Presa a Cristo pelo amor

Data de publicação: 10/07/2018

Por, Maria Inês Carniato, fsp
 
A longa trajetória por incontáveis lugares de punição, muitas vezes injusta e sempre desumana, já mostrou à irmã Letícia todo tipo de sofrimento.

“Vinde, benditos de meu Pai! Recebei o Reino que vos foi preparado desde a criação do mundo! (...) Porque estive preso e fostes me visitar” (cf. Mt 25,34-36), disse Jesus aos seus discípulos de todos os tempos. Entre os benditos que trazem no peito o Reino do Pai estão os que enxergam o Senhor sofrendo nos presídios e vão visitá-lo.
Irmã Letícia Pillecco é uma Irmã Paulina, filha do Apóstolo Paulo por vocação. Paulo foi preso e torturado várias vezes por anunciar o Reino de Deus no mundo injusto de seu tempo, e vibrava de alegria quando um amigo ia vê-lo na prisão. Trabalhando na Pastoral Carcerária da Arquidiocese de Porto Velho (RO), irmã Letícia revela sua paixão antiga e bem paulina: “Eu sempre visitei os encarcerados. Desde 1957, nas viagens missionárias, onde havia presídios eu conseguia uma lista de nomes dos apenados e, indo de casa em casa, em visita às famílias da cidade, sugeria que adotassem espiritualmente um deles, doando um volume da História Sagrada com uma dedicatória. Depois, eu levava os livros, que eram distribuídos com uma singela celebração da Palavra de Deus”.

Pastoral Carcerária – Desde jovem, irmã Letícia abraçou esse trabalho, com algumas companheiras, dedicando o único descanso semanal, nos domingos à tarde, para visitar os presos na cidade de São Paulo (SP), depois continuou em São Luís (MA) e agora atua na capital de Rondônia, onde existe um número impressionante de unidades prisionais. Em nome da Igreja, fazendo parte de uma equipe de leigos e leigas liderados por um sacerdote, a irmã entra semanalmente nestes locais de sofrimento e contradição, onde não faltam, porém, gestos comoventes das pessoas que lá vivem. Isso, nos fins de semana, quando a missionária, de 80 anos de idade, não mede passos nas ruas poeirentas nem gotas de suor na escaldante temperatura do Norte. “Nós visitamos também as famílias daqueles que nos pedem. Esse apoio ajuda muito na recuperação dos apenados e conforta os familiares. A alegria das famílias quando a pessoa é libertada e se recupera é incalculável, e a nossa, nem se fala! É como se fossem nossos próprios familiares, o que na realidade são”, explica, com os olhos brilhantes de felicidade.
Comunicadora do bem – Tanto amor cristão semeado dá fruto imediato no coração de quem sofre atrás das grades ou em casa, pela ausência do parente querido. É o que mostra Lourdes Moura de Alencar, mãe de uma jovem apenada, referindo-se às senhoras Maria do Carmo de Souza Mariúba e Rita de Cássia Pinheiro, atuantes na Pastoral Carcerária, enquanto, ao lado de irmã Letícia, elas saboreiam um cafezinho na cozinha dela em um domingo de manhã: “Essas amigas são as únicas pessoas que eu sei que são minhas verdadeiras irmãs”.
E o eco dessa irmandade se repete dentro dos altos muros em palavras sinceras como essas de uma jovem apenada: “Neste lugar a gente se sente esquecida, e muitos acham que estamos perdidas, mas não: nossas amigas da Pastoral Carcerária vêm saber como estamos e tentam amenizar nosso sofrimento. Elas perguntam do que precisamos, mas nem é necessário que tragam nada: basta uma palavra, um abraço, para ficarmos felizes”. “É uma pastoral gratificante, mesmo que seja tão difícil”, diz irmã Letícia, respaldada por 60 anos nessa prática de amor só possível para as pessoas às quais o Pai reservou o Reino – como garante Jesus.
Além do encontro espiritual humanizante, a Pastoral Carcerária acompanha os apenados e os familiares por meio de advogados e advogadas voluntários que servem a Deus nos irmãos e irmãs desassistidos. Quando uma pessoa é presa, alguns profissionais sem escrúpulos tentam extorquir financeiramente os parentes, que fazem esforços sobre-humanos para socorrer o apenado com assistência jurídica. Nesses casos, a assessoria voluntária é de grande importância, pois muitas vezes as famílias desconhecem os direitos de quem foi preso e os caminhos que garantem o acesso a eles gratuitamente. A luta da equipe no momento é para abrir uma extensão de um curso superior da Universidade Federal de Rondônia (Unir) nas dependências da Penitenciária Feminina Estadual, beneficiando as quase 30 apenadas que obtiveram boa pontuação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017, no qual algumas alcançaram nota máxima em redação. 

Presença de esperança – A longa trajetória por incontáveis lugares de punição, muitas vezes injusta e sempre desumana, já mostrou à irmã Letícia todo tipo de sofrimento. Mas já trouxe memórias como esta carta de uma professora que, momentaneamente desempregada, foi presa por ter vendido drogas para pagar o aluguel. Ela escreve: “Irmã, estar neste lugar não é fácil, por isso lhe agradeço o respeito, o amor e a sinceridade dedicados a todas nós. Sabemos que, se não houvesse a certeza de que todo mundo merece uma segunda chance, talvez muitas de nós já teríamos desistido de lutar por uma vida melhor. A falta de oportunidade e de um lugar digno para morar leva as pessoas a procurarem modos de ganhar algum dinheiro para manterem os filhos e ajudarem a família. Saber que existe, em algum lugar deste mundo, alguém que quer o nosso bem é tão maravilhoso que nem sei como agradecer! Agradeço a Deus por ter colocado no mundo pessoas como a senhora, para estarem ao lado de pessoas como eu”.
Outra amiga apenada escreveu poucas frases que a irmã Letícia guarda como tesouros: “A senhora é uma pessoa muito importante em minha vida. Em um momento de trevas, de repente me apareceu uma luz. Essa luz era a senhora, que me fez ver que eu não estava só”.
Fazer a pessoa que sofre se sentir importante para alguém é, no entender de irmã Letícia, uma missão totalmente gratuita e nada fácil, porém que vale a pena, porque a recompensa está no céu. “Minha maior alegria é quando recebo o pedido de um exemplar da Bíblia. Já distribuímos mais de mil Bíblias, doadas por pessoas amigas. Não consigo mais deixar essa pastoral, porque ela já faz parte de mim”, afirma.
E Jesus, o irmão de todos, responde a ela e a quantos se dedicam ao testemunho da misericórdia do Pai: “Não consigo deixar aqueles presos que você vai visitar, porque eles fazem parte de mim”.





Fonte: Fc edição 980, Agosto de 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liturgia da Palavra
18 de novembro de 2018 - 33º Domingo do Tempo Comum - Ano B - Liturgia da Palavra
Possibilidades e desafios
É um desafio resgatar o protagonismo dos cristãos leigos e leigas numa Igreja paroquial concentrada
Liturgia da Palavra
11 de novembro de 2018 - 32º Domingo do Tempo Comum - Ano B - Liturgia da palavra
A inculturação do Evangelho
Quero caminhar com o meu povo e estar no meio dele, sofrer com ele as mudanças e enxergar
Sim, eu creio!
A primeira experiência no ato de crer não se faz com a inteligência. Num primeiro momento não cremos
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados