Força na leguminosa

Data de publicação: 03/11/2017

Por César Vicente


Em países ricos ou pobres, o amendoim ajuda a combater a fome e está a serviço da segurança alimentar

Relegada a um segundo plano no Brasil após a expansão das fronteiras agrícolas da soja, nos anos 1970, a cultura do amendoim ensaia uma recuperação que, embora ainda não a recoloque no mesmo patamar de 40 anos atrás, quando o País produzia 1 milhão de toneladas ao ano da oleaginosa, pode levá-la a uma posição competitiva. Isso porque produtores paulistas de cana-de-açúcar descobriram que cultivar esse grão da mesma família do feijão e da ervilha em sistema de rotação ou na entressafra da cana é um bom negócio: recupera o solo por favorecer nele a fixação do nitrogênio – nutriente responsável pelo crescimento das plantas –, não deixa a terra ociosa e aumenta sua rentabilidade. Resultado: São Paulo, maior produtor de cana-de-açúcar do País, já detém 80% da produção nacional de amendoim e deverá colher uma safra recorde de 376 mil toneladas do produto ao fim da temporada 2014/15. O restante da produção nacional espalha-se por Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Bahia e pequenas lavouras familiares de outros estados.
Na medida em que novos produtores de cana adiram ao amendoim, a produção nacional deve ir além do 11º lugar no ranking mundial. Esse potencial já despertou o interesse de tradings, empresas exportadoras como a francesa Louis Dreyfus Commodities (LDC), uma das maiores processadoras de grãos do mundo e que recentemente anunciou sua entrada no Brasil para comercializar o óleo e o farelo do produto. A expectativa da empresa é ver o País seguir os passos da Argentina, maior produtora da América Latina, e um dia encostar na Nigéria, Índia, Estados Unidos e até a China, maior produtora da oleaginosa do mundo e que produz até 15 milhões de toneladas ao ano do grão. China e Estados Unidos, aliás, destacam-se também como grandes consumidores. A primeira absorve 95% da sua produção, e o segundo tem na manteiga de amendoim, consumida diariamente em sanduíches, uma mania nacional por se tratar de uma rica e acessível fonte de proteína.

Antioxidante – Seja em países ricos ou pobres, o amendoim ajuda a combater a fome e está a serviço da segurança alimentar. Exemplo disso é um suplemento composto pelo produto e idealizado pelo cientista francês Andre Briend, que, no início desta década, ajudou a reduzir a mortalidade infantil em países da África Subsaariana, onde 25% das crianças morrem de desnutrição antes de completar cinco anos de idade. No Brasil, mais exatamente no estado da Paraíba, em 2004, o amendoim também foi implantado com sucesso na alimentação de alunos da rede pública escolar. Não é para menos. A maior propriedade alimentícia do grão está em sua composição de alto teor nutricional e proteico. O amendoim leva 25% de proteínas, é rico em vitamina B3, que atua sobre o sistema digestivo e tônus muscular, e em vitamina E, um poderoso antioxidante que protege as células dos danos provocados pelos radicais livres, ajudando a retardar os efeitos do envelhecimento e a prevenir doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer.
A nutricionista Vanderli Marchiori, da Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab), acrescenta que o grão ajuda a combater a obesidade reduzindo o apetite e a gordura abdominal. Seu consumo pode ser iniciado já a partir dos três anos de idade e se estender até aos maiores de 60, pois, por ser um excelente antioxidante, reduz a degeneração das células, inclusive cerebrais. E, ainda que não possua agentes afrodisíacos, o amendoim ajuda mesmo a melhorar o desempenho sexual devido a sua alta dosagem de arginina, um aminoácido que ativa a circulação sanguínea inclusive nos órgãos sexuais. Também as gestantes devem incluir essa oleaginosa na dieta, porque o ácido fólico nela contido é essencial para formar corretamente o sistema nervoso do feto e reduzir infecções comuns na gravidez e evitar a anemia. Mas por ser altamente calórico – 100 gramas equivalem a 600 calorias –, o amendoim deve ser consumido com moderação: não mais de 40 gramas diárias, o equivalente ao que cabe na palma da mão de um adulto.

Biodiesel – Além de alimento, esse grão é uma fonte de energia renovável como opção de biodiesel. Enquanto o grão da soja, por exemplo, apresenta teor de oleosidade de no máximo 20%, o do amendoim varia de 40% a 56%. De acordo com o pesquisador Ignácio José de Godoy, especialista do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), o que falta para a aplicação do amendoim se viabilizar como biodiesel é um maior investimento genético em suas sementes. O alto custo de produção também não estimula a produzi-lo como combustível. Atualmente, o amendoim é ainda mais valorizado pela indústria de alimentos do que pela de combustíveis. Outro inibidor é a pequena área cultivada em relação à soja. Quanto à qualidade, porém, não se discute. “Quando o mercado deixar de focar o volume de produção e se voltar para a qualidade, o óleo de amendoim poderá ser uma das principais fontes de biodiesel do País”, garante o engenheiro-agrônomo e mestre em produção vegetal João Paulo Mantovani.




Fonte: FC edição 958- outubro 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados