassado, é um gesto de amor, e um sinal de obediência ao Senhor da bênção, que nos pediu que abençoasse!
“Tenho vergonha de pedir a bênção, padre!” – vai me dizer alguém, “Nunca disse isso ao meu filho, e fico sem jeito!” – vai dizer outro. Tanta coisa pra sentir vergonha, e vamos nos constranger logo com algo tão sagrado e belo? E, além do mais, precisamos de bênção! Abençoar e receber a bênção é um gesto tão simples, e, ao mesmo tempo, tão cheio de significado e força, que não pode ser um privilégio de uma geração ultrapassada, mas deve ser uma graça mantida e fortalecida para a geração presente e futura.

Sua bênção − Peça a bênção a Deus! Deseje a bênção de Nossa Senhora Aparecida! Mas peçamos também a bênção aos nossos pais! Eles, que tiveram a graça de gerar, têm, com certeza, o dom de abençoar aqueles que geraram. Eles são nossos primeiros intercessores. Pedir a bênção não é questão de educação antiga, mas de necessidade atual; é uma atitude de respeito, bonita de se ver, e claro, longe de ser apenas um símbolo, é um caminho real da graça de Deus para aquele que crê!
Eu, como sacerdote, ao encontrar meu pai, ainda digo: “Sua bênção, pai, e Deus te abençoe!”. Minha primeira bênção sacerdotal foi dada especialmente à minha mãe e ao meu pai, nada mais coerente com nossa fé católica, que vê na Sagrada família, o modelo mais perfeito! Continuo pedindo a bênção de minha mãe, que já recebeu a bênção eterna do céu, e sei que de lá, com Nossa Senhora Aparecida, ela me responde com o carinho de sempre: “Deus te abençoe, meu filho!”.


Por Reginaldo Carreira

  




Fonte: FC edição 945- outubro 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liturgia da Palavra
23 de setembro de 2018 - 25º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
Somos chamados a ser santos
O neognosticismo foca toda a vida no que pode levar a uma “fé fechada no subjetivismo”
Mimos para a mamãe
Pequenos mimos, como gestos de eterna gratidão.
Você tem medo?
Do que você tem medo? De ladrão, de barata, de sapo? Do futuro, de perder quem ama, da solidão?
O que desejam as pessoas
Em se tratando de assistência e cuidados, o que você considera mais importante no final da sua vida?
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados