Depressão: o mal do século

Data de publicação: 25/05/2018


Por,  Nathan Xavier
 
Ela atrapalha os relacionamentos, a vida social e o trabalho, incapacitando mais de 322 milhões de pessoas no mundo

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), órgão das Nações Unidas, o Brasil é o segundo país das Américas com a predominância de pessoas com depressão. Perde apenas para os Estados Unidos, e até 2020 será a doença mais incapacitante do mundo. São 11,5 milhões de brasileiros, de variadas faixas etárias. Ainda não se sabe as causas que desencadeiam a doença, e, o mais provável, é que seja uma combinação de fatores biológicos, psicológicos e sociais. O sintoma é bem conhecido: perda total de interesse. Dependendo de cada caso, podem incluir ainda alterações no sono, apetite, nível de energia, ansiedade, baixa autoestima e pensamentos suicidas. Não possui cura, mas pode ser controlada, e a base do tratamento inclui medicamentos, psicoterapia ou uma combinação dos dois.
Recentemente o youtuber Felipe Neto, famoso nas redes sociais e no canal de vídeos YouTube, deixou de lado os vídeos engraçados para falar sobre o assunto. Também diagnosticado com depressão, toma remédio regularmente e confessa que também ele tinha certo preconceito com a doença. No vídeo, alerta os mais de 11 milhões de inscritos em seu canal, a maioria jovens entre 13 e 17 anos, que a doença é algo sério: “Depressão não é frescura, não é uma fase. É uma doença, e você precisa de ajuda. É um problema silencioso em que a maior parte das pessoas no mundo não gosta de falar sobre o assunto”, lembrando que o Brasil é o oitavo país com a maior taxa de suicídio do mundo (veja “Depressão na adolescência”, seção Dinâmica familiar).
Karla Baldo, 32 anos, passou por isso, mas conseguiu ser salva a tempo. “Sempre viajei muito e morei em diversas cidades grandes dentro e fora do Brasil. Quando precisei voltar a morar com meus pais, no interior de Minas Gerais, minhas crises de ansiedade, que até então para mim eram normais devido à mudança de ambiente, começaram a ser recorrentes. Eu passei a ter insônia e pânico, já não saía do quarto. Em outubro de 2016, após uma discussão com minha irmã, eu decidi pôr fim à minha vida me enforcando. Fui encontrada pelo meu pai já quase sem vida.”
 Caio Costa, 28 anos, foi diagnosticado cedo com a doença, que desencadeou logo após sua melhor amiga se matar: “Eu estava com 14 anos na época e a gente era muito próximo. Fiquei muito mal, não saía de casa, só dormia”.
Preconceito – “Embora tenha sido minha mãe que me levou ao psiquiatra, minha família não gosta muito disso. Para eles, tem problema vai para a Igreja. Mesmo para mim é difícil me abrir e foi difícil fazer terapia”, reconhece, Caio. “Antes tinha vergonha de falar o que vivi, e vivo”, confessa Ana Carolina de Oliveira, hoje com 22 anos mas diagnosticada com depressão aos 9, “Somos acostumados a falar sobre o corpo físico, mas o espiritual e principalmente o mental não são coisas socialmente ‘discutíveis’. Tudo é sempre muito velado, e qualquer alteração nesse sentido é vista com olhares julgadores.” Karla revela que até hoje não recebe muito apoio da família: “Achavam ser uma fase ruim, que iria passar”. Já para Carmem Miller Oliveira, 43 anos, o problema foi ela própria: “É bobeira, frescura; a primeira vez que aceitei que Michael, meu marido, comprasse remédio, custou 200 reais. Ele voltou e brincou: ‘Querida, volte a beber porque é mais barato’”, conta rindo, da situação. “Mas é um preconceito, porque se trata de investir dinheiro naquilo que vai trazer uma ajuda para você. Comecei a me desconectar até da minha própria família, porque vivia em função de trabalhar.”
Melhora significativa – A psicóloga Cintia Ferrer afirma que é importante o diagnóstico por um especialista, para não confundir depressão com tristeza. “Qualquer um pode ficar triste. Ficamos mal por alguma situação, por um luto; são períodos que temos na vida e levamos um tempo para nos reorganizarmos, é normal. Já a depressão é uma doença, a pessoa não quer nada e não espera nada, não é um episódio de tristeza. Não é algo que a pessoa controle, ela simplesmente fica entregue àquela doença”, explica.
Os remédios para a depressão são fortes e apresentam sérios efeitos colaterais. Alerta Cintia: “Apenas o psiquiatra pode receitar e indicar a dosagem da medicação. Às vezes a pessoa melhora dos sintomas, das crises, mas fica uma coisa no peito que não passa. Nesse processo, a terapia, o esporte, uma prática religiosa pode ser uma porta onde ela acredita encontrar respostas para essa coisa no peito que não passa. Nunca é algo sozinho que leva alguém a melhorar de um quadro desses”.
Ana Carolina relata ter tido uma melhora significativa com o handball e o futsal aliados ao remédio. “encontrei apoio na religião e, mais tarde, no teatro. Os dois me ajudaram e ainda ajudam nos momentos de crise.” O mesmo aconteceu com Aparecida Lima: “Há dois anos pude trocar a medicação por exercícios físicos, caminhadas e no consumo de alimentos que ajudam na produção de dopamina e serotonina. Mas sobretudo caminhadas, isso ajuda muito”! O publicitário Nizan Guanaes tem um texto explicando porque ele começou a rezar e num momento ele diz que “sem a oração e a meditação a gente desembesta a fumar, a beber e a tomar ansiolítico. Isso me pegou bem pesado por que era o que eu estava fazendo. O rezar para mim veio como um apelo para silenciar, de saber ficar comigo mesmo apesar das minhas neuroses”.
Há saída – “Eu pensei que podia resolver sozinho, e eu não posso”, afirma Caio. Ana Carolina ilustra de forma bem poética: “A depressão não é frescura, nem brincadeira, muito menos falta de Deus. Ela é como uma onda, que vem e que vai, que modifica momentaneamente o mar, mas que não muda sua essência. O mar, quando não aceita a intensidade das ondas, fica revolto, mas, ao perceber que as ondas também fazem parte dele, encontra a calmaria na aceitação. Aceitar não é desistir, é perceber que gastar todas as forças lutando não é saudável. Ninguém é sozinho no mundo. Sejamos mais como o mar”.




Fonte: fc edição 978, junho de 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sobreviver é preciso
O câncer deve atingir 22 milhões de pessoas em todo o mundo até a ano de 2030
Comer com fé
Os judeus acreditam que o alimento nutre não apenas o corpo, mas também a alma
Curar com as mãos
Considerar o corpo inteiro e tratar a causa do problema são as principais armas da osteopatia
Mexa-se contra a incontinência
A incontinência urinária atinge 10% da população mundial; saiba como preveni-la e combatê-la
Sopas frias
Férias, praia, calor,as sopas frias são opções práticas e saudáveis que combinam com nosso país
Início Anterior 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados