Reações e ações na enfermidade

Data de publicação: 21/11/2017

Por Frei Luiz Turra
 

No sofrimento humano, a religião lança uma luz que nenhuma explicação humana consegue projetar, a luz do sentido e da esperança

Certamente não há como ficarmos indiferentes diante da doença, o sofrimento e a enfermidade. Qualquer aparente indiferença já passa a ser insensibilidade e desumanidade. Aos humanos, nenhum sofrimento é insensível. Enquanto não passa pela dor, o amor não deixa de ser imaturo e infantil. É sempre mais notória a tendência atual e são sempre mais criativas as maneiras artificiais do mundo moderno para acabar com o sofrimento e ocultar a morte. Isso leva a um mundo fictício e a uma mentalidade ilusória, que, em lugar de ajudar, aumenta ainda mais o sofrimento e a dor de quem se vê cercado por limites.

Amadurecer na crise e na dor − Não tratamos aqui dos males que se impõem nos ombros dos outros, especialmente dos indefesos. Esse tipo de artifício dos fariseus é condenado por Cristo: “Amarram fardos pesados e insuportáveis e os põem nos ombros dos outros, mas eles mesmos não querem movê-los, nem sequer com um dedo” (Mt 23,4). A dificuldade é a hora da solidariedade. Trata-se de encarar de forma humana e cristã o sofrimento e a dor, como o crisol que testa e aprofunda o valor das relações humanas. Como é animador quando se recorda alguma dor ou sofrimento passado que resultou no surgimento ou fortalecimento da amizade ou na união de duas vidas!
Assim como a provação no sofrimento já amargurou muitas vidas e deixou tantos revoltados e descrentes, muito mais foram e são as pessoas que se converteram na pior hora de sua existência. Basta lembrar São Francisco de Assis, Santo Inácio de Loyola, São Camilo de Lellis e tantos outros. Estes, provados pela dor e enfermidade, às quais reagiram positivamente, são presença de um alto senso de humanidade e agentes de especial humanização para a história.

Algo a mais que o sofrimento − Sofrer por sofrer não é humano e menos ainda cristão. A enfermidade e o sofrimento são tão duros na vida das pessoas, que, por nós mesmos não temos suficientes recursos para resistir e integrar. Necessitamos contar com o estímulo afetivo dos que nos cercam e do estímulo místico que vem esclarecer o sentido escondido do sofrimento, que nenhuma lógica e nenhuma ciência humana explicam.
Justamente nesse aspecto que a religião vem ajudar a pessoa na sua provada e frágil existência. Não se trata aqui de uma religião “ópio do povo”, que aliena e oprime, mas a religião como argumento de esperança e luta, de empenho e magnanimidade. É evidente que o senso religioso deve impregnar todas as ações da pessoa, mas é na hora mais frágil que a mística se torna mais urgente.
Nesse aparente caos do sofrimento humano, a religião projeta uma luz que nenhuma explicação humana consegue projetar. É a luz do sentido e da esperança que chegam, no caminho da vida, sem a qual tudo tem sabor de absurdo. Como toda a história humana, a Bíblia é uma história de sofrimentos e dores. Ela não induz à fuga, mas encara de frente tudo, como é na sua realidade.

Sofrimento na Bíblia − O Antigo Testamento retrata a realidade do sofrimento. Assim como toda a história humana, a Bíblia é também uma história permeada de sofrimentos e dores. As doenças de toda a espécie estão presentes nesta caminhada do povo de Deus. Por ser Palavra de Deus, a Bíblia não tira o realismo do sofrimento em toda a sua crueza (cf. Jó 13,1ss; Eclo 40,1ss; Ecl 9,1ss).
Há um agravante racional, quando se sabe do sofrimento evocado na Bíblia, pois parece mais incompreensível para o crente do que para o ateu. A visão pessimista e niilista do descrente, de quem considera a vida um caos feito pelo demônio, por si só já eliminou toda a revolta posterior.
A fé não tira a possibilidade de alguém se revoltar pela prosperidade dos ímpios, enquanto os pobres sofrem demais (cf. Jr 12, ; Hab 3,14ss; Sl 89,39ss). A indignação ética faz parte de quem cultiva critérios verdadeiros e sensibilidade religiosa. Acenamos alguns aspectos mais evidentes do Antigo Testamento, quando trata a doença e o sofrimento:

  •     Consequência do pecado e da infidelidade à aliança (cf. Ex 9,ss; Dt 28,21ss);
  • Prova e advertência para a conversão e reconciliação (cf. Tb 12,13-14; Jó 2,4-7);
  • Oportunidade para a aproximação com Deus e disposição ao dom gratuito de Deus. Muitos Salmos expressam esse diálogo sincero e confiante (cf. Sl 6,2-6; 32; 38,2-4; 39; 88; 102 etc)
  •  A prece pela saúde costuma estar ligada a uma confissão dos pecados (cf. Sl 38,2ss; 39,8-9).
  • Mesmo no meio da passageira treva do sofrimento, a Providência logo resplandece em favor dos eleitos (cf. Gn 37; 39ss), mas também é questionada (cf. Jó 4ss; 8; 11... Nenhuma razão convence ou consola quem sofre (cf. Jó 10,1-3; 13; 14,16s).
  •  A doença tem o seu caráter purificador (cf. Jr 9,6; Sl 65,10), seu valor educativo (cf. Dt 8,5; Pr 3,11-12; 2Cr 32,26) e seu alerta para o futuro (cf. Sb 4,14).
  •   Ponto alto e misterioso do Antigo Testamento é a narrativa do Servo de Iahweh (cf. Is 42,1-7; 49,1-9; 50,4-9; 52,13 – 53,12). Tudo o que é dito parece uma descrição antecipada da paixão de Cristo.

Perguntas
1.     Na experiência pessoal e na convivência com as pessoas, quais são as reações mais frequentes diante da doença, do sofrimento e da dor?
2.    Diante das situações de limites humanos, quais são as ações mais dignas e que mais contribuem?
3.    Além do que foi citado do Antigo Testamento, você conhece outros acenos importantes?




Fonte: FC edição 952- abril 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Atitudes desinteressadas
Se a regra da amizade te convida a amar um homem gratuitamente,Deus deve ser amado ainda mais.
Missa versus ruídos
É o Espírito Santo que deve nos levar para frente,com a sabedoria que é uma brisa suave”(Francisco).
O sentido pascal da vida
A dinâmica pascal da vida faz parte fundamental de nossa proclamação da fé cristã.
Sacramento da penitência
Tudo começa pela consciência que os cristãos tinham de terem sido salvos e reconciliados.
Liturgia da Palavra
31 de Dezembro de 2017 - Sagrada Família Jesus, Maria e José, Ano B, Reflexão da Liturgia.
Início Anterior 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados